Caracterização físico-química de vinhos de mesa tintos elaborados na região do Planalto Norte Catarinense, safra 2022

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023546

Palavras-chave:

Vitis labrusca L.; , desenvolvimento rural, polifenóis totais, qualidade do vinho

Resumo

O trabalho foi realizado com objetivo realizar a caracterização físico-químico de vinhos de mesa tinto elaborados no Planalto Norte Catarinense, safra 2022, verificando a qualidade destes vinhos e enquadram-se com a legislação brasileira vigente. Ao todo foram coletadas vinte e quatro amostras de vinhos de mesa tintos, provenientes dos municípios de Bela Vista do Toldo (2), Canoinhas (4), Ireneópolis (1), Itaiópolis (1), Mafra (2), Papanduva (2), Porto União (4), Rio Negrinho (3) e São Bento do Sul (5). Durante o mês de agosto de 2022, realizou-se a caracterização físico-química das amostras, no laboratório de Fruticultura do Instituto Federal de Santa Catarina – Campus Canoinhas. Foi avaliado a densidade relativa, sólidos solúveis, º Babo, acidez total, potencial hidrogeniônico (pH), cor 420 nm, cor 520 nm, cor 620 nm, tonalidade de cor, intensidade de cor e polifenóis totais. Os resultados para as variáveis avaliadas foram: acidez total (109,6 meq L-1), densidade (0,995), sólidos solúveis (7,3 ºBrix), pH (3,32), coloração 420 nm (2,707), coloração 520 nm (4,961 nm), coloração 620 nm (0,812), intensidade de cor (8,48), tonalidade de cor (0,57) e polifenóis totais (1049,8 mg L-1 ácido gálico). Os resultados observados no presente trabalho demonstram o potencial da região do Planalto Norte Catarinense para a elaboração de vinhos de mesa tintos, sendo os resultados, em sua maioria, em acordo com a legislação vigente. Em relação aos resultados das análises físico-químicas verificou-se que há predomínio da elaboração de vinhos de mesa seco. Ressalta-se ainda que para as variáveis acidez total titulável, densidade relativa, pH e sólidos solúveis há uma certa padronização das amostras avaliadas, com menor coeficiente de variação para estas variáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcemir Nabir Kowal, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Eduarda Schmidt, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Thalia Aparecida Silva Maciel, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Rabechlt Stange Almeida, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Thuany Aparecida Levandoski Jansen, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Eduardo Virmond Souza Farias, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Otávio Frederico Tschoeke Steidel, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Rodrigo Palinguer, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Kelly Eduarda Demetrio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Caroline Wisniewski, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

.

Douglas André Würz, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

Engenheiro Agrônomo e Sommelier Internacional, com experiência na área de Viticultura, Enologia e Análise Sensorial de Vinhos. Especialista em Proteção de Plantas pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e especialista em Agronegócio (Unicesumar). Desempenhou Funções de Engenheiro Agrônomo, Gerente de Campo, Recepção de visitantes e degustações em Vinícola. Atuou também como professor de Viticultura, Fitossanidade e Administração e Economia Rural do Curso Técnico de Viticultura e Enologia, da Escola de Ensino Básico Manoel Cruz, em São Joaquim - Santa Catarina. Possui qualificação WSET Level 1 Award in Wines (QCF), pela The Wine School & Spirit Education Trust Limited e é Sommelier Internacional pela FISAR/UCS. Atualmente é Mestrando em Produção Vegetal da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, atuando na área de Viticultura e Enologia. Colunista sobre Vinhos no "Jornal A Tribuna" de São Joaquim - SC, no jornal "Diário de RioMafra" de Mafra - SC e no Jornal "Testo Notícias" de Pomerode - SC, no Jornal "Correio do Contestado" de Papanduva - SC, no Jornal "Perfil" de Rio Negrinho - SC e "Revista Expressiva" de Lages - SC.

Referências

ALMEIDA JA et al. 2018. Mineralogia da argila e propriedades químicas de solos do Planalto Norte Catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias 17: 267-277.

ALMEIDA RS et al. 2023. Caracterização do perfil físico-químico de vinhos de mesa tintos elaborados na região do Planalto Norte Catarinense, safra 2020. Journal of Agronomic Sciences 12: 64-74.

BENDER A et al. 2017. Avaliação Físico-Química e Compostos Bioativos de Vinho Tinto Colonial produzido em São Lourenço do Sul (RS). Revista Eletrônica Científica UERGS 3: 249-265.

BRAGA RF. 2015. Aminas bioativas, polifenóis e antocianinas em vinhos tintos de mesa nacionais. Dissertação de Mestrado (Ciência de Alimentos), Belo Horizonte: UFMG. 71 p.

BRASIL. 2018. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa n° 14, de 8 de fevereiro de 2018. Complementação dos Padrões de Identidade e Qualidade do Vinho e Derivados da Uva e do Vinho. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF.

BRITO FL et al. 2020. Diagnóstico da qualidade química de vinhos produzidos na região Sul do estado de Minas Gerais. Research, Society and Development 9: e3479119763.

CASTILHOS MBM & BIANCHI VL 2011. Caracterização físico-química e sensorial de vinhos brancos da região Noroeste de São Paulo. Revista Holos 4: 148-158.

CASTILHOS MBM & BIANCHI VL 2012. Vinhos Tintos do Noroeste Paulista: relação entre perfis físico-químicos e sensorial. Revista Holos 4: 80-89.

COLI MS et al. 2015. Conteúdo de cloretos em vinhos brancos de diferentes países. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada 36: 503–507.

DELLER AE & MARTINS EC 2021. Parâmetros físico-químicos em amostras de vinhos orgânicos da região de Bela Vista do Toldo, Santa Catarina. Luminária 23: 25-35.

DUTRA M et al. 2019. Tipificação de propriedades leiteiras administradas por jovens agricultores na região do Planalto Norte Catarinense. Desenvolvimento Regional em debate 9: 387-401.

ESTEBAN MA et al. 2002. Relationships between different berry components in Tempranillo (Vitis vinifera L.) grapes from irrigated and nonirrigated vines during ripening. Journal of the Science of Food and Agriculture 82: 1136-1146.

GIOVANINNI E & MANFROI V. 2009. Viticultura e Enologia: elaboração de grandes vinhos nos terroirs brasileiros. Bento Gonçalves: IFRS. 360p.

GLORIES Y. 1984. La couleur des vins rouges. 1 partie: Les equilibries des anthocyanes et des tanins. Connaiss. Vigne Vin. France 8: 195-217.

IBGE. 2022. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola 2018-2019. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/home/lspa/brasil. Acesso em: 13 abr. 2023.

JACKSON RS. 2014. Wine Science: principles and applications. Elsevier. 4.ed. 751p.

JANSEN TAL et al. 2023. Caracterização físico-química de vinhos de mesa brancos elaborados no Planalto Norte Catarinense, safra 2021. Journal of Agronomic Sciences 12: 40-48.

LOOSE RF. 2015. Caracterização de vinhos pelo seu teor de polifenóis. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Química), Santa Maria: UFSM. 29 p.

MANFROI V et al. 2010. Influência de taninos enológicos em diferentes dosagens e épocas distintas de aplicação nas características físico-químicas do vinho Cabernet Sauvignon. Ciência e Tecnologia de Alimentos 30: 127-135.

MELLO LMR. 2019. Vitivinicultura brasileira: panorama 2018. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, Comunicado Técnico 210. 12 p.

MELLO LMR & MACHADO CAE. 2022. Vitivinicultura brasileira: panorama 2021. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. Comunicado Técnico 226. 17 p.

MORAES V & LOCATELLI C. 2010. Vinho: uma revisão sobre a composição química e benefícios à saúde. Evidência10: 57-68.

OIV. 2012. Office International de la Vigne et du Vin. Recueil des Méthodes Internationales d’Analyse des Vins et des Moûts. Paris: Office International de la Vigne et du Vin.

OLIVEIRA A et al. 2008. Estudo analítico de vinhos portugueses por electroforese capilar. Porto: IVDP.

OLIVEIRA LC et al. 2011. Avaliação das características físico-químicas e colorimétricas de vinhos finos de duas principais regiões vitícolas do Brasil. Instituto Adolfo Lutz, São Paulo 70: 158-167.

RAPOSO R et al. 2018. Sulfur free red wines through the use of grapevine shoots: Impact on the wine quality. Food Chemistry 243: 453–460.

REIS TA. 2016. Elaboração, caracterização e análise sensorial de vinhos (Vitis spp.) de região subtropical. Tese (Doutorado Ciência dos Alimentos). Lavras: UFLA. 107p.

RIBÉREAU-GAYON P et al. 2002. Handbook of enology, vol. 2. The Chemistry of wine, stabilization and treatments. Hoboken: Wiley. 410 p.

RIZZON LA. 2010. Metodologia para análise de vinho. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. 120 p.

SCHMIDT E et al. 2022. Diagnóstico do processo de elaboração de vinhos no Planalto Norte Catarinense. Research, Society and Development, 11: e245111032713.

SILVA JN et al. 2019. Characterization of tropical viticulture in the fluminense north and northwest regions. Revista Brasileira de Fruticultura 41: e-136.

SINGLETON VL & ROSSI JA. 1965. Colorimetry of total phenolics with phosphomolybdic and phosphotungstic acid reagents. American Journal of Enology and Viticulture 16: 144–158.

SOMERS TC. 1976. Pigment development during ripening of the grapes. Vitis 14: 269-277.

STEIDEL OFT et al. 2023. Composição físico-química de vinhos de mesa rosé elaborados na região do Planalto Norte Catarinense, safra 2021. Journal of Agronomic Sciences 12: 49-57.

TOMPOROSKI AA & MARCHESAN J. 2016. Planalto Norte Catarinense: algumas considerações sobre aspectos históricos, características físico-naturais e extrativismo. DRd – Desenvolvimento Regional em debate 6: 51-63.

WREGE MS et al. 2012. ATLAS CLIMÁTICO DA REGIÃO SUL DO BRASIL: estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. 2.ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. 334 p.

WURZ DA et al. 2021. Caracterização físico-químico de vinhos de mesa tintos elaborados na região do Planalto Norte Catarinense, safra 2019. Revisa Ciência e Inovação do IFFAR 7: 1-16.

WURZ DA et al. 2022. Composição físico-químico de vinhos de mesa brancos elaborados no Planalto Norte Catarinense, safra 2020. Research, Society and development 11: e9611225718.

WURZ DA & JASTROMBEK JM 2022. Caracterização dos Produtores rurais e sistema produtivo da viticultura no Planalto Norte Catarinense. Revista Desenvolvimento Regional em Debate 12: 424-235.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

KOWAL, Alcemir Nabir et al. Caracterização físico-química de vinhos de mesa tintos elaborados na região do Planalto Norte Catarinense, safra 2022. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 546–553, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023546. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23741. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2