Seletividade e eficácia de herbicidas aplicados em canola para controle de plantas daninhas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712222023218

Palavras-chave:

Brassica napus var. oleífera, Avena strigosa, Lolium multiflorum, R. raphanistrum, Raphanus sativus

Resumo

O uso de herbicidas para o controle de plantas daninhas é o método mais empregado pela eficácia, rapidez e menor custo, porém poucos são os produtos registrados à cultura da canola. Diante disso, objetivou-se com os trabalhos avaliar a seletividade (ensaio I) e a eficácia (ensaio II) de herbicidas aplicados de modo isolado ou associados em pré e pós-emergência da canola para o controle de plantas daninhas. Os experimentos foram instalados em delineamento de blocos casualizados, com quatro repetições. Em pré-emergência aplicou-se os herbicidas oxyfluorfen, pendimethalin, flumiozaxin, trifluralin e em pós-emergência o fluazifop-p-butil, mais as testemunhas capinada e infestada. Foram avaliadas a fitotoxicidade e as características fisiológicas no ensaio de seletividade, e o controle das plantas daninhas nabo, azevém e aveia preta no experimento de eficácia. Nos dois experimentos determinou-se os números de síliquas por planta, de grãos por síliqua, densidade de plantas, massa de mil grãos e a produtividade de grãos. O oxyfluorfen aplicado em isolado ou associado ao fluazifop-p-butil ocasionou as maiores fitotoxicidades ao híbrido de canola Diamond. As menores fitotoxicidades foram observadas para o pendimethalin e ao fluazifop-p-butil aplicados em isolado ou associados. Todos os herbicidas testados causaram estresse na concentração interna de CO2, transpiração, condutância estomática, atividade fotossintética, eficiência do uso da água e de carboxilação. O flumioxazin e o fluazifop-p-butil aplicados em pré e pós-emergência da canola apresentaram os melhores resultados para os componentes de rendimento de grãos da cultura, especialmente maior produtividade, juntamente com a testemunha capinada no ensaio de seletividade. Nenhum dos tratamentos com herbicidas controlaram adequadamente o nabo (experimento 2), e a presença desta planta daninha afetou negativamente os componentes de rendimento de grãos da canola. O fluazifop-p-butil aplicado em isolado ou associado ao oxifluorfen, pendimethalin, flumioxazin e trifluralin apresentaram os melhores controles de azevém e aveia preta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGROFIT. 2023. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: http://agrofit.agricultura.gov.br/agrofit_cons/principal_agrofit_cons. Acesso em: 20 Jan. 2023.

ALTERMAN MK & JONES AP. 2003. Herbicidas: Fundamentos fisiológicos y bioquímicos del modo de acción. Santiago: Ediciones Universidad Católica del Chile. 333 p.

BALEM R et al. 2021. Controle de nabo e azevém em trigo com herbicidas pós-emergentes. Revista de Ciência e Inovação 6: 1-12.

BRANDLER D et al. 2021a. Periods of weed plant interference in canola. Communications in Plant Sciences 11: 001-008.

BRANDLER D et al. 2021b. Interference and level of economic damage of turnip in canola. Revista Agrária Acadêmica 4: 39-56.

CECHIN J et al. 2016. Resistência de biótipos de nabo ao herbicida iodosulfurom e controle alternativo. Planta Daninha 34: 151-160.

CORREIA NM & CARVALHO ADF. 2021. Seletividade de herbicidas para batata-doce. Weed Control Journal 20: e202100740.

DALASTRA GM et al. 2014. Trocas gasosas e produtividade de três cultivares de meloeiro conduzidas com um e dois frutos por planta. Bragantia 73: 365-371.

DURIGON MR et al. 2019. Competitive ability of canola hybrids resistant and susceptible to herbicides. Planta Daninha 37: 1-9.

DURIGON MR et al. 2018. Properties of the enzyme acetolactate synthase in herbicide resistant canola. Bragantia 77: 485-492.

DURIGON MR et al. 2016. Indicações de uso e boas práticas de manejo da tecnologia Clearfield em canola para as regiões Sul e Centro-Oeste. Revista Plantio Direto 152: 1-9.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

GALON L et al. 2021. Controle de plantas daninhas na cultura da canola com diferentes herbicidas. Weed Control Journal 1: 02100011.

GALON L et al. 2022. Morphophysiological changes in clearfeld oilseed rape as a result of the application of ALS‑herbicides and weed competition. Journal of Plant Diseases and Protection 129: 993-1003.

GIMÉNEZ–MOOLHUYZEN et al. 2020. Photosynthesis inhibiting effects of pesticides on sweet pepper leaves. Insects 11: 69-75.

HEAP I. 2023. The International Herbicide-Resistant Weed Database. Disponível em: <http://www.weedscience.org>. Acesso em: 20 Jan. 2023.

INMET. INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. 2021. Dados climatológicos. Disponível em: https://bdmep. inmet.gov.br/. Acesso em: 10 out. 2021.

KAUR N et al. 2016. Weed management in sugarcane-canola intercropping systems in northern India. Field Crops Research 188: 1-9.

LOVARELLI D et al. 2020. Barley production in Spain and Italy: Environmental comparison between different cultivation practices. Science of The Total Environment 707: 135982.

MARIANI F et al. 2015. Herança da resistência de Lolium multiflorum ao iodosulfuron-methyl-sodium. Planta Daninha 33: 351-356.

MELGAREJO MA et al. 2014. Características agronômicas e teor de canola em função da época de semeadura. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola 18: 934-938.

MEROTTO Jr A et al. 2000. Tolerância da cultivar de soja Coodetec 201 aos herbicidas inibidores de ALS. Planta Daninha 18: 93-102.

OLIVEIRA Jr. RS & INOUE MH. 2011. Seletividade de herbicidas para culturas e plantas daninhas. In: OLIVEIRA Jr. Et al. (Ed.). Biologia e manejo de plantas daninhas. Curitiba: Omnipax. p.243-262.

OLIVEIRA NETO AM et al. 2011. Seletividade de herbicidas aplicados em pré-emergência na cultura do crambe. Revista Brasileira de Herbicidas 10: 49-56.

OLIVEIRA AR et al. 2009. Controle de Commelina benghalensis, C. erecta e Tripogandra diuretica na cultura do café. Planta Daninha 27: 823-830.

OLIVER DP et al. 2016. Comparative environmental impact assessment of herbicides used on genetically modified and non-genetically modified herbicide-tolerant canola crops using two risk indicators. Science of the Total Environment 557: 754-763.

PANDOLFO CE et al. 2013. Limited occurrence of resistant radish (Raphanus sativus) to AHAS-inhibiting herbicides in Argentina. Planta Daninha 31: 657-666.

PINHEIRO C & CHAVES MM. 2011. Photosynthesis and drought: can we make metabolic connections from available data? Journal of Experimental Botany 62: 869-882.

ROBINSON MA et al. 2015. Winter wheat (Triticum aestivum L.) response to herbicides as affected by application timing and temperature. Canadian Journal of Plant Science 95: 325-333.

RODRIGUES BN & ALMEIDA FS. 2018. Guia de herbicidas 7.ed. Londrina: IAPAR. 764 p.

SANTOS G et al. 2011. Seletividade toponômica de herbicidas para a cultura do algodão. Revista Brasileira de Herbicidas 10: 95-102.

SANTOS F et al. 2018a. Aproveitamento integral do nabo forrageiro (Raphanus sativus L.) em processos de biorrefinaria. Engevista 20: 374-393.

SANTOS HG et al. 2018b. Sistema brasileiro de classificação de solos. 5.ed. Brasília: EMBRAPA. 356p.

SIDAR RS. 2019. The identification of weeds and effect of herbicides in rapeseed-mustard: A review. Journal of Medicinal Plants 7: 73-77.

SILVA FG et al. 2015. Trocas gasosas e fluorescência da clorofila em plantas de berinjela sob lâminas de irrigação. Revista brasileira de engenharia agrícola e ambiental 19: 946-952.

SBCS. 2016. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Manual de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 11.ed. Porto Alegre: SBCS/Núcleo Regional Sul. 376p.

STANTON RA et al. 2010. Herbicide tolerant canola systems and their impact on winter crop rotations. Field Crops Research 117: 161-166.

UMURZOKOV M et al. 2019. Alternative herbicides to manage unintentionally released transgenic canola. Weed & Turfgrass Science 8: 123-130.

VARGAS L et al. 2011. Seletividade de herbicidas para a canola PFB-2. Passo Fundo: Embrapa Trigo 1: 1-14. (Documentos Online 130). Disponível em: <https://core.ac.uk/download/pdf/15442738.pdf >. Acesso em: 20 ago. 2021.

VARGAS L et al. 2013. Dose-response curves of Lolium multiflorum biotypes resistant and susceptible to clethodim. Planta Daninha 31: 887-892.

VELINI ED et al. 1995. Procedimentos para instalação, avaliação e análise de experimentos com herbicidas. Londrina: SBCPD. 42p.

XAVIER E et al. 2018. Activity of antioxidant enzymes in Euphorbia heterophylla biotypes and their relation to cross resistance to ALS and Protox inhibitors. Planta Daninha 36: 1-14.

Downloads

Publicado

2023-05-31

Como Citar

GALON, Leandro; BALKE, Marlon; CAVALETTI, Daniel Cristian; NETO, Otilo Daniel Henz; BRANDLER, Daiani; SCHMITZ, Moises Henrique; MEZADRI, David Fambre; PERIN, Gismael Francisco. Seletividade e eficácia de herbicidas aplicados em canola para controle de plantas daninhas. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 2, p. 218–233, 2023. DOI: 10.5965/223811712222023218. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22854. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)