Cultivar, densidade de semeadura ou momento da emissão: o que influencia mais a mortalidade e desempenho de perfilhos de trigo?

Autores

  • Magaiver Gindri Pinheiro Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Clovis Arruda de Souza Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Samuel Luiz Fioreze Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Curitibanos.
  • Luis Sangoi Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • João Francisco Costa Carneiro Junior Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Maira Maier Bisato Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712012021019

Palavras-chave:

triticum aestivum, potencial de perfilhamento, época de emissão.

Resumo

A emissão e sobrevivência de perfilhos em trigo depende de diversos fatores. Neste estudo, objetivou-se avaliar a influência da densidade de semeadura, do potencial de perfilhamento e da ordem temporal de emissão de perfilhos, na emissão, na sobrevivência e no desempenho de perfilhos individuais em cultivares de trigo contrastantes quanto ao potencial de perfilhamento. O experimento foi realizado em delineamento de blocos casualizados, com quatro repetições, em esquema fatorial 2x4; sendo duas cultivares de trigo (TBIO Toruk e TBIO Sossego) e quatro densidades de semeadura (208; 312; 416 e 500 sementes aptas m−2). Os perfilhos foram identificados semanalmente, conforme a ordem temporal de emissão durante quatro semanas consecutivas. Foram avaliadas a emissão, a sobrevivência e o desempenho produtivos de todos os perfilhos, além disso, foram avaliadas a altura de plantas, comprimento do pedúnculo, diâmetro de colmo, massa verde e presença de grãos. A mortalidade geral de perfilhos emitidos foi de 24%. Houve um decréscimo de 73% na emissão e 92% na sobrevivência de perfilhos ao longo de quatro semanas. O aumento da densidade de semeadura promoveu decréscimo de 43% na emissão e 44% na sobrevivência de perfilhos. A cultivar Sossego apresentou menor potencial de perfilhamento, mas com sobrevivência superior a Toruk. Os dois primeiros perfilhos emitidos representaram 77% do total de perfilhos emitidos. Perfilhos sobreviventes emitidos na primeira semana foram responsáveis por 40% do total da presença de grãos ao final do ciclo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA ML & MUNDSTOCK CM. 2001. A qualidade da luz afeta o afilhamento em plantas de trigo, quando cultivadas sob competição. Ciência Rural 31: 401-408.

ALMEIDA ML et al. 2004. Tiller emission and dry mass accumulation of wheat cultivars under stress. Scientia Agricola 61: 266-270.

CAI et al. 2014. Exogenous hormonal application improves grain yield of wheat by optimizing tiller productivity. Field Crops Research 155: 172-183.

CQFS-RS/SC. 2016. Comissão de Química e Fertilidade do Solo - RS/SC. Manual de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Porto Alegre: SBCS/UFRGS. 376p.

DUARTE TS & PEIL RMN. 2010. Relações fonte: dreno e crescimento vegetativo do meloeiro. Horticultura Brasileira 28: 271-276.

ELHANI S et al. 2007. Contribution of main stem and tillers to durum wheat (Triticum turgidum L. var. durum) grain yield and its components grown in Mediterranean environments. Field Crops Research 103: 25-35.

ESPÍNDULA MC et al. 2010. Efeitos de reguladores de crescimento na elongação do colmo de trigo. Acta Scientiarum. Agronomy 32: 109-116.

FENG SW et al. 2017. Root vertical distribution. is important to improve water use efficiency and grain yield of wheat. Field Crops Research 214: 131-141.

FIOREZE SL & RODRIGUES JD. 2012a. Efeito da densidade de semeadura e de reguladores vegetais sobre os caracteres morfofisiológicos da folha bandeira do trigo. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 7: 89-96.

FIOREZE SL & RODRIGUES JD. 2012b. Perfilhamento do trigo em função da aplicação de regulador vegetal. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 7: 750-755.

FIOREZE SL & RODRIGUES JD. 2014. Componentes produtivos do trigo afetados pela densidade de semeadura e aplicação de regulador vegetal. Semina: Ciências Agrárias 35: 39-54.

FISCHER RA et al. 2019. Yield response to plant density, row spacing and raised beds in low latitude spring wheat with ample soil resources: An update. Field Crops Research 232: 95-105.

HERBERICH MM et al. 2020. Biomass-density relationships of plant communities deviate from the self-thinning rule due to age structure and abiotic stress. Oikos 129: 1393-1403.

MOELLER C et al. 2014. Canopy architectural and physiological characterization of near-isogenic wheat lines differing in the tiller inhibition gene tin. Frontiers in Plant Science 5: 1-14.

OCHAGAVÍA H et al. 2017. Duration of developmental phases, and dynamics of leaf appearance and tillering, as affected by source and doses of photoperiod insensitivity alleles in wheat under field conditions. Field Crop Research 214: 45-55.

RADIN B et al. 2011. Atlas climático da Região Sul do Brasil. Brasília: Embrapa. 334p.

SANGOI L. 2000. Understanding plant density effects on maize growth and development: an important issue to maximize grain yield. Ciência Rural 31: 159-168.

SANGOI L. 2009. Rendimento de grãos de híbridos de milho em duas densidades de plantas com e sem a retirada dos perfilhos. Ciência Rural 39: 325-331.

SBRISSIA AF & SILVA SC. 2008. Compensação tamanho/densidade populacional de perfilhos em pastos de capim-marandu. Revista Brasileira de Zootecnia 37: 35-47.

VALÉRIO IP et al. 2008. Desenvolvimento de afilhos e componentes do rendimento em genótipos de trigo sob diferentes densidades de semeadura. Pesquisa Agropecuária Brasileira 43: 319-326.

VALÉRIO IP et al. 2013. Seeding density in wheat: the more, the merrier? Scientia Agricola 70: 176-184.

ZADOKS JC et al. 1974. A decimal code for the growth stages of cereals. Weed Research 14: 415-421.

ZEKERIYA A. 2002. Effect of tiller removing and plant density on ear yield of sweet corn (Zea mays saccharata Sturt). Pakistan Journal of Biological Sciences 5: 906-908

WHALEY JN. 2000. The physiological response of winter wheat to reductions in plant density. Annals of Applied Biology 137: 164-177.

WOBETO C. 1994. Padrão de afilhamento, sobrevivência de afilhos e suas relações com o rendimento de grãos em trigo. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: UFRGS. 102p.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

PINHEIRO, M. G.; SOUZA, C. A. de; FIOREZE, S. L.; SANGOI, L.; CARNEIRO JUNIOR, J. F. C. .; BISATO, M. M. . Cultivar, densidade de semeadura ou momento da emissão: o que influencia mais a mortalidade e desempenho de perfilhos de trigo?. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 20, n. 1, p. 019 - 031, 2021. DOI: 10.5965/223811712012021019. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/16380. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>