Adequação da densidade de plantas à época de semeadura em milho irrigado

Autores

  • Paulo Regis Ferreira da Silva
  • Alexandre Tadeu Piana
  • Leonardo Barreto Maass
  • Michael da Silva Serpa
  • Luís Sangoi
  • Vladirene Macedo Vieira
  • Paulo César Endrigo
  • Douglas Batista Jandrey

Palavras-chave:

Zea mays L., Práticas de manejo, Produtividade de grãos, Arranjo de plantas.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi determinar a densidade mais adequada nas semeaduras precoce e tardia de milho irrigado, em regiões com longa estação estival de crescimento. Foram conduzidos dois experimentos em Eldorado do Sul, RS. O primeiro foi implantado em 22/08/2006 (semeadura precoce). Nele foram testados os híbridos D 2B587 e NB 4214, em quatro densidades (55, 73, 91 e 110 mil pl ha-1). O segundo foi instalado em 07/12/2007 (semeadura tardia) e testou os híbridos D 2B587 e AS 1565, em quatro densidades (45, 60, 75, e 90 mil pl ha-1). Na semeadura precoce, o rendimento de grãos aumentou com o incremento na densidade até valores compreendidos entre 9,4 e 11 pl m-2, dependendo do híbrido. Quando o milho foi semeado em agosto, seu rendimento superou a 15 t ha-1 nas densidades mais altas. Na semeadura tardia, as maiores produtividades oscilaram entre 10 e 11 t ha-1 e foram obtidas na densidade de 9 pl m-2. O potencial de rendimento do milho irrigado é atingido com o uso de densidades elevadas, independentemente da época de semeadura.

Downloads

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Plantas e Produtos Derivados