Desempenho inicial de cultivares de feijão submetidas a diferentes profundidades de semeadura

Autores

  • Maira Maier Bisato Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Clovis Arruda de Souza Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Camila Cigel Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Rodrigo Kandler Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712022021118

Palavras-chave:

Emergência, Germinação, genótipo, Phaseolus vulgaris

Resumo

A profundidade de semeadura pode afetar negativamente a emergência, desenvolvimento inicial de plântulas de feijão e consequentemente o estande de plantas. Porém, o desempenho sob diferentes profundidades pode ser variável entre as cultivares. Objetivou-se neste estudo verificar o efeito de diferentes profundidades de semeadura sobre a emergência e o desenvolvimento inicial de plântulas de cultivares de feijão. O experimento foi conduzido em delineamento em blocos completamente casualizado, em esquema fatorial 4 x 4, com quatro repetições. Os fatores consistiram em quatro profundidades de semeadura (4, 8, 10 e 12 centímetros) e quatro cultivares de feijão (TAA Dama, BRS Estilo, IPR Tangará e IPR Tuiuiu). Foram avaliadas as variáveis emergência, índice de velocidade de emergência, comprimento de raiz principal, hipocótilo e epicótilo, e massa seca de plântulas. Observou-se que profundidades de semeadura entre 6 e 10 cm proporcionaram maior emergência de plântulas com 98%, e IVE de 11,3, além de favorecer o desempenho inicial de plântulas de feijão. Não houve diferença entre as cultivares para comprimento de hipocótilo e massa seca de plântulas. Concluiu-se que profundidades de semeadura entre 6 e 10 cm, de solo destorroado e descompactado, proporcionam maior emergência e consequente desempenho inicial de plântulas; no entanto, não havendo efeitos distinto das cultivares de feijão.

Referências

ALI SAM & IDRIS AY. 2015. Effect of seed size and sowing depth on germination and some growth parameters faba bean (Vicia faba L.). Agricultural and Biological Sciences Journal 1: 1-5.

ALVES AU et al. 2014. Emergência de plântulas de fava em função de posições e profundidade de semeadura. Bioscience Journal 30: 33-42.

BIEZUS A et al. 2017. Emergência e desenvolvimento inicial de plântulas de feijão em diferentes profundidades de semeadura. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 12: 428-434.

CQFS-RS/SC. 2016. COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO - RS/SC. Manual de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Porto Alegre: SBCS - Núcleo Regional Sul/UFRGS.

CONAB. 2019. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira: grãos. Primeiro levantamento. CONAB.

COSTA JA et al. 1999. Comprimento e índice de expansão radial do hipocótilo de cultivares de soja. Ciência Rural 29: 609-612.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos.

FAO. 2019. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Rome: FAOSTAT.

GROTTA DCC et al. 2008. Influência da profundidade de semeadura e da compactação sobre a semente na produtividade do amendoim. Ciência e Agrotecnologia 32: 547-552.

HUGHES DF et al. 1992. Role for potassium in the iron-stress response mechanism of iron- efficient oat. Soil Science Society of America Journal 56: 830-835.

INMET. 2019. Instituto Nacional de Meteorologia. Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa (BDMEP). Disponível em: http://www.inmet.gov.br. Acesso em: 20 set. 2019.

KNITTLE KH & BURRIS JS.1979. Soybean hypocotyl growth under field conditions. Crop Science 19: 37-41.

MAGUIRE JD. 1962. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science 2: 176-177.

MARCOS FILHO J. 2015. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2.ed. Londrina: ABRATES.

MODOLO AJ et al. 2011. Efeito da compactação do solo sobre a semente no desenvolvimento da cultura do feijão. Acta Scientiarum. Agronomy 33: 89-95.

NAKAGAWA J. 1999. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOSKI FC et al. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. p.1-24.

NÓBREGA LHP & VIEIRA RD. 1995. Avaliação e classificação de cultivares de soja com o tamanho do hipocótilo, sob condições de laboratório e de casa de vegetação. Revista Brasileira de Sementes 17: 160-164.

PEDÓ T et al. 2014. Vigor de sementes e desempenho inicial de plântulas de feijoeiro em diferentes profundidades de semeadura. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 9: 59-64.

PÊGO RG et al. 2015. Respostas fisiológicas de plântulas de Erythrina verna em tratamentos pré-germinativos de sementes e profundidade de semeadura. Ciência Florestal 25: 59-66.

PESKE ST et al. 2012. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. 3.ed. Pelotas: UFPel.

PINHEIRO MG et al. 2018. Initial development of wheat and triticale under different sowing depth. American-Eurasian Journal Agriculture & Environment Science 18: 206-215.

PURSEGLOVE JW. 1968. Tropical Crops: Dicotyledons. London: Longmans.

R CORE TEAM. 2017. R: A Language and Environment for Statistical Computing. Disponível em: https://www.R-project.org/. Acesso em: 04 mai. 2018.

RODRIGUES AJR et al. 2016. Influência da profundidade e posição de semeadura na emergência de Acacia polyphylla DC. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 11: 23-29.

SILVA AG et al. 2009. Caracterização físico-química, digestibilidade protéica e atividade antioxidante de feijão comum (Phaseolus vulgaris L.). Alimentos e Nutrição 24: 591-598.

SILVA RP et al. 2008. Efeito da profundidade de semeadura e de rodas compactadoras submetidas a cargas verticais na temperatura e no teor de água do solo durante a germinação de sementes de milho. Ciência e Agrotecnologia 32: 929-937.

SILVEIRA PM et al. 2018. The effect of longitudinal distribution and seed depth on grain yield of common bean. Journal of Seed Science 40: 90-97.

SOUSA AH et al. 2007. Profundidades e posições de semeadura na emergência e no desenvolvimento de plântulas de moringa. Caatinga 20: 56-60.

TAVARES CJ et al. 2013. Fitossociologia de plantas daninhas na cultura do feijão. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 8: 27-32.

TEIXEIRA IR et al. 2010. Desempenho agronômico e qualidade de sementes de cultivares de feijão-caupi na região do cerrado. Revista Ciência Agronômica 41: 300-307.

TILLMANN MAA et al. 1994. Efeito da profundidade de semeadura na emergência de plântulas de tomate (Lycopersicon esculentum Mill.). Scientia Agricola 51: 260-263.

TROGELLO E et al. 2013. Manejos de cobertura vegetal e velocidades de operação em condições de semeadura e produtividade de milho. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 17: 796-802.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados