Efeitos de ácidos orgânicos na germinação e crescimento inicial de Brassica napus L. var. oleifera

Autores

  • Ana Marina Pedrolo Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Cássia Fernanda Stafen Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Suzana Leitzke Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Vívian Ebeling Viana Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Carlos Busanello Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Mariana Peil da Rosa Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Gilberto Tomm Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Passo Fundo, RS, Brasil.
  • Antonio Costa de Oliveira Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.
  • Camila Pegoraro Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711812019163

Palavras-chave:

ácido acético, ácido butírico, ácido propiônico, canola

Resumo

A Canola (Brassica napus L. var. oleifera) é cultivada no Sul do Brasil como uma alternativa para a estação fria no sistema de rotação de culturas. O sistema de plantio direto e a ocorrência de solos hidromórficos favorece a formação de ácidos orgânicos alifáticos com cadeia curta e baixo peso molecular, como os ácidos acético, butírico e propiônico. Estes ácidos podem causar efeitos negativos na produção de canola. Assim, este estudo teve por objetivo avaliar a resposta de cinco genótipos híbridos de canola sob o efeito dos ácidos acético, butírico e propiônico na germinação e na fase inicial do crescimento da plântula. Os resultados demonstraram que os caracteres avaliados respondem de forma diferente em relação aos tratamentos aplicados dentro do mesmo genótipo. Dessa forma, a seleção de um genótipo que manteve um comportamento padrão nos caracteres avaliados sob estresse é dificultado. Entretanto, em uma visão geral, o genótipo Hyola 433 manteve respostas características de sensibilidade nos caracteres avaliados em relação aos ácidos utilizados. Ainda, foi detectado que o ácido acético teve menor efeito na germinação e na fase inicial de crescimento dos genótipos estudados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Marina Pedrolo, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Cássia Fernanda Stafen, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Suzana Leitzke, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Graduação em Agronomia, Universidade Federal de Pelotas, 96010-900, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Vívian Ebeling Viana, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Carlos Busanello, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Mariana Peil da Rosa, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Gilberto Tomm, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Passo Fundo, RS, Brasil.

Embrapa Trigo, Rodovia BR-285, Km 294, 99050-970, Passo Fundo, RS, Brasil.

Antonio Costa de Oliveira, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Camila Pegoraro, Universidade Federal de Pelotas, Capão do Leão, RS, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Genômica e Fitomelhoramento, Universidade Federal de Pelotas, 96160-000, Capão do Leão, RS, Brasil.

Referências

ADKINS SW et al. 1985. The physiological basis of seed dormancy in Avena fatua.VII. Action of organic acids and pH. Physiologia Plantarum 65: 310-316.

ANGELES OR et al. 2005. Soil solution sampling for organic acids in rice paddy soils. Soil Science Society of America Journal 70: 48-56.

BOHNEN H et al. 2005. Ácidos orgânicos na solução de um gleissolo sob diferentes sistemas de cultivo com arroz irrigado. Revista Brasileira de Ciência do Solo 29: 475-480.

BORTOLON L et al. 2009. Toxidez por ácidos orgânicos em genótipos de arroz irrigado. Scientia Agraria 10: 81-84.

CAMARGO FAO et al. 2001. Aspectos fisiológicos e caracterização da toxidez de ácidos orgânicos voláteis em plantas. Ciência Rural 31: 523-529.

CHALHOUB B et al. 2014. Plant genetics. Early allopolyploid evolution in the post-Neolithic Brassica napus oilseed genome. Science 345: 950-953.

CRUZ CD. 2013. GENES: software package for analysis in experimental statistics and quantitative genetics. Acta Scientiarum Agronomy 35: 271-276.

DE MARCO K et al. 2014. Thermic sum and crop coefficient of canola (Brassica napus L.) for the region of Tangará da Serra, Mato Grosso State, Brazil. Journal of Food Agriculture and Environment 12: 232-236.

GALLAGHER RS et al. 2009. Phenolic and short-chained aliphatic organic acid constituents of wild oat (Avena fatua L.) seeds. Journal of Agricultural and Food Chemistry 58: 218-225.

JOHNSON IT. 2013. Glucosinolates: bioavailability and importance to health. International Journal for Vitamin and Nutrition Research 72: 26-31.

KOPP MM et al. 2009. Methodology adjustments for organic acid tolerance studies in oat under hydroponic systems. Brazilian Archives of Biology and Technology 52: 531-539.

KOPP MM et al. 2012a. Avaliação de genótipos de arroz sob o efeito fitotóxico interativo dos ácidos acético, propiônico

e butírico. Semina: Ciências Agrárias 33: 519-532.

KOPP MM et al. 2012b. Organic Acid Effects on Nutrient Uptake by Rice. Communications in Soil Science and Plant Analysis 43: 2512-2520.

KRZYZANOWSKI FC et al. 1999. Vigor de sementes: conceitos e testes. 1.ed. Londrina: ABRATES. 218p.

KROGMEIER MJ & BREMNER JM. 1990. Effects of aliphatic acids on seed germination and seedling growth in soil. Communications in Soil Science and Plant Analysis 21: 547-555.

LOGANES C et al. 2016. Main Properties of Canola Oil Components: A Descriptive Review of Current Knowledge. The Open Agriculture Journal 10: 69-74.

MAPA. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. 1.ed. Brasília: MAPA/ACS. 399p.

MISRA BB. 2016. Cataloging the Brassica napus seed metabolome. Cogent Food And Agriculture 2: 1254420.

MONZÓN DLR. 2015. Variabilidade genética de germoplasma de arroz (Oryza sativa L.) para tolerância ao frio na germinação. Tese (Doutorado em Agronomia). Pelotas: UFPel. 111p.

NEVES LAS & MORAES DM 2005. Análise do vigor e da atividade da α-amilase em sementes de cultivares de arroz submetidas a diferentes tratamentos com ácido acético. Revista de Ciências Agroveterinárias 4: 35-43.

PEREIRA LC et al. 2016. Yield response of canola (Brassica napus L.) to different inter-row spacings and sowing dates in northwest of Paraná, Brazil. African Journal of Agricultural Research 11: 3799-3805.

SCHMIDT F et al. 2007. Toxidez pelos ácidos propiônico e butírico em plântulas de arroz. Ciência Rural 37: 720-726.

SILVEIRA SF et al. 2014. Resposta de plântulas de aveia ao estresse por ácidos acético e butírico. Bragantia 73: 345-356.

SOUSA RO & BORTOLON L. 2002. Crescimento radicular e da parte aérea do arroz (Oryza sativa L.) e absorção de nutrientes, em solução nutritiva com diferentes concentrações de ácido acético. Revista Brasileira de Agrociências 8: 231-235.

SAS. 2002. Statistical Analysis System. Statistical Analysis System Getting Started with the SAS Learning Edition. 6.ed. Cary, NC: SAS Institute Inc. 112p.

TUNES LM et al. 2008. Aspectos fisiológicos da toxidez de ácidos orgânicos em sementes de aveia. Biotemas 21: 21-28.

TUNES LM et al. 2012. Critical levels of organic acids on seed germination and seedling growth of wheat. Revista Brasileira de Sementes 34: 366-372.

TUNES LM et al. 2013. Ácidos orgânicos na qualidade fisiológica de sementes de arroz. Ciência Rural 43: 1182-1188.

Downloads

Publicado

2019-06-19

Como Citar

PEDROLO, A. M.; STAFEN, C. F.; LEITZKE, S.; VIANA, V. E.; BUSANELLO, C.; ROSA, M. P. da; TOMM, G.; OLIVEIRA, A. C. de; PEGORARO, C. Efeitos de ácidos orgânicos na germinação e crescimento inicial de Brassica napus L. var. oleifera. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 2, p. 163-169, 2019. DOI: 10.5965/223811711812019163. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/13115. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)