Germinação e desenvolvimento inicial in vitro de explantes de araçá-vermelho

Autores

  • Samila Silva Camargo Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Aline Meneguzzi Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Lediane Bisol Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Gabriela Maciel Paiano Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Maicon Magro Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Leo Rufato Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5965/2238117118e2019006

Palavras-chave:

Psidium cattleianum Sabine, sementes, micropropagação, luminosidade, escuro, fracionamento

Resumo

Entre as fruteiras nativas do Sul do Brasil, destaca-se o araçazeiro vermelho (Psidium cattleyanum Sabine) da família Myrtaceae e por isso, é considerado uma espécie florestal nativa de grande importância nessa região. O araçazeiro é propagado normalmente por via sexuada, entretanto são poucos os estudos que otimizem a propagação desta espécie nativa. Aliado a isso, para contornar esta problemática, muitos estudos com espécies florestais lenhosas demonstram resultados positivos com a propagação por meio de técnicas de cultura de tecidos. Dessa forma, o objetivo foi verificar a germinação in vitro de araçazeiro vermelho, assim como, o desenvolvimento inicial dos explantes com o uso da técnica de micropropagação. Utilizou-se um delineamento inteiramente casualizado, com arranjo fatorial 3 x 2, sendo três formas de fracionamento de sementes (sem corte, longitudinal e transversal) e duas condições de intensidades luminosas (presença de luz e obscuridade), totalizando seis tratamentos com 10 repetições de quatro sementes cada. Após 14 dias da instalação do experimento, as variáveis analisadas foram: oxidação (%) e estiolamento (%) e transcorridos 240 dias, avaliou-se a taxa germinativa das sementes (%), comprimento médio de raízes (cm), da maior raiz (cm) e do explante (cm) e número de raízes e de folhas. Concluiu-se com esse estudo, que uma única semente de Psidium cattleyanum Sabine, ao ser fracionada, mantêm a capacidade germinativa e pode produzir mais de uma plântula normal, a fim de ter-se assim, uma quantidade maior de mudas, a partir de um número reduzido de sementes. Além disso, foi verificado que independentemente do fracionamento ou não das sementes de araçazeiro vermelho, condições diretas de luz proporcionaram raízes de maior comprimento, assim como, um maior número de folhas nos explantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTOÉ JA et al. 2011. Propagação de araçazeiro e goiabeira via miniestaquia de material juvenil. Bragantia 70: 312-318.

AMADOR TS & BARBEDO CJ. 2011. Potencial de inibição da regeneração de raízes e plântulas em sementes germinantes de Eugenia pyriformis. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 814-821.

BASKIN CC & BASKIN JM. 1998. Seeds: ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. San Diego: Academic Press. 666p.

CAMARGO SS et al. 2015. Fitorreguladores e espectros de luz na micropropagação de Oncidium baueri Lindl. Ciência Rural 45: 2007-2012.

CANESIN A et al. 2012. Bioestimulante no vigor de sementes e plântulas de faveiro (Dimorphandra mollis Benth.). Cerne 18: 309-315.

CARNEIRO RMDG et al. 2007. Resistance to Meloidogyne mayaguensis in Psidium spp. Accessions and their Grafting Compatibility with P. guajava cv. Paluma. Fitopatologia Brasileira 32: 281-284.

CARVALHO CAL et al. 2009. Tópicos em Ciências Agrárias. Cruz das Almas: UFRB. 296p.

DANNER MA et al. 2010. Repetibilidade de caracteres de fruto em araçazeiro e pitangueira. Ciência Rural 40: 2086-2091.

DELGADO LP et al. 2010. Potential for regeneration and propagation from cut seeds of Eugenia (Myrtaceae) tropical tree species. Seed Science and Technology 38: 624-634.

DONADIO LC et al. 2007. Frutas brasileiras. Jaboticabal: Novos Talentos, 2002. 288p. Espécies Florestais. In: BORÉM, A. (Ed.) Biotecnologia florestal. Viçosa: UFV. p.55-74.

DOUSSEAU S et al. 2008. Germinação de sementes de tanchagem (Plantago tomentosa lam.): influência da temperatura, luz e substrato. Ciência e Agrotecnologia 32: 438-443.

FACHINELLO JC et al. 1993. Efeito do ácido indolbutírico e PVP no enraizamento de estacas de araçazeiro (Psidium cattleyanum Sabine) em diferentes substratos. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal 5: 1990-1993.

FRANZON RC et al. 2009. Araçás do gênero Psidium: principais espécies, ocorrência, descrição e usos. Planaltina: Embrapa Cerrados. 48p. (Embrapa Cerrados. Documentos, 266).

FREITAS RMO et al. 2009. Efeito dos tratamentos de oxidação em Aloysia virgata. Revista Caatinga 22: 176-179.

HOSSEL C et al. 2017a. Estratificação e ácido indolbutírico na germinação de sementes de araçazeiro vermelho. Revista Brasileira de Tecnologia Agropecuária 1: 52-57.

HOSSEL C et al. 2017b. Tempo e temperatura da pré-secagem pós hidrocondicionamento em sementes de araçazeiro ‘Ya-Cy’. Revista Brasileira de Tecnologia Agropecuária 1: 45-51.

JUN NJ et al. 2011. Cytotoxic activity of β-caryophyllene oxide isolated from Jeju Guava (Psidium cattleyanum Sabine) leaf. Records of Natural Products 5: 242-246.

JUSTO CF et al. 2007. Efeito da secagem, do armazenamento e da germinação sobre a micromorfologia de sementes de Eugenia pyriformis Camb. Acta Botânica Brasílica 21: 539-551.

KERBAUY GB. 2008. Fisiologia Vegetal. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 431p.

KOLLER D. 1972. Environmental control of seed germination. New York: Academic Press. 447p.

KROLOW ACR & AQUINI D. 2010. Sabor nativo: Inovações e transferência de tecnologia em rede de microempresas e agroindústrias familiares na região de Pelotas-Brasil. In: V Simpósio Nacional do Morango; IV Encontro sobre pequenas frutas e frutas nativas do Mercosul. Palestras e resumos... Pelotas: Embrapa Clima Temperado. p.85-89.

MARTINOTTO C et al. 2007. Efeito da escarificação e luminosidade na germinação in vitro de sementes de cagaiteira (Eugenia dysenterica DC.). Ciência e Agrotecnologia 21: 319-325.

MENEZES NL et al. 2004. Germinação de sementes de Salvia splendens Sellow em diferentes temperaturas e qualidades de luz. Revista Brasileira de Sementes 26: 32-37.

MURASHIGE T & SKOOG F. 1962. A revised medium for rapid growth and biossay with tabacco tissue cultures. Physiologia Plantarum 15: 473-497.

MURASHIGE T. 1974. Plant propagation through tissue cultures. Annual Review of Plant Physiology 25: 135-166.

NACHTIGAL JC & FACHINELLO JC. 1995. Efeito de substratos e do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas de araçazeiro (Psidium cattleyanum Sabine). Revista Brasileira de Agrociência 1: 34-39.

PEIXOTO CP et al. 2011. Ação da giberelina em sementes pré-embebidas de mamoneira. Comunicata Scientiae 2: 70-75.

REGO SS et al. 2009. Germinação de sementes de Blepharocalyx salicifolius (H.B.K.) Berg. em diferentes substratos e condições de temperatura, luz e umidade. Revista Brasileira de Sementes 31: 212-220.

SADAVA D et al. 2009. Vida: a ciência da biologia. Porto Alegre: Artmed.

SANTOS CAC et al. 2013. Germinação de sementes e vigor de plântulas de maracujazeiro amarelo submetidos à ação do ácido giberélico. Bioscience Journal 29: 400-407.

SANTOS MS et al. 2007. Caracterização do suco de araçá vermelho (Psidium cattleianum Sabine) extraído mecanicamente e tratado enzimaticamente. Acta Scientiarum Agronomy 29: 617-621.

SCALON SPQ et. al. 2006. Germinação e crescimento inicial da muda de orelhas de macaco: efeitos de tratamentos químicos e luminosidade. Revista Árvore 34: 529-536.

SILVA CV et al. 2003. Fracionamento e germinação de sementes de uvaia (Eugenia pyriformis Cambess – Myrtaceae). Revista Brasileira de Botânica 26: 213-221.

SILVA CV et al. 2005. Fracionamento e germinação de sementes de Eugenia. Revista Brasileira de Sementes 27: 86-92.

SILVA FJ et al. 2016. Efeito da luz na germinação e desenvolvimento de plântulas de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) de distintas procedências. Hoehnea 43: 195-202.

SOUZA JA et al. 2006. Efeito do tipo de ramo e do regime de luz fornecido à planta matriz no estabelecimento in vitro de araçazeiro cv. “Irapuã”. Ciência Rural 36: 1920-1922.

TOMAZ ZFP et al. 2011. Tratamentos pré-germinativos em sementes de araçazeiro (Psidium cattleyanum Sabine L.). Revista Brasileira de Agrociência 17: 60-65.

TREVISAN R et al. 2004. Propagação de plantas frutíferas nativas. In: RASEIRA MCB et al.(Eds.). Espécies frutíferas do sul do Brasil. Pelotas: EMBRAPA. p.49- 71.

VICTÓRIO CP & LAGE CLS. 2009. Germinação e desenvolvimento pós-germinativo in vitro de Calendula officinalis L. sob diferentes qualidades de luz. Revista de Biologia e Farmácia 3: 81-87.

VICTÓRIO CP & LAGE CLS. 2009. Efeitos da qualidade de luz na germinação e desenvolvimento inicial in vitro de Phyllanthus tenellus. Revista Ciência Agronômica 40: 400-405.

XAVIER A et al. 2007. Micropropagação e enxertia in vitro de espécies florestais, pp. 55-74. In: A. BORÉM (ed). Biotecnologia Florestal. Viçosa: [s.n.].

ZANELA J et al. 2012. Biofilmes e pré-embebição de sementes na germinação do araçazeiro 'Ya-Cy'. Revista Brasileira de Agrociência 18: 229-232.

Downloads

Publicado

2020-07-28

Como Citar

CAMARGO, Samila Silva; MENEGUZZI, Aline; BISOL, Lediane; PAIANO, Gabriela Maciel; MAGRO, Maicon; RUFATO, Leo. Germinação e desenvolvimento inicial in vitro de explantes de araçá-vermelho. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 5, p. 6–12, 2020. DOI: 10.5965/2238117118e2019006. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/10412. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

XII Simpósio Florestal Catarinense

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>