(Re) pensando a acessibilidade em ambientes culturais para pessoas com deficiência visual e Transtorno do Espectro Autista

Michele Morgane de Melo Mattos, Sídio Werdes de Sousa Machado, Cristiane Rodrigues Vieira, Ruth Maria Mariani Braz, Viviane de Oliveira Freitas Lione

Resumo


Historicamente, as pessoas com deficiência viveram à margem da sociedade que ia se constituindo voltada para uma parte privilegiada da população. A luta dessas pessoas e das demais que formam o grupo de excluídos socialmente conquistou o direito de acesso e participação nos diversos âmbitos da sociedade. Entretanto, na atualidade, ainda é necessário repensar os espaços físicos e sociais para a garantia de seu acesso a todos. Este artigo trata da inclusão de pessoas com deficiência na sociedade, tendo como objetivo refletir sobre a acessibilidade em ambientes culturais,a partir de uma visita a um museu, pensando nas peculiaridades das pessoas com Deficiência Visual e Transtorno do Espectro Autista, através de uma análise qualitativa do ambiente, de seu acervo e de suas funcionalidades. Como resultado, encontramos pontos positivos no ambiente; entretanto, ainda existem algumas barreiras a serem eliminadas como a falta de tecnologia assistiva e necessidade de adaptações no espaço. Concluímos que os espaços diversos precisam repensar o seu ambiente e promover a acessibilidade de pessoas com deficiência para que elas vivenciem esses espaços de forma autônoma e independente efetivamente, não parcialmente. 


Palavras-chave


Acessibilidade; Ambiente Cultural; Deficiência Visual; Transtorno do Espectro Autista;

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHITRIC ASSOCIATION (Estados Unidos). Manual Diagnóstico de Transtornos Mentais: DSM -5. Trad. de Maria Inês C. Nascimento. 5. Ed. Artmed, Porto Alegre: 2014. p. 50-59.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 3ª Ed., Rio de Janeiro: 2015, 148 p. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2018.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Trad. de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, Campinas, nº 19, jan/abr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2018.

BRASIL. Decreto n° 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 03 dez. 2004. Seção 1. p. 5. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2018.

________.Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos cegos e de alunos com baixa visão.[2. ed.] / coordenação geral SEESP/MEC. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

________. Lei nº 11.904 de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto dos Museus e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 15 jan. 2009. Seção 1. p. 1. Disponível: . Acesso em: 21 jun. 2018.

________. Decreto Legislativo nº 186/2008 – Decreto nº 6.949/2009. Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. 4ª edição, Brasília: 2012. Disponível: . Acesso em 07 abr. 2018.

________. Tecnologia Assistiva. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas. Brasília: CORDE, 2009. 138 p. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

________. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 28 de.. 2012. Seção 1. p. 2. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2018.

________. Lei nº 13.146 de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da pessoa com deficiência. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2018.

CANDIDO, M. M. D.; AIDAR, G.; MARTINS, L. C. A experiência museal: discutindo a relação dos museus com seus visitantes na contemporaneidade. RevistaMuseologia e Interdisciplinaridade. Brasília. Vol. 3, nº 6, mar/ abr. 2015. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/viewFile/16633/11922. Acesso em: 06 abr. 2018.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. (United States). AutismandDevelopmentalDisabilitiesMonitoring. ADDM. Network... 2014. Disponível em:. Acesso em 20 jun. 2018.

CHIOVATTO, M.; AIDAR, G. Pensar a educação inclusiva em museus a partir das experiências da pinacoteca de São Paulo. Revista Museologia e Interdisciplinaridade. Brasília. Vol. 3, nº 06, mar/abr. de 2014. Disponível em:. Acesso em: 05 abr 2018.

COHEN, R.; DUARTE, C. R.; BRASILEIRO, A. B. H. Cadernos museológicos: Acessibilidade a museus.Ministério da Cultura/Instituto Brasileiro de Museus, Volume 2. Brasília, DF: 2012. 190 p. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

COMISSÃO NACIONAL (Brasil). Ano internacional das pessoas deficientes: Relatório de Atividades. 1981. 58 p. Disponível: . Acesso em 04 abr. 2018.

DECLARAÇÃO DE MADRID (Espanha). Congresso europeu de pessoas com deficiência. Madrid. 2002. Disponível em: http://www.portalinclusivo.ce.gov.br/phocadownload/legislacaodeficiente/declaracaodemadrid-2002.pdf. Acesso em 06 abr. 2018.

FRANÇA, T. H. Modelo Social da Deficiência: uma ferramenta sociológica para a emancipação social. RevistaLutas Sociais, São Paulo, vol.17 n.31, p.59-73, jul/dez. 2013. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/ls/article/view/25723. Acesso em 20 jun. 2018.

GRANGE, S. 50 lux et pasdanslenoir! Culture et recherche. Dossier. Paris. nº113, p. 22-40. 2007. Disponível em: http://www.culture.gouv.fr/var/culture/storage/lettre-recherche/cr113.pdf.>. Acesso em: 25 jun. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. MPOG/IBGE. Rio de Janeiro: 2010. 215 p. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2018.

JUNIOR, E. S. S.; BRAGA, A. N.; BAHIA, S. R.; PINTO, S. C. C. S.; MARIANI, R. M.Museu do Amanhã: uma investigação tátil com o olhar ás cegas de quem vê; Revista Práxis, v. 11, n. 21, junho, 2019. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/1584/2428; acesso em 23/09/2019.

MACHADO, S. W. S. Produção e avaliação de materiais acessíveis no processo ensino-aprendizagem de Ciências e Biotecnologia para deficientes visuais. Niterói: UFF, 2015. 225f. Tese (Doutorado em Ciências e Biotecnologia). Universidade Federal Fluminense, 2015.

MANTOAN, M.T. Igualdade e diferenças na escola: como andar no fio da navalha. MANTOAN, M.T. E.; PRIETO, R. G. In: Inclusão escolar: pontos e contrapontos. Ed. Summus, São Paulo: 2006. p. 15 – 30.

MEDINA, N. H.; MUNÕZ, E. H. Atenção à saúde ocular da pessoa idosa. BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) [online]. 2011, vol.8, n.85, pp. 23-28. ISSN 1806-4272. Disponível em:http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722011000100003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10 jan 2018.

MELLO, H. B. P. de. Produção e validação da Caixa Tátil-Sonora como ferramenta educacional de Tecnologia Assistiva para alunos deficientes visuais.Niterói: UFF, 2018. 187f. Dissertação (Mestrado Profissional em Diversidade e Inclusão) Universidade Federal Fluminense, 2018.

MINAYO, M. C. de S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade.Ciênc. Saúde Coletiva. Vol. 17, nº 3, Rio de Janeiro, mar. 2012. Disponível em:

MITTLER, P. Da exclusão à inclusão. In: MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003. Pág. 23 - 38.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (Brasil). A ONU e as pessoas com deficiência. Pessoas com deficiência. [S.I.][2018?]. Disponível em: . Acesso em 02 jul. 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (Estados Unidos). Relatório mundial sobre a deficiência. Tradução Lexicus Serviços Lingüísticos. São Paulo: 2012. 334 p. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

ROMANINI, A; MARTINS, M. S. Projeto de habitação de interesse social inclusiva. 10º Seminário Internacional, NUTAU, Anais, São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2018.

SANTOS, M. P. (org.); FONSECA, M. P. de S. F.; MELO, S. C. Inclusão em educação: diferentes interfaces. Curitiba: Ed. CRV, 2009. p. 9 – 21.

SASSAKI, R. K. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), São Paulo, Ano 12, mar/abr. 2009, p. 10-16. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

SATTO, L. H.Acessibilidade e resolutividade em assistência oftalmológica para o SUS. 2015. 140 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Medicina de Botucatu, 2015. Disponível em: . Acesso em 12 jan. 2018.

SILVA, M. R.; AIROLDI, M.J. A influência do familiar na aquisição de habilidades funcionais da criança com deficiência visual. Rev. Ter. Ocup. São Paulo. Univ. São Paulo. Ano 25, Vol. 1, jan./abr, p. 36 – 42. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Michele Morgane de Melo Mattos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Educação, Artes e Inclusão - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Centro de Artes - CEART -- Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais - PPGAV Fone: +55 (48) 3664-8314 -Laboratório Interdisciplinar de Formação de Educadores - LIFE - ISSN: 1984-3178 -- Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Artes Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88.035-001 -- Email: revistaeducacaoarteinclusao@gmail.com