Mineralogia da argila e propriedades químicas de solos do Planalto Norte Catarinense

Jaime Antônio de Almeida, Cesar Freitas Ribeiro, Marcus Vinícius Ribeiro de Oliveira, Leticia Sequinatto

Resumo


No Planalto Norte Catarinense são escassas as informações sobre a composição mineralógica dos solos e há poucos perfis de solo descritos e caracterizados para a região. O mapa de solos de Santa Catarina indica predominância de Cambissolos, Neossolos Litólicos e Latossolos, com Gleissolos ocupando áreas de várzeas. Esses solos ocorrem em relevo desde plano até forte ondulado, onde pequenos e médios proprietários rurais desenvolvem cultivos diversificados, com áreas expressivas de reflorestamentos com pinus. Este trabalho objetivou aprofundar o conhecimento sobre a mineralogia e as propriedades químicas de alguns desses solos, desenvolvidos de rochas sedimentares de distintas formações geológicas. Foram descritos e coletados cinco perfis de solo, sendo um Latossolo e quatro Cambissolos. Na fração terra fina seca ao ar (TFSA), foram feitas análises físicas (areia, silte, argila) e químicas de caracterização básica (pH em água, carbono orgânico, Ca2+, Mg, K, Na, Al, H + Al) e com base nesses parâmetros foi calculada a CTC efetiva, CTC pH7, Soma e Saturação por Bases. Análises mineralógicas foram conduzidas na fração argila do horizonte B de cada solo, utilizando-se difratometria de raios X. Todos os solos apresentaram reação muito ácida, com baixa soma e saturação por bases e teores elevados de carbono orgânico e Al trocável. A mineralogia da fração argila revelou predomínio de caulinitas em todos os solos, com quantidades consideráveis de illita, gibbsita e vermiculita com hidroxi-Al entrecamadas.

Palavras-chave


Cambissolos, Latossolos, fração argila.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA JA et al. 1997. Caracterização mineralógica de Cambissolos originados de rochas pelíticas nos Patamares do Rio Itajaí e no Planalto de Lages, Santa Catarina. Revista Brasileira de Ciência do Solo 21: 181-190.

ALMEIDA JA et al. 2003. Cor de solo, formas do fósforo e adsorção de fosfatos em Latossolos desenvolvidos de basalto do extremo-sul do Brasil. Revista Brasileira de Ciência do Solo 27: 985-1002.

AZEVEDO AC & TORRADO PV. 2009. Esmectita, Vermiculita, Minerais com Hidroxi-Entrecamadas e Clorita. In: MELO VF & ALLEONI LRF. (Eds). Química e mineralogia do solo. p. 381-426.

BARNHISEL RI & BERTSCH PM. 1989. Chlorites and hydroxy-interlayered vermiculite and smectite. In: DIXON JB & WEED SB. (Eds). Minerals in soil environments. Madison: Soil Science Society of America. p.729-788.

BOGNOLA IA. 1995. Caracterização química, física e mineralógica de solos intermediários entre Latossolos Brunos e Latossolos Roxos. Dissertação (Mestrado). Viçosa: UFV. 205p.

BORTOLUZZI EC et al. 2008. Mineralogia de partículas envolvidas na formação de gradiente textural em um argissolo subtropical. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 997-1007.

BHATTACHARYYA T et al. 2000. Formation of gibbsite in the presence of 2:1 minerals: an example from Ultisols of northeast Índia. Clay Minerals 35: 827-840.

BRINGHENTI I. 2010. Mineralogia e gênese dos solos das serras litorâneas do norte catarinense. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo). Lages: UDESC. 110p.

BROWN G & BRINDLEY G W. 1980. X-ray diffraction procedures for clay mineral identification. In: BRINDLEY GW & BROWN G. (Eds.) Crystal structures of clay minerals and their X-ray identification. London: Mineralogical Society. p.305-360.

DEGEN T et al. 2014. The HighScore suite. Powder Diffraction. 29: 13-18.

EMBRAPA. 2004. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Solos do Estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 745p.

EMBRAPA. 1997. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de métodos de análise de solo. Rio de

Janeiro: Embrapa Solos. 212p.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

ERNANI PR & ALMEIDA JA. 1986. Comparação de métodos analíticos para avaliar a necessidade de calcário dos solos do estado de Santa Catarina. Revista Brasileira de Ciência do Solo 10: 143-150. FATMA 2012. Fundação de Amparo à Tecnologia e ao Meio Ambiente. Programa uso racional de água e solo no Planalto Norte Catarinense: “Planorte água e solo”. Comitê Rio Canoinhas. 31p.

HARRIS W & WHITE GN. 2008. X-ray diffraction techniques for soil mineral identification. In: ULERY AL & DREES R. (Eds.) Methods of soil analysis. Part 5. Mineralogical methods. Madison: Soil Science Society of America. p. 81-116.

IBDF. 1984. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Inventário florestal nacional: florestas plantadas: Paraná e Santa Catarina. Brasília: IBDF. 284p.

KÄMPF N et al. 2012. Mineralogia de solos brasileiros. In: KER et al. (Eds.). Pedologia: fundamentos. Viçosa: SBCS. p. 81-145.

KARATHANASIS AD & HAJEK BF. 1983.Transformation of smectite to kaolinite in naturally acid soil systems: Structural and thermodynamic consideration. Soil Science Society of America Journal 47: 158-163.

MELO VF et al. 2001. Chemical and Mineralogical Properties of Kaolinite-Rich Brazilian Soils. Soil Science Society of America Journal 65: 1324-1333.

MELO VF et al. 2002. Propriedades químicas e cristalográficas da caulinita e dos óxidos de ferro em sedimentos do Grupo Barreiras no Município de Aracruz, Estado do Espírito Santo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 26: 53-64.

MONIZ AC. 1975. Decomposição de rochas e formação de minerais de argila. In: MONIZ AC (Ed.). Elementos de Pedologia. São Paulo: Edusp. p. 305-323.

SOBRINHO JBP et al. 2009. Mineralogia, propriedades químicas e classificação de solos das Serras do Leste Catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias 8: 9-24.

ROSSI M. et al. 2000. Descrição de perfis. In: EMBRAPA (org). VI Reunião de Correlação, Classificação e Aplicação de Levantamentos de Solo Rio Grande do Sul / Santa Catarina / Paraná. Porto Alegre. p 16-123.

SANTA CATARINA. 1973. Secretaria da Agricultura. Levantamento de reconhecimento dos solos do Estado de Santa Catarina. Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria. 494p.

SRÓDON J. 2006. Identification and Quantitative Analysis of Clay Minerals. In: BERGAYA F et al. (Eds.). Handbook of Clay Science. Elsevier Science. p. 765- 787.

STEVENSON FJ. 1982. Humus chemistry: genesis, composition, reactions. New York: John Wiley & Sons. 443p.

TEDESCO MJ et al. 1995. Análise de solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: UFRGS. 174p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711722018267

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171