Um “Transplante Dramatúrgico”: uma tradução comentada de La Mandragola de Maquiavel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200029

Palavras-chave:

Tradução, Teatro, Nicolau Maquiavel

Resumo

Este ensaio é o relato de uma tradução comentada da comédia La Mandragola, do intelectual renascentista Nicolau Maquiavel, adaptada ao contexto contemporâneo da cidade de Salvador. O procedimento de tradução e sua análise permitiram, em primeiro lugar, evidenciar a importância de um estudo cuidadoso do vocabulário renascentista de cunho sexual para a recriação, no texto de chegada, dos duplos sentidos presentes no texto de partida, estudo viável graças às pesquisas de Valter Boggione (2016), que destacam, também, questões políticas e sociais presentes na peça. Em segundo lugar, com o auxílio dos estudos de Hannah Pitkin (2013), foi possível indicar algumas questões de gênero na peça maquiaveliana, in primis o papel da mulher. Desafios práticos da tradução, entre os quais a linguagem dos personagens, as características híbridas de um texto que contém prosa e poesia, e a distância histórica e geográfica entre a cultura do texto de partida e a do texto de chegada, foram postos em evidência e abordados mediante os procedimentos técnicos de tradução – em particular, o conceito de adaptação – sistematizados por Heloísa Gonçalves Barbosa (2004). Enfim, os autores introduziram o conceito de “transplante dramatúrgico”, transferência que se concretiza na cultura de chegada e que, ao mesmo tempo, revitaliza a cultura de partida, provocando, além do deslocamento do texto, o deslocamento do próprio tradutor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Fonnesu, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Mestrado em Letras (Literatura e Cultura). Dotorando no Programa de Pós-Graduação em Literatura e Cultura da UFBA (linha de pesquisa: Estudos de Tradução Cultural e Intersemiótica). 

Alessandra Paola Caramori, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

 Professora Associada de língua e literatura italianas na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Esteve em 2013 em estágio Pós-Doutoral com Bolsa CAPES na Accademia della Crusca em Florença, Itália para pesquisa em lexicografia, especificamente no fazer lexicográfico.

Referências

AUBERT, Francis Henrik. Desafios da tradução cultural (as aventuras tradutórias do Askeladden). TradTerm, São Paulo, v. 2, p. 31-44, 1995.

BARBOSA, Heloísa Gonçalves. Proposta de caracterização dos procedimentos técnicos da tradução. In: BARBOSA, Heloísa Gonçalves. Procedimentos Técnicos da Tradução. Campinas: Pontes, 2004. p. 63-77.

BOGGIONE, Valter. Le parole amorose: Mandragola, Clizia, Morgante. Venezia: Marsilio Editori, 2016.

CAMPOS, Haroldo de. Da razão antropofágica: a Europa sob o signo da devoração. Colóquio/Letras, Lisboa, n. 62, p. 10-25, jul. 1981.

DIONISOTTI, Carlo. Appunti sulla “Mandragola”. Belfagor, Firenze, n. 4, p. 621-644, 1984. Apud. BOGGIONE, Valter. Le parole amorose: Mandragola, Clizia, Morgante. Venezia: Marsilio Editori, 2016.

FONNESU, Daniel. Um “transplante dramatúrgico”: tradução comentada de La Mandragola de Maquiavel. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

GENTZLER, Edwin. Desconstrução. In: GENTZLER, Edwin. Teorias contemporâneas da tradução. Trad. Marcos Malvezzi. 2 ed. São Paulo: Madras, 2009.

IUMATTI, Paulo Teixeira. História e folhetos de cordel no Brasil: caminhos para a continuidade de um diálogo interdisciplinar. Escritural – Écritures d'Amérique latine, Poitiers, n. 6, p. 3-32, dez. 2012.

JAKOBSON, Roman. Os aspectos linguísticos da tradução. 20.ed. In: Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1995.

MACHIAVELLI, Niccolò. La Mandragola. Torino: Einaudi, 1964.

MACHIAVELLI, Niccolò. Discorso o dialogo intorno alla nostra lingua. In:

MACHIAVELLI, Niccolò. Tutte le opere. Firenze: Sansoni Editore, 1971, p. 923-930.

MAQUIAVEL, Nicolau. A Mandrágora. Tradução de Pedro Garcez Ghirardi. São Paulo: Brasiliense, 1987.

MAQUIAVEL, Nicolau. A Mandrágora. Tradução de Mário da Silva. São Paulo: Editora Peixoto Neto, 2004.

MAQUIAVEL, Nicolau. Belfagor, o Arquidiabo – A Mandrágora. Tradução de Ciro Mioranza. São Paulo: Editora Escala, 2007.

MAQUIAVEL, Nicolau. A Mandrágora – Belfagor, o Arquidiabo. Tradução de Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2008.

MARTELLI, Mario. Machiavelli politico amante poeta. Interpres, Roma, n. 17, p. 211-256, 1998. Apud. BOGGIONE, Valter. Le parole amorose: Mandragola, Clizia, Morgante. Venezia: Marsilio Editori, 2016.

PITKIN, Hannah. Gênero e política no pensamento de Maquiavel. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília-DF, n. 12, p. 219-252, 2013.

PYM, Anthony. Explorando teorias da tradução. São Paulo: Perspectiva, 2017.

SCHLEIERMACHER, Friedrich E. D. Sobre os diferentes métodos de traduzir. Tradução de Celso Braida. Princípios: Revista de Filosofia, Natal, v. 14, n. 21, p. 233-265, 2007.

TRANSPLANTE. In: Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em:

<https://dicionario.priberam.org/transplante>. Acesso em: 23 jul. 2020a.

TRANSPLANTE. In: Michaelis Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Disponível em:

<http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=transplante>. Acesso em: 23 jul. 2020b.

STOPPELLI, Pasquale. La Mandragola e la commedia antica. In: STOPPELLI, Pasquale. La Mandragola: Storia e filologia. Roma: Bulzoni, 2005

VENUTI, Lawrence. The translator’s invisibility: a history of translation. London: Routledge, 1995.

VENUTI, Lawrence. A formação das identidades culturais. In: Escândalos da tradução. Bauru: EDUSC, 2002. p. 129-167.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

FONNESU, Daniel; CARAMORI, Alessandra Paola. Um “Transplante Dramatúrgico”: uma tradução comentada de La Mandragola de Maquiavel. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1–25, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200029. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/17362. Acesso em: 21 maio. 2024.