Jogos teatrais e improvisação: por uma educação filosófica na infância

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103362019223

Palavras-chave:

Infância, Jogos teatrais, Improvisação, Educação filosófica

Resumo

Este artigo procura mostrar, a partir de um estudo exploratório, possíveis interfaces entre filosofia e teatro. Defende a necessidade de proporcionar às crianças um espaço próprio de expressão como “lugar de fala” rompendo, assim, com a condição de infante - sem fala. A filosofia é compreendida enquanto práxis, que parte do reconhecimento dos carecimentos do sujeito (Heller, 1983). Aliando prática de jogos teatrais e improvisação com base na teoria de Viola Spolin (2010) e nas reflexões de Walter Benjamin (2009), conclui que este entrelaçamento torna possível conduzir o processo educativo de modo a garantir às crianças a realização da infância. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Aline Zanini, Universidade Federal do Paraná

Mestranda em Educação, pela UFPR, graduanda em Artes Cênicas pela FAP/Unespar. Técnica em Arte Dramática e Atriz. Licenciada em Pedagogia, Especialista em Filosofia da Educação. Atualmente participa do Núcleo de Estudos de Filosofia e Ensino (NESEF/UFPR), coordena o Grupo de Estudos Infância e Filosofia (NESEF/UFPR). Atua na Secretaria Municipal da Educação de Curitiba junto a gerência de Educação e Cultura e é coordenadora pedagógica de estágios no Colégio Estadual do Paraná (SEED/PR).

Geraldo Balduino Horn, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná (1985), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1995) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (FEUSP-2002). Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (2015-2016) com ênfase na Educação Filosófica.  Professor de Metodologia e Prática de Ensino de Filosofia, do curso de Filosofia da UFPR. Professor da linha de pesquisa Cultura, Escola e Ensino, do curso de Pós-Graduação em Mestrado e Doutorado em Educação da UFPR. 

Referências

BARROS, Manoel. Poesia Completa. São Paulo: Leya Brasil, 2011.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Arte e responsabilidade. In: BAKHTIN, M. M. (Mikhail Mikhailovich). Estética da Criação Verbal. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BENJAMIN, Walter. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Editora 34, 2009.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8. Ed. São Paulo: Brasiliense, 2012a. (Obras Escolhidas, v. 1).

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394. htm . Acesso em: 30 jul. 2019.

BUCK-MORSS, Susan. Dialética do Olhar: Walter Benjamin e o projeto das passagens. Tradução de Ana Luiza de Andrade; revisão técnica de David Lopes da Silva. Belo Horizonte: UFMG; Chapecó: Editora Universitária Argos, 2002.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Sete Aulas sobre linguagem, memória e história. Rio de Janeiro, Imago, 2005.

HELLER, Agnes. A filosofia radical. São Paulo: Brasiliense, 1983.

KOHAN, Walter Omar. A escola pública aposta no pensamento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

KOUDELA, Ingrid Dormien. Brecht: um jogo de aprendizagem. São Paulo: Perspectiva, 1991.

KOUDELA, Ingrid Jogos Teatrais. São Paulo: Perspectiva, 2017.

KOUDELA, I. D.; SANTANA, A. P. Abordagens metodológicas do teatro na educação.

Ciências Humanas em Revista, São Luís, v. 3, n.2, dezembro 2005.

KOUDELA, I. D.; ALMEIDA JUNIOR, José Simões de Almeida. Léxico de pedagogia do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2015.

LAJOLO, Marisa. Infância de papel e tinta. In: FREITAS, Marcos Cezar. História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2016.

LIPMAN, M. Filosofia vai à escola. São Paulo: Summus Editorial, 1990.

MAFRA, Leila. A Sociologia dos Estabelecimentos Escolares: Passado e Presente de um Campo de Pesquisa em ReConstrução. In: ZAGO; CARVALHO; VILELA (orgs.). Itinerários de Pesquisa. Perspectivas Qualitativas em Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

MATTHEWS, Gareth B. A Filosofia e a Criança. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MURANAKA, Fabiana. “Mas, o que se faz numa Sala de Filosofia?!!!” Uma análise do Eixo Educação pela Filosofia das Diretrizes Curriculares da Secretaria Municipal de Curitiba. Curitiba. 2007. 169f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Setor de Edu- cação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

OLIVEIRA, Paula Ramos. Filosofia para a Formação da Criança. São Paulo: Pioneira

Thompson Learning, 2004.

PEREIRA, Rita Marisa Ribes; JOBIM E SOUZA, Solange. Infância, conhecimento e contemporaneidade. In: KRAMER, Sonia. Infância e produção cultural. Campinas: Papirus, 1998.

SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva, 2010.

ZANINI, Raquel Aline. Educação filosófica e infância: o jogo teatral como possibilitador dessa relação a partir dos carecimentos das crianças. 2019. 125f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curi-

tiba, 2019.

Downloads

Publicado

2019-12-13

Como Citar

ZANINI, R. A.; HORN, G. B. Jogos teatrais e improvisação: por uma educação filosófica na infância. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 36, p. 223-234, 2019. DOI: 10.5965/1414573103362019223. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/15810. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Pedagogia do Teatro: vozes da América Latina