A Justiça de Kira: representações da justiça distorcida no anime death note a partir da teoria da audiovisão

Autores

  • Amanda Muniz Oliveira UFSC
  • Rodolpho Alexandre Santos Melo Bastos UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234608162016035

Palavras-chave:

audiovisão , Death Note , justiça

Resumo

As animações japonesas, também conhecidas como animes, são populares produções audiovisuais no ocidente, especialmente no Brasil. Criadas para públicos de diferentes idades e abordando temáticas diversas, os animes tornam-se interessantes fontes de pesquisa para se compreender discursos e representações veiculadas socialmente. Neste sentido, o presente artigo propõe analisar de que forma um ideal deturpado de justiça é representado no anime Death Note, cujo envolvente enredo trata de questões como assassinatos e vingança. Assim, visto que a junção entre imagem e sons é crucial para os efeitos de impacto na audiência do anime, utilizaremos a teoria da audiovisão proposta por Michel Chion, no intuito de demonstrar como tais elementos geram significados conjuntamente, de forma a complementar sentidos e direcionar a percepção dos espectadores. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Muniz Oliveira, UFSC

Doutoranda em Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina – PPGD/UFSC. Mestra em Direito pelo PPGD/UFSC. Bacharela em Direito pelas Faculdades Santo Agostinho de Montes Claros - MG – FADISA. Pesquisadora do Núcleo de Estudos Conhecer Direito – NECODI (UFSC/CNPq), coordenado pelo Prof. Horácio Wanderlei Rodrigues. Pesquisadora no Grupo de Pesquisa Modelagem e Compreensão de Sistemas Sociais: Direito, Estado, Sociedade e Política (UFSC/CNPq), coordenado pela Profa. Grazielly Alessandra Baggenstoss. Pesquisadora do Grupo de Extensão Direito das Mulheres (CCJ/UFSC) coordenado pela Profa. Grazielly Alessandra Baggenstoss. Membro do Núcleo de História e Rock – NEHROCK (CFH/UFSC), coordenado pelo Prof. Márcio Voigt. Bolsista CAPES. 

Rodolpho Alexandre Santos Melo Bastos, UFSC

Doutorando em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina – PPGH/UFSC. Mestre em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. Pós-graduado em Filosofia pela UNIMONTES. Historiador pela UNIMONTES. Membro do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Medievais – Meridianum (UFSC/CNPq), coordenado pela Profa. Aline Dias da Silveira. E-mail: rodoxbastos@gmail.com.

Referências

CHION, Michel. La audiovisión: Introducción a un análisis conjunto de la imagen y el sonido. Buenos Aires: Paidós 1993.

Death Note (Desu nôto). Japón: Mad House / D.N. Dream Partners / NTV / Shueisa / Video Audio Project. 2006.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In JODELET, Denise (org). As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2002. p. 17-44.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia - estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: Edusc, 2001.

SCHMALTZ NETO, Genis Frederico. Paixões e traços míticos no discurso do animê: uma análise em Death Note. Dissertação. 2013. 128 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás. Goiânia. 2013.

YAMAMOTO, Lilian. A literatura de cárcere em defesa de um condenado à pena de morte no Japão - Lágrimas da Ignorância, de Norio Nagayama. In: ANAMORPHOSIS - Revista Internacional de Direito e Literatura v. 1, n. 2, julho-dezembro 2015. P. 263- 179.

Downloads

Publicado

2016-10-10

Como Citar

OLIVEIRA, Amanda Muniz; BASTOS, Rodolpho Alexandre Santos Melo. A Justiça de Kira: representações da justiça distorcida no anime death note a partir da teoria da audiovisão. Palíndromo, Florianópolis, v. 8, n. 16, p. 035–050, 2016. DOI: 10.5965/2175234608162016035. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/8108. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta