Contaminações entre conceitos: um olhar sobre criação e pensamento com Gustav Mahler

Autores

  • Celso Vitelli Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234614322022284

Palavras-chave:

Contaminações entre conceitos, Criação e Pensamento com Gustav Mahler, Experiência e Criação, Experiência, pensamento e criação

Resumo

O presente artigo versa sobre experiência, pensamento e criação, reconhecendo que os temas são amplos, complexos, e sugerem muitos percursos. Buscam-se, assim, entrelaçamentos entre tais conceitos em três tópicos, fazendo-se três relações entre: a) experiência e criação; b) criação e invenção; e, por último, c) criação e pensamento, uma busca de afinações com Gustav Mahler. Procura-se movimentar tais conceitos, dialogando com as teorias de Andrei Tarkovsky (2010), Marilena Chaui (1995, 2002), Jorge Larrosa Bondia (2002) e George Steiner (2003), dentre outros autores, com um recorte para também pensarmos sobre esses conceitos, ou seja, escutas possíveis, que seriam as afinações com a obra de Mahler (1860-1911). Por fim, na companhia deste regente e compositor checo austríaco, arrisco um breve diálogo, afinações com o percurso do artista, em um olhar cooperativo para pensar as conexões entre os conceitos de experiência, invenção, pensamento e criação. Os três tópicos que elegi permitiram pensar no caráter dinâmico que envolve criação e seus processos. A leitura de Steiner, Tarkovsky e outros autores, remete-nos a diferentes e não novas concepções sobre processos de criação – tanto a existência de um valor ontológico da criação quanto a sua universalidade podem ser questionadas como ideologias historicamente localizáveis. Assim, os atravessamentos da escrita e criação de texto oscilam entre a experiência pessoal de artistas recortadas para este texto e as interrogações teóricas provocadas por tais recortes. Procurei investigar criação como experiência, uma estrutura por vezes nervosa de consciência quando nos comunicamos conosco e com os outros, especialmente no campo da arte.

Biografia do Autor

Celso Vitelli, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutorado em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS [2008]. Atualmente é professor nos Cursos de Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Bacharelado e Licenciatura. Tem experiência na área de Educação com ênfase no Ensino de Arte, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, corpo, masculinidades, adolescência e juventude. Além disso, é membro do Núcleo de Estudos em Mídia, Educação e Subjetividade [NEMES-UFRGS], coordenado pela professora Dra. Rosa Maria Bueno Fischer.

Referências

AMARAL, Roberto. Morte em Veneza ou como Visconti devora Mann. Disponível em http://www.germinaliteratura.com.br/2008/omalentendidouniversal_mar08_2.htm. Acesso em 16/04/2014.

ARAUJO, Paulo Roberto M. de. Identidades contemporâneas: criação, educação e política. Porto Alegre: Zouk, 2006.

BACHELARD, Gaston. A intuição do instante. Campinas/SP: Verus Editora, 2007.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. Rio de Janeiro: Opera Mundi, 1971.

BATTCOCK, Gregory. O Ato criador. In: A Nova arte. São Paulo: Perspectiva, 2004, p.71-74.

BONDIA, Jorge Larrosa. Notas sobre experiência e o saber de experiência. In: Revista Brasileira de Educação. Nº 19. São Paulo: jan/fev/mar/abr, 2002, p. 20 – 28.

CAIAFA, Janice. Nosso Século XXI: notas sobre arte, técnica e poderes. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

CHAUI, Marilena. Merleau-Ponty. Obra de arte e filosofia. In: NOVAES, Adauto (Org.) Artepensamento. São Paulo: Companhia das Letras, 1994, p. 467-492.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Editora Ática, 1995.

CHAUI, Marilena. Obra de arte e filosofia. In: Experiência do Pensamento. Ensaios sobre a obra e Merleau-Ponty. São Paulo: Martins Fontes, 2002, p. 151-195.

DELEUZE, Gilles. O ato de criação. Especial para a Trafic (entrevista). Trafic. Editora: Mais Folha de São Paulo, 27/06/1999.

DE MASI, Domenico. Alfabeto da sociedade desorientada: para entender o nosso tempo. São Paulo: Objetiva, 2017.

DERDYK, Edith. Linha do horizonte: por uma poética do ato criador. São Paulo: Escuta, 2001.

DUCHAMP, Marcel. O ato criador. IN: BATTCOCK, Gregory. A nova arte. São Paulo: Perspectiva, 2004, p.71-74.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Mídia, imagem e experiência. II Seminário Internacional – As Redes de conhecimento e a tecnologia: imagem e cidadania. Rio de Janeiro: 24 a 27 de Junho de 2003.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GARDNER, Howard. As composições da mente de Mozart. In: Arte, mente e cérebro: uma abordagem cognitiva da criatividade. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999, p.301-308.

KINDERSLEY, Dorling. Música: guia visual definitivo. São Paulo: Publifolha, 2014.

LIBERMAN, Arnoldo. Gustav Mahler: um coração angustiado. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

OLIVEIRA, Leandro. O papel de Mahler na música de nosso tempo. Semiosis: semiótica e transdisciplinaridade em revista. Setembro de 2010. [suporte eletrônico] Disponível em: ou Available from: http://www.semeiosis.com.br/o-papel-de-mahler/. Acesso em 12/12/2015.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis/RJ: Vozes, 1991.

OSTROWER, Fayga. Acasos e criação artística. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

ROSCHEL, Renato. Mahler. Disponível em http://almanaque.folha.uol.com.br/musicamahler.htm. Acesso em 10.11.2015.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos eus. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 139-204.

SCHROEDER, Silvia Cordeiro Nassif. O músico: desconstruindo mitos. Revista da ABEM, Porto Alegre, V.10, 109-118, mar. 2004.

STEINER, George. Gramáticas da criação. São Paulo: Editora Globo, 2003.

TARKOVSKI, Andrei. Esculpir o tempo. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

WILLIAMS, Raymond. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo, 2007.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

VITELLI, C. Contaminações entre conceitos: um olhar sobre criação e pensamento com Gustav Mahler. Palíndromo, Florianópolis, v. 14, n. 32, p. 284-302, 2022. DOI: 10.5965/2175234614322022284. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/19527. Acesso em: 25 jan. 2022.