Ostomia e vestuário:

cartilha de desenvolvimento de vestuário para pessoas ostomizadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x14332021155

Palavras-chave:

Ostomia, Vestuário inclusivo, Desenvolvimento de produto

Resumo

A ostomia pode ser compreendida como uma cirurgia que objetiva produzir um novo trajeto para a saída de fezes ou de urina do corpo humano. Por observação empírica, acredita-se que as pessoas ostomizadas encontram-se desassistidas pela Indústria Têxtil e de Confecção. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo apresentar a estrutura preliminar de uma cartilha para o desenvolvimento de peças de vestuário para pessoas ostomizadas. Como instrumentos de coleta de dados, empregou-se um levantamento bibliográfico e um questionário roteirizado e semiestruturado com doze perguntas divididas em dois blocos: o indivíduo e seu ostoma e o indivíduo ostomizado e sua relação com o vestuário. Metodologicamente, este artigo pode ser compreendido como pesquisa aplicada, qualitativa, descritiva e de campo. Concluí-se que a cartilha contribui por meio de três perspectivas: (I) mercadologicamente, ao propor orientações à indústria para o desenvolvimento de um vestuário inclusivo; (II) socialmente, ao estimular à pessoa ostomizada a ampliar sua compreensão sobre a condição; e (III) academicamente, por prover expansão acerca da literatura sobre o assunto.

Biografia do Autor

Mariana Luísa Schaeffer Brilhante, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Atualmente é estudante do Mestrado em Design de Vestuário e Moda (Modalidade Profissional) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Possui especialização lato sensu em Estudos Culturais nos Currículos Escolares Contemporâneos da Educação Básica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e especialização lato sensu em Moda, Mídia e Mercado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC-RS). É formada no Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda pela Universidade Luterana do Brasil. Sua principal área de pesquisa é a moda inclusiva. Contato: marsbxx@gmail.com

Valdecir Babinski Júnior, Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC)

Professor substituto do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), câmpus Jaraguá do Sul - Centro, no Curso Superior de Tecnologia (CST) em Design de Moda, no curso técnico integrado de Modelagem do Vestuário e no curso técnico PROEJA de Vestuário. Leciona as disciplinas de: Pesquisa de Moda, Fundamentos do Design de Moda, Desenho Assistido por Computador (CST, integrado e PROEJA) e História da Moda. Mestrando (2018-atual) do Programa de Pós-Graduação em Design de Vestuário e Moda (PPGModa), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Pós-graduado em Marketing (2016-2018) pela Universidade de São Paulo (USP/ESALQ). Graduado em Moda, com habilitação em Design de Moda (2014), pela Udesc. Pesquisa o campo da Moda, em especial, os tópicos: desenho de moda, sustentabilidade, história da moda e pesquisa de moda. Contato: vj.babinski@gmail.com

Mariana Moreira Carvalho, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Mestranda (2019-atual) do Programa de Pós-Graduação em Design de Vestuário e Moda (PPGModa) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Pós-graduada em Design de Moda pelo Istituto Europeo di Design (IED Firenze, 2018). Graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN, 2016). Pesquisa o campo da Moda, em especial, os tópicos: sustentabilidade, upcycling, técnicas manuais e pesquisa. Trabalha com assessoria para marcas Slow Fashion. Contato: marimoreirac9@gmail.com. 

Icléia Silveira, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Doutora em Design (2011) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Mestra em Engenharia da Produção (2003) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Especialista em Desenho Industrial, Estilismo e Modelagem de moda (1992) pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Também especialista em Atualização para docentes de Nível Superior (1980) pela UFSC. Também especialista em Geografia e Desenvolvimento Regional e Urbano (1978) pela UFSC. Licenciada em Geografia (1976) pela UFSC. Atualmente, é professora do quadro efetivo de docentes do curso de bacharelado em moda e do Programa de Pós-Graduação em Design de Vestuário e Moda (PPGModa), ambos da Udesc. É membro do Grupo de Pesquisa Design de Moda e Tecnologia (Udesc/CNPq). É membro do conselho editorial da revista ModaPalavra e-periódico (Udesc). É membro da Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda (ABEPEM). É coordenadora do Laboratório de Tecnologia do Vestuário e Economia Criativa (LaCRIAT), da Udesc. Atua, leciona e pesquisa as seguintes áreas: ergonomia, modelagem plana do vestuário, moulage, processos produtivos nas indústrias têxteis e de confecção, gestão do conhecimento, negócios de moda e aprendizagem organizacional. Contato: Icleiasilveira@gmail.com

Lucas da Rosa, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Bacharel em Ciências Econômicas (Ano: 2000) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Especialista no Lato-Sensu em Moda: Criação e Produção (Ano: 2002) e Mestre em Educação e Cultura (Ano: 2005), ambas formações na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Doutor em Design (Ano 2012) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Atualmente é professor efetivo na UDESC, trabalhando no Bacharelado em Moda e no Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional de Design de Vestuário e Moda (PPGModa). Tem experiência no Setor de Moda, com ênfase na Tecnologia do Vestuário, trabalhando principalmente na concepção e desenvolvimento de produtos. 

Referências

BRASIL. DECRETO Nº. 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências., Brasília, DF, dez 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm. Acesso em: 17 fev. 2018.

BRASIL. LEI Nº. 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência), Brasília, DF, jul 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 17 fev. 2018.

BROGIN, B.; MERINO, E. A. D.; BATISTA, V. J. Contribuição da ergonomia e antropometria no design do vestuário para crianças com deficiência física. Design e Tecnologia, Porto Alegre, v. 4, n. 08, p.1-10, 31 dez. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3tkUomF. Acesso em: 01 fev. 2020.

CALLAN, G. O'H. Enciclopédia da moda: de 1840 à década de 80. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CANCASTER, B. Choosing an ostomy bag. Vitaly medical, 2015. Disponível em: https://www.vitalitymedical.com/blog/choosing-an-ostomy-bag.html. Acesso em: 26 out. 2019.

DICIONÁRIO MICHAELIS. Inclusão, 2015. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/inclus%C3%A3o/. Acesso em: 4 mar. 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social . 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODINHO, S. de S. Além das aparências. ModaPalavra e-periódico, Florianópolis, v. 10, n. 19, p. 82-97, jan./jul. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3yPtvdu. Acesso em: 20 mar. 2021.

GONÇALVES, E.; BEIRÃO FILHO, J. A.. Usabilidade: vestuário infantil. ModaPalavra e-periódico, Florianópolis, v. 1, n. 1, p.107-118, jan./jun. 2008. Disponível em: https://bit.ly/3uIpk0q. Acesso em: 01 fev. 20.

IBGE: CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Acompanha 1 CD-ROM. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.

KRONE, S. M. F.; OLIVEIRA, A. H. P. de; RIZZI, S. Desenvolvimento de vestuário para crianças com deficiência visual: uma abordagem inclusiva. Projética, Londrina, v. 11, n. 1, p. 246, 1 jun. 2020. Disponível em: https://bit.ly/2OY3k22. Acesso em: 20 out. 2020.

MODA INCLUSIVA: perguntas e respostas para entender o tema. São Paulo: SEDPcD, 2012.

MORAIS, D. Mulher com ostomia você é capaz de manter o encanto. 7ª ed. Goiânia: Editora Kelps, 2015. Disponível em: https://abcd.org.br/wp-content/uploads/2016/09/Cartilha_da_Mulher_Com_Ostomia-7Ed_web.pdf. Acesso em: 26 out. 2019.

OLIVEIRA, T. S. de. Moda: um fator social. 2013. Dissertação (Mestrado em Têxtil e Moda) — Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Acesso em: 28 fev. 2018.

POCKET NURSE. Site. 2019. Disponível em: https://www.pocketnurse.com/default/11-81-0906-nasco-life-formr-ostomy-care-simulator. Acesso em: 28 out. 2019.

SOUSA, R. E. de; XAVIER, L. A.; ALBUQUERQUE, S. S. de. Moda inclusiva: reconhecendo a necessidade da criança cadeirante. ModaPalavra e-periódico, Florianópolis, v. 10, n. 19, p.2-22, jan./jun. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3tc4pCn. Acesso em: 01 fev. 2020.

STUMM, E. M. F.; OLIVEIRA, E. R. A.; KIRSCHNER, R. M. Perfil de pacientes ostomizados. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 26–30, jan./mar. 2008.

Downloads

Publicado

2021-07-01