Iniciação às ciências na educação infantil: brincar e experimentar com a natureza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723825572024019

Palavras-chave:

construção de conhecimentos, iniciação às ciências, educação infantil, natureza

Resumo

Neste artigo, o objetivo é discutir as perspectivas do ensino de Ciências para a educação infantil, ajustando-as à faixa etária e propósitos formativos desse nível de ensino no Brasil, que prevê a formação integral para além do cuidar. Parte-se do princípio da construção de conhecimentos desde o nascimento da criança, conforme Piaget, e de pontos tidos como chave para se pensar o ensino e aprendizagem de Ciências, considerando os avanços da área. O ajuste dos pontos-chave, uma vez que conceituações e a formulação de hipótese, entre outros aspectos, não são ainda factíveis, refere-se à valorização da investigação, da exploração do meio natural e da experimentação pela criança na escola, visando auxiliá-la no estabelecimento de relações lógicas em que tem papel ativo na realidade em vive. Defende-se que a educação infantil seja um momento de iniciação às Ciências com noções construídas no brincar e experimentações com a natureza, em hortas, jardins e atividades didáticas a elas relacionadas, em que objetivo e planejamento de ensino sejam suportes à construção de conhecimento nessa fase. São elencados três estudos, um dos quais critica a limitação das atividades de colorir e de cópia no contato da criança com conteúdos de Ciências. Alternativas para o ensino exemplificam as relações e ciclos nos temas como as abelhas sem ferrão, germinação e água, com coleta de água de chuva para regar o jardim. Portanto, a iniciação às Ciências pelo brincar e experimentar com a natureza são pautas para mudanças no ensino de Ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394/96. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 31 out. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras de creche. Brasília, DF: MEC/SEB, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: MEC, 2010.

CAPANARIO, J. M.; MOYA, A. ¿Como enseñar Ciencias? principales tendencias y propuestas. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 17, n. 2, p. 179-192, 1999.

DRIVER, R.; ASOKO, H.; LEACH, J.; MORTIMER, E.; SCOTT, P. Construindo o conhecimento científico em sala de aula. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 9, p. 31-40, 1999.

ELALI, G. L. O ambiente da escola: o ambiente na escola: uma discussão sobre a relação escola-natureza em educação infantil. Estudos de Psicologia, Natal, v. 8 n. 2, p. 309-319, 2003.

GIMENO SACRISTÁN, J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

GOULART, I. B. Piaget: experiências básicas para utilização pelo professor. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 85-93, 2000.

LOCONTE, C. O.; PAIVA, J. B.; MASSABNI, V. G.; MARQUES, R. N. Abelhas Jataís e educação ambiental: uma experiência interdisciplinar na formação de professores em Ciências Agrárias. Revista de Graduação da USP, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 35-45, 2017.

MASSABNI, V. G.; D. NETO, A.; SOUZA; C. C.; CONDOTTA, I. C. F. S., MODA, A.; GIANNETTI, B. S. H.; CRUZ, S. F. Sustentabilidade na educação infantil: ciclo, aproveitamento e uso consciente da água. Revista Eletrônica Sala de Aula em Foco, Vila Velha, v. 04, n. 01, p. 47-57, 2015. Disponível em: https://ojs.ifes.edu.br/index.php/saladeaula/issue/view/72/22. Acesso em: 6 mar 2024.

MASSABNI, Vânia Galindo. O construtivismo do professor: de Piaget às idéias e práticas de professores de ciências. 2005. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Araraquara, 2005.

Nardi, R. (org.). Questões Atuais no ensino de Ciências. São Paulo: Escrituras Editora, 1998.

OLIVEIRA, M. T. M. (coord.). Didáctica da biologia. Lisboa: Universidade Aberta, 1991.

OSBORNE, J. F. Beyond constructivism. Science Education, [Hoboken, US], v. 80, n.1, p. 53-82, 1996.

PIAGET, J. Epistemologia genética. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PIAGET, J. Problemas de psicologia genética. Rio de Janeiro: Forense, 1973.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de Ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

RUMENOS, N. N.; MASSABNI, V. G.; BONITO, J. Reforçar a educação em ciências na educação infantil no Brasil. Mimesis, Bauru, v. 40, n. 2, p. 275-296, 2019.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 333-352, 2008.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

Downloads

Publicado

2024-04-03

Como Citar

MASSABNI, Vânia Galindo. Iniciação às ciências na educação infantil: brincar e experimentar com a natureza. Revista Linhas, Florianópolis, v. 25, n. 57, p. 19–38, 2024. DOI: 10.5965/1984723825572024019. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/25269. Acesso em: 18 jul. 2024.