Normalistas, ensino público escolar e cultura de elite

o contexto da Escola Normal Catharinense de 1892

Autores

  • Marlete dos Anjos Silva Schaffrath University of the State of Paraná image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823532022012

Palavras-chave:

Escola Normal, formação de professores, ensino público

Resumo

O movimento pela difusão do ensino que se desenhou na Europa desde o século XVII se fortaleceu no século XVIII e se enraizou para as sociedades americanas no século XIX, anunciava os propósitos dos estados nacionais em fortalecer preceitos liberais de cultura, civilidade e moralidade pela via da formação de professores para o magistério das primeiras letras nas chamadas Escolas Normais. No Brasil, e no caso particularizado aqui, em Santa Catarina, a Escola Normal se movia, na conjuntura das províncias e depois dos estados, entre precárias estruturas e grandes esperanças manifestas nos posicionamentos das elites intelectuais e administrativas e suas aspirações de progresso e ordem pública. O objetivo deste trabalho é, a partir do estudo que resultou da Dissertação de Mestrado intitulada A Escola Normal Catharinense de 1892: profissão e ornamento, retomar algumas características de organização desta escola, assim como aspectos do contexto de sua criação. São destacados dois distintivos: os elementos formativos do curso com as especificidades para o ensino das primeiras letras; e o apego aos conhecimentos gerais como ornamento da cultura das elites e para as elites oferecidos pela mesma escola. A revisita ao texto da dissertação compreende a retomada de leituras do referencial bibliográfico que serviu de fonte para a articulação com o material documental levantado no Arquivo Público do Estado de Santa Catarina, a respeito da Escola Normal e do ensino público na Província e no Estado. Compreende também a releitura de trechos dos relatórios oficiais e seu cotejamento com novos referenciais bibliográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. História da instrução pública no Brasil (1500-1789): história e legislação. Tradução Antonio Ghizzotti. São Paulo: EDUC, Brasília: INEP/MEC, 1989.

BASTOS, Maria Helena Câmara. A instrução pública e o ensino mútuo no Brasil: uma história pouco conhecida (1808-1827). História da Educação, Pelotas: ASPHE/FAE/UFPEL, n. 1, v. 1, p. 115-133, jan./jun. 1997.

CABRAL, Oswaldo. Nossa Senhora do Desterro: notícia. Florianópolis: Editora da UFSC, 1971. v. I.

COMÊNIO, José Amós. Didáctica magna. Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

DESCARTES, R. Discurso do método. São Paulo: Nova Cultural, 1987. Coleção Os Pensadores, v. 1.

DO Ó, Jorge Ramos. O governo de si mesmo: modernidade pedagógica e encenações disciplinares do aluno liceal (último quartel do século XIX - meados do século XX). Lisboa: Educa, 2003.

FORQUIN, Jean-Claude. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 5, p. 28-49, 1992.

GINER, Maria Isabel Corts. Origen y desarrollo de las escuelas normales em Francia (1789- 1982). Valencia: Promolibrio, 1985.

MONARCHA, Carlos. Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

REIS FILHO, Cassimiro dos. A educação e a ilusão liberal: origens da escola pública paulista. Campinas: Autores Associados, 1995.

SCHAFFRATH, Marlete dos Anjos Silva. A Escola Normal Catharinense-1982: profissão e ornamento. Florianópolis-SC, 1999. Dissertação (Mestrado em Educação) − Universidade Federal de Santa Catarina, 1999.

SCHAFFRATH, Marlete dos Anjos Silva. A Escola Normal de Curitiba 1870-1920: Na legitimidade dos discursos pedagógicos e dispositivos legais. In: CONGRESSO LUSOBRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 10, 2014, Curitiba. Anais [...]. [S.l.]: Colubhe, 2014a. p. 01-14.

SCHAFFRATH, Marlete dos Anjos Silva. Os livros didáticos na Escola Normal de Curitiba (1876-1920): entre a universalidade e as singularidades da circulação da literatura pedagógica. Tese (Doutorado em Educação) − Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2014b.

SCHIMIDT, Leonete. A constituição da rede pública de ensino em Santa Catarina -1830/1860. Florianópolis: 1996. Dissertação (Mestrado em Educação) − Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, 1996.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, p.62-88, maio/ago. 2000. Disponível em https://pdfs.semanticscholar.org/0f36/9d9eab65046eb033ab207ae0a8ee86c4f127.pdf. Acesso em: 21 jul. 2022.

VILLELA, Heloísa Helena. Da palmatória à lanterna mágica: a Escola Normal da Província do Rio de Janeiro entre o artesanato e a formação profissional (1868-1876). 2002. Tese (Doutorado em Educação) − Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

XAVIER, Maria Elizabete Sampaio Prado. Poder político e educação de elite. 3 ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1992.

Downloads

Publicado

2022-12-09

Como Citar

SCHAFFRATH, M. dos A. S. . Normalistas, ensino público escolar e cultura de elite: o contexto da Escola Normal Catharinense de 1892. Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 12 - 33, 2022. DOI: 10.5965/1984723823532022012. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/23009. Acesso em: 6 fev. 2023.