Currículo escolar

seleção cultural e reelaboração didática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823532022246

Palavras-chave:

teorias curriculares, teorias críticas do currículo, currículo escolar

Resumo

No Brasil, hoje, o campo de estudos curriculares está fortemente consolidado, contando com grupos de trabalho e estudo, encontros acadêmicos, revistas científicas e linhas de pesquisa em programas de pós-graduação em Educação, além de um número crescente de publicações. Parece existir concordância, em se dividir as correntes de pensamento sobre o currículo em três diferentes perspectivas teórico-metodológicas e ideológicas: teorias tradicionais, teorias críticas e teorias pós-críticas. Nosso objetivo neste estudo é refletir especificamente sobre as principais categorias e autores das teorias curriculares críticas. Partimos, portanto, de uma perspectiva teórica crítica do currículo, que o entende como uma construção social negociada, enredada em relações de poder. Assinala-se a importância de investimentos em pesquisas a respeito da História dos currículos e disciplinas escolares, para que se possa compreender como eles foram sendo socialmente construídos em cada contexto histórico, social, político e cultural de diferentes países e em diferentes temporalidades.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPLE, Michel. Ideologia e currículo. Porto Alegre: Artmed, 2006.

APPLE, Michel. Educação e poder. Porto Alegra: Artmed, 1999.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Trad. Guacira Lopes Louro, Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 31. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GIROUX, Henry. Pedagogia Radical: subsídios. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1983.

GIROUX, Henry. Escola crítica e política cultura. São Paulo: Cortez, 1987.

GOODSON, Yvor. A construção social do currículo. Lisboa: Editora EDUCA, 1997.

GOODSON, Yvor. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes, 2012.

GOODSON, Yvor. As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. Trad. Vera Joscelyne. Petrópolis: Vozes, 2008.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (org.). A invenção das tradições. Tradução Celina Cardim Cavalcante. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MENEZES, Marília Gabriela e SANTIAGO, Maria Eliete. Um estudo sobre a contribuição de Paulo Freire para a construção crítica do currículo. Revista Espaço do Currículo (Online), João Pessoa v. 3, p. 395-402, 2010.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1999. p. 07-31.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Teoria cultural e educação: um vocabulário crítico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

YOUNG, Michael. Para que servem as escolas? Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, set./dez. 2007.

YOUNG, Michael. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, v. 16 n. 48 set./dez, 2011.

Downloads

Publicado

2022-12-09

Como Citar

SALLES, A. M. Currículo escolar: seleção cultural e reelaboração didática. Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 246 - 263, 2022. DOI: 10.5965/1984723823532022246. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/20176. Acesso em: 6 fev. 2023.