Discursividades sobre moda agênero em Vogue Brasil no ano de 2020

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630612022e0144

Palavras-chave:

Análise de discurso, Vogue Brasil, Moda Agênero

Resumo

O artigo busca investigar, por meio do método da análise de discurso de linha francesa, o modo como é feita a abordagem discursiva sobre moda agênero na revista Vogue Brasil, considerando-se, para isso, as edições veiculadas no período de janeiro a junho de 2020, nas quais se encontram cinco abordagens sobre o tema, distribuídas em três matérias e dois editoriais. Vale destacar que Vogue Brasil é hoje o único título impresso especializado em moda no Brasil a circular mensalmente. Destaca-se na produção de matérias, colunas e editoriais sobre o cenário da moda nacional e internacional e se associa a estruturas discursivas hegemônicas e dominantes de moda, acompanhando os discursos encabeçados por grandes marcas, entre eles, o da moda agênero, que vem despertando a atenção de criadores desde 2015. A despeito de a cobertura sobre agênero se mostrar presente nas páginas de Vogue Brasil pode-se observar, entretanto, que a publicação não se descola de um padrão de cobertura de moda que a acompanha desde sua origem no Brasil e que pode estar relacionado à manutenção de um status quo que legitima relações de poder ainda dominantes na relação entre gênero e vestimenta no cenário da moda nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à análise do discurso. Campinas: Unicamp, 2012

BRANDÃO, Ignácio de Loyolla. Vogue: Bom Gosto e sofisticação. In Cadernos da Comunicação – Mulheres em Revista: O Jornalismo Feminino no Brasil. Rio de Janeiro: Secretaria Especial de Comunicação, 2002.

BARNARD, Malcom. Moda e Comunicação. Rio de Janeiro: Rocco, 2003

CRANE, Diana. A moda e seu papel social. São Paulo: Senac, 2006.

FOUCAULT, Michael. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1986.

GOMES, Mayra. As materialidades e seus discursos. Revista Comunicação, Mídia e Consumo. V. 16, N. 46, P. 271-290. São Paulo: ESPM, 2019.

HOLLANDER, Anne. O sexo e as roupas. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

JOFFILY, Ruth. O Jornalismo e Produção de Moda. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Pontes, 1997.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos Discursos; São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARQUES, Ângela Cristina Salgueiro. Comunicação, estética e política: a partilha do sensível promovida pelo dissenso, pela resistência e pela comunidade. Revista Galáxia. nº 22, p.25-39. São Paulo: PUC-SP, 2011.

MEDINA, Cremilda. Notícia: um produto à venda. São Paulo: Summus. 1988.

MELLO E SOUZA, Gilda. O Espírito das Roupas. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: 34, 2012.

SCHMITT, Juliana. Santos; Gabriel. Moda sem gênero: conceituação e contextualização das tendências não binárias. In: Anais do 12 Colóquio de Moda. João Pessoa: 2016.

Fontes:

Revista Vogue. Nem eles, nem elas. n 498, p. 46. São Paulo: Condé Nast.

Revista Vogue. Uma coisa só. n 499, p.61-62. São Paulo: Condé Nast.

Revista Vogue. Paixão visceral. n 499, p.94. São Paulo: Condé Nast.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

RUFINO, C. Discursividades sobre moda agênero em Vogue Brasil no ano de 2020. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 1-14, 2022. DOI: 10.5965/25944630612022e0144. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/20144. Acesso em: 22 maio. 2022.