Educação, semiótica e o espírito do tempo

uma metodologia para a formação profissional tecnológica superior no Brasil pós-pandêmico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630512021291

Palavras-chave:

Educação, Semiótica, Metodologia

Resumo

Este artigo tem por objetivo compreender e analisar, de forma breve, os desafios enfrentados pela educação no Brasil neste atual momento pandêmico. A proposta é trabalhar caminhos metodológicos que possam endereçar tais desafios frente às questões tecnológicas que a educação, em ambientes digitais, cria e estabelece, tanto para os professores quanto para os alunos e, eventualmente, suas famílias. As novas formas de interação, professor-aluno-tecnologia, devem seguir em direção a uma metodologia minimamente consistente para enfrentar as adversidades oriundas do espírito do tempo, com reflexos, também, na educação tecnológica superior. Assim pensando, estabeleceu-se, como base, o diálogo entre a Pedagogia da Autonomia, do educador Paulo Freire, defensor de uma pedagogia fundada na ética, no respeito, na dignidade e na autonomia do educando, e os regimes de interação – e mesmo de sentido – da sociossemiótica de Eric Landowski, procurando compreender as novas práticas do ensino que se estabelecem, às vezes, na presença mediada de professor e aluno, outras em presenças virtualizadas, de maneira assíncrona, em um caminho que, neste instante, coloca-se como necessário. Assim, torna-se imprescindível promover ações de inclusão social para a transformação e respeito pela coletividade, neste momento singular. Com essa finalidade, surgiu o Instituto OFÉ, criado para proporcionar educação profissional tecnológica superior, alicerçada na inovação e na justiça social, de forma a promover o desenvolvimento local e regional por meio de metodologia humana, sensível e acolhedora, valorizando o percurso do sujeito a partir de um ensino híbrido com acolhimento, que será apresentado neste trabalho.

Biografia do Autor

João Batista Ciaco, Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP)

Centro de Pesquisas Sociossemióticas (CPS). Doutor em Comunicação e Semiótica PUC-SP

Referências

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 57. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

________. Extensão ou Comunicação. 13. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

________. Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GADOTTI, Moacir Boniteza de um sonho: ensinar-e-aprender com 2. ed. São Paulo: Editora

e Livraria Instituto Paulo Freire, 2011. (Educação cidadã; 2).

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Ed.

Cultrix, s/d.

LANDOWSKI, Eric. Regimes de Sentido e Formas de Educação. Entreletras, Araguaína/TO,

v.7, n.2, jul./dez. 2016. Disponível em: sistemas.uft.edu.br Acesso em: 1 set. 2020.

________. Interações Arriscadas. São Paulo: Estação das Letras e Cores-Centro de

Pesquisas Sociossemióticas, 2014.

________. Presenças do Outro. Ensaios de Sociossemiótica. São Paulo: Editora

Perspectiva. 2002.

MORAN, José. Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH,

Lilian; NETO, Adolfo Tanzi; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: personalização

e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

NÓVOA, António. Professores. Imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009. NÓVOA,

António. Desafios do Trabalho e Formação Docente. Disponível

em:https://www.youtube.com/watch?v=sYizAm-j1rM&t=2s. Acesso em: 20 jul. 2020.

VALENTE, José Armando. O ensino híbrido veio para ficar. In: BACICH, Lilian; NETO, Adolfo

Tanzi; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na

educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

Downloads

Publicado

2021-02-01