A palavra nômade em uma pesquisa com a formação docente em Artes Visuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267822022083

Palavras-chave:

Licenciatura em Artes Visuais, Arte e Educação, Nômade, Errante, Formação docente

Resumo

O texto apresenta os resultados parciais de uma pesquisa, ainda em realização, junto ao curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade do Estado de Santa Catarina, Brasil. Durante o levantamento dos dados, optou-se por observar e descrever as palavras encontradas em trabalhos de conclusão de curso (TCCs) do ano de 2018, os quais pertencem a estudantes do referido curso, em dois aspectos: palavras-chave e títulos. Na pesquisa, a palavra funciona em um sistema de linguagem que não é apenas representação, no sentido de espelho ou como expressão concreta da formação docente dos estudantes, mas sim como interstício aberto em que a docência pode vir a se insurgir. Com esta proposição, surgem cartografias em que a palavra, como algo nômade, móvel e errante, propõe-se a indicar as pistas dos trabalhos desenvolvidos em arte e educação pelos graduandos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Schmidlin, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora no PPGAV/UDESC.

Trabalha com arte e ensino em experimentações com a filosofia da diferença

Vivian Ellwanger Leyser, Universidade do Estado de Santa Catarina

Licencianda em Artes Visuais no CEART-UDESC (Florianópolis, SC). Artista, crocheteira e bordadeira. Professora de Biologia e Ciências. Bolsista de iniciação científica PROBIC/UDESC 2021-2022 no projeto “[entre práticas] artísticas e pedagógicas”

Flávia Gabrielle Rossinski, Universidade do Estado de Santa Catarina

Bacharela em Artes Visuais pela UDESC. Graduanda na Licenciatura em Artes Visuais no Centro de Artes (CEART) - UDESC. Bolsista de Iniciação Científica PROBIC/UDESC 2021-2022 no projeto “[entre práticas] artísticas e pedagógicas”

Referências

BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos – Ensaio sobre a imaginação do movimento. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 2006.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Rio de Janeiro: Editora 34, 2004.

FONSECA, Tania Mara Galli; NASCIMENTO, Maria Livia do; MARASCHIN, Cleci (orgs.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2015.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Vol. 1. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 32-51.

PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (org.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 17-31.

PEREIRA, Marcos Villela. Estética da professoralidade: um estudo crítico sobre a formação do professor. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2013.

SKLIAR, Carlos. Experiências com a palavra: notas sobre linguagem e diferença. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.

Downloads

Publicado

2022-10-06

Como Citar

SCHMIDLIN, E.; LEYSER, V. E.; ROSSINSKI, F. G. A palavra nômade em uma pesquisa com a formação docente em Artes Visuais. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 083-097, 2022. DOI: 10.5965/24471267822022083. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/22300. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Seção temática