Efeito do genótipo no enraizamento e aclimatação de estacas semilenhosas de porta enxertos de pessegueiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711642017449

Palavras-chave:

Prunus persica, enraizamento, estaca semilenhosa, ácido indolbutírico, Prunus

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial de enraizamento e aclimatação de estacas semi-lenhosas de diferentes porta enxertos de Prunus spp. (I-93-38, I-93-27, I-67-57-14, I-67-55-13) e Prunus persica (I-67-54-12), ambos de origem norte americana. Estacas semilenhosas foram preparadas com 15 cm, mantendo um par de folhas inteiras na porção apical, acondicionadas em bandejas contendo vermiculita fina e mantidas sob nebulização intermitente por 50 dias. As estacas aptas ao transplantio foram colocadas em citropotes, contendo 2 L de substrato comercial Carolina® e mantidos em aclimatação por 60 dias. Observou-se que, a porcentagem de estacas enraizadas foi maior para o genótipo I-93-27 (66,66%), não diferindo dos genótipos I-67-55-13, I-67-54-12 e I-67-57-14, com 57,77%, 52,22% e 44,44% de estacas enraizadas, respectivamente, nesta cultivar também se registrou o comprimento médio das três maiores raízes (4,74 cm), para o número médio de raízes por estaca, os maiores valores foram observados nos genótipos I-93-27 (20,35) e I-67-57-14 (23,65). Verificou-se também que a porcentagem média de estacas transplantadas e aclimatadas foi maior para o genótipo I-93-27 (72,22%) em relação aos demais. O genótipo I-67-55-13 apresentou melhores resultados para todas as variáveis analisadas, e, maior número de plantas estabelecidas após a aclimatação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASTOS DC et al. 2009. Estiolamento, incisão na base da estaca e uso do ácido indolbutírico na propagação da caramboleira por estacas lenhosas. Ciência e Agrotecnologia 33: 313-318.

BETTONI JC et al. 2014. Indução do enraizamento em estacas lenhosas do porta-enxerto de videira VR043-43 submetidas a lesões e aplicação de auxinas. Evidência 14: 129-138.

BOTELHO RV et al. 2005. Efeitos de reguladores vegetais na propagação vegetativa do porta-enxerto de Videira ‘43-43’ (Vitis vinifera x V. rotundifolia). Revista Brasileira de Fruticultura 27: 6-8.

CARDOSO C et al. 2011. AIB e substratos no enraizamento de estacas de pessegueiro ‘Okinawa’ coletadas no outono. Semina: Ciências Agrárias 32: 1307-1314.

CHAGAS EA et al. 2008. Enraizamento de estacas lenhosas de pessegueiro e clones de umezeiros submetidos à aplicação de AIB. Ciência e Agrotecnologia, 32: 986-991.

FACHINELLO JC et al. 2005. Propagação de plantas frutíferas. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica. 221p.

FAHN A. 1990. Plant anatomy. 4.ed. Oxford: Pergamon Press. 588p.

FERREIRA DF. 2008. SISVAR: um programa para análises e ensino de estatística. Revista Symposium 6: 36-41.

HAISSIG BE & DAVIS TD. 1994. A historical evaluation of adventitious rooting research to 1993. In: DAVIS TD & HAISSIG BE. (Eds.). Biology of adventitious roots formation. p. 275-331.

JESUS MAS et al. 2010. Observações anatômicas em plantas de Coffea arabica L. obtidas por enraizamento de estacas. Revista Ceres 57: 175-180.

MAYER NA & PEREIRA FM. 2003. Enraizamento de estacas herbáceas de quatro clones de umezeiro (Prunus mume Sieb. et Zucc.) durante o inverno ameno, em Jaboticabal-SP. Revista Brasileira de Fruticultura 25: 505-507.

MAYER NA et al. 2014. Estaquia herbácea de porta-enxertos de pessegueiro no final do verão. Semina: Ciências Agrárias 35: 1761-1772.

MINDÊLLO NETO UR et al. 2004. Efeito do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas herbáceas de dois porta-enxertos de pessegueiro. Revista Brasileira de Agrociência 10: 433-437.

MOUBAYIDIN L et al. 2010. The rate of cell differentiation controls the arabidopsis root meristem growth phase. Current Biology 20: 1138-1143.

PACHECO JP & FRANCO ETH. 2008. Substratos e estacas com e sem folhas no enraizamento de Luehea divaricata Mart. Ciência Rural 38: 1900-1906.

PICOLOTTO L et al. 2009. Características vegetativas, fenológicas e produtivas do pessegueiro cultivar Chimarrita enxertado em diferentes porta-enxertos. Pesquisa Agropecuária Brasileira 44: 583-589.

RADMANN EB et al. 2014. Interação entre o genótipo e AIB no enraizamento de estacas semilenhosas de portaenxertos de pessegueiro. Nativa 2: 229-233.

SCHMITZ JD et al. 2014. Desempenho de porta-enxertos em diferentes sistemas de cultivo na produção de mudas do pessegueiro ‘Chimarrita’. Revista Ceres 61: 155-160.

TIMM CRF et al. 2015. Enraizamento de miniestacas a partir de ramos herbáceos de porta-enxertos de pessegueiro, em diferentes substratos. Revista Inova Ciência & Tecnologia 1: 18-22.

TOMAZ ZFP et al. 2014. Desenvolvimento de porta-enxertos de pessegueiro obtidos de miniestacas, em duas épocas, e sistema de cultivo sem solo. Revista Brasileira de Fruticultura 36: 988-995.

TOFANELLI MBD et al. 2001. Capacidade de enraizamento de estacas lenhosas e semilenhosas de cultivares de pessegueiro. Ciência e Agrotecnologia 25: 840-847.

VERNIER RM & CARDOSO SB. 2013. Influência do ácido indol-butírico no enraizamento de estacas em espécies frutíferas e ornamentais. Revista Eletrônica de Educação e Ciência 3: 11-16.

VIGNOLO GK et al. 2014. Presença de folhas no enraizamento de estacas de amoreira-preta. Ciência Rural 44: 467-472.

Downloads

Publicado

2018-01-24

Como Citar

ROSA, Gabriela Gerhadt da; ZANANDREA, Ilisandra; MAYER, Newton Alex; BIANCHI, Valmor João. Efeito do genótipo no enraizamento e aclimatação de estacas semilenhosas de porta enxertos de pessegueiro. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 16, n. 4, p. 449–455, 2018. DOI: 10.5965/223811711642017449. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/9256. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Plantas e Produtos Derivados