Produtividade de milho e custo da aplicação em cobertura de fertilizantes nitrogenados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712222023186

Palavras-chave:

Análise econômica, Nitrogênio, Formulações nitrogenadas, Zea mays

Resumo

O nitrogênio (N) é o nutriente mais requerido no cultivo do milho (Zea mays L.), ainda representa significativa participação no custo de produção. O objetivo foi avaliar a eficiência de diferentes fontes de fertilizantes nitrogenados aplicados em cobertura na produtividade de grãos de milho e os seus respectivos custos da adubação. O experimento foi realizado em condições de campo e sem irrigação sob sistema plantio direto, em Latossolo vermelho. Na semeadura foi utilizado 280 kg ha-1 de adubo NPK 12-30-20 para todos os tratamentos. Além do tratamento testemunha (NPK), quatro formulações nitrogenadas foram aplicadas em cobertura: Ureia, Super N, Nitromag, e Sulfammo, aplicadas 50% no estádio V3/V4 e 50% V7/V8, em quatro repetições. Na maturação fisiológica foi determinada a produtividade de grãos. O tipo de fertilizante nitrogenado não influenciou na produtividade de grãos de milho, média de 9016 kg ha-1. Os maiores lucros foram com a aplicação de Super N, Ureia e Nitromag. O uso em cobertura de fertilizantes nitrogenados de lenta e controlada liberação de N não promovem aumento na produtividade de grãos de milho em relação a Ureia. O uso de Super N em cobertura apresenta a maior lucratividade no cultivo do milho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marciel Redin, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Três Passos, RS, Brasil

Agronomia. Solos.

Referências

ABREU FL et al. 2013. Loss of ammonia from nitrogen fertilizers applied to maize and soybean straw. Revista Brasileira de Ciência do Solo 37: 969-975.

ALBUQUERQUE AW et al. 2013. Plantas de cobertura e adubação nitrogenada na produção de milho no sistema de plantio direto. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 17: 721-726.

ARTUZO FD et al. 2018. Costs management in maize and soybean production. Revista Brasileira Gestão Negócios 20: 273-294.

CONAB. 2022. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos safra 2021/22 - Décimo levantamento. Companhia Nacional de Abastecimento 6: 01-126.

COSTA NR et al. 2012 Adubação nitrogenada no consórcio de milho com duas espécies de braquiária no sistema plantio direto. Pesquisa Agropecuária Brasileira 47: 1038-1047.

CQFS. 2016. Comissão de química e fertilidade do solo. Manual de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 1.ed. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 324p.

DA ROS CO et al. 2015. Nitrogênio disponível no solo e acumulado na cultura do milho associado a fontes nitrogenadas de eficiência aumentada. Enciclopédia Biosfera 11: 1374-1385.

DUETE RRC et al. 2008. Manejo da adubação nitrogenada e utilização do nitrogênio (15N) pelo milho no Latossolo Vermelho. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 161-171.

DUETE RRC et al. 2009. Viabilidade econômica de doses e parcelamentos da adubação nitrogenada na cultura do milho em Latossolo Vermelho Eutrófico. Acta Scientiarum Agronomy 31: 175-181.

ERNANI PR. 2003. Disponibilidade de nitrogênio e adubação nitrogenada para a macieira. 1.ed. Lages:Graphel. 76p.

FAGERIA NK et al. 2007. Produtividade de arroz irrigado e eficiência no uso do nitrogênio influenciadas pela adubação nitrogenada. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 1029-1034.

FAOSTAT. 2020. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Disponível em: http://www.fao.org/ faostat/en/#data/QC/visualize . Acesso em: 25 mar. 2022.

FERREIRA DF 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

FRAZÃO JJ et al. 2014. Fertilizantes nitrogenados de eficiência aumentada e ureia na cultura do milho. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 18: 1262-1267.

GUARINO WC et al. 2021. Ammonia volatilization and agronomical efficiency of a mixture of urea with natural zeolite for rose fertilization. Pesquisa Agropecuária Brasileira 56: e01449.

GONZATTO R et al. 2013. Volatilização de amônia e emissão de óxido nitroso após aplicação de dejetos líquidos de suínos em solo cultivado com milho. Ciência Rural 43: 1590-1596.

IFA. 2020. International Fertilizer Industry Association. IFA database. Disponível em: http://www.fertilizer.org. Acesso em: 04 mai. 2020.

KAPPES C & ANDRADE JADC. 2013. Produtividade do milho em condições de diferentes manejos do solo e de doses de nitrogênio. Revista Brasileira de Ciência do Solo 37: 1310-1321.

KAPPES C et al. 2015. Análise econômica do milho em sucessão a diferentes adubos verdes, manejos do solo e doses de nitrogênio. Bioscience Journal 31: 55-64.

LOPES SJ et al. 2007. Relações de causa e efeito em espigas de milho relacionadas aos tipos de híbridos. Ciência Rural 37: 1536-1542.

MARTINS TG et al. 2018. Inoculation efficiency of Azospirillum brasilense on economising nitrogen fertiliser in landrace popcorn. Revista Ciência Agronômica 49: 283-290.

MENEGATTI ALA & BARROS ALMD 2007. Análise comparativa dos custos de produção entre soja transgênica e convencional: um estudo de caso para o Estado do Mato Grosso do Sul. Revista de Economia e Sociologia Rural 45: 163-183.

MOTA MR et al. 2015. Fontes estabilizadas de nitrogênio como alternativa para aumentar o rendimento de grãos e a eficiência de uso do nitrogênio pelo milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo 39: 512-522.

NASIELSKI J et al. 2019. Luxury vegetative nitrogen uptake in maize buffers grain yield under post-silkingwater and nitrogen stress: A mechanistic understanding. Frontiers in Plant Science 10: 318.

OLIVEIRA CM et al. 2013. Os custos de produção e a rentabilidade da soja nos municípios de Santarém e Belterra, estado do Pará. Acta Amazonica 43: 23-32.

OLIVEIRA FC et al. 2016. Corn development and production in function of sources of nitrogen fertilizers and doses. Revista Caatinga 29: 812-821.

PAVINATO OS et al. 2008. Nitrogênio e potássio em milho irrigado: análise técnica e econômica da fertilização. Ciência Rural 38: 358-364.

PISSINATI A et al. 2013. Management and cost of urea application in maize grown in northern Paraná State, Brazil. Revista de Ciências Agrárias 6: 235-241.

POLESE I et al. 2018. NDVI e rendimento da cultura do milho submetida a diferentes fontes nitrogenadas. Anuário Pesquisa e Extensão UNOESC 3: 1-9.

QUEIROZ AM et al. 2011. Avaliação de diferentes fontes e doses de nitrogênio na adubação da cultura do milho (Zea mays L.) Revista Brasileira de Milho e Sorgo 10: 257-266.

ROCHETTE P et al. 2009. Reducing ammonia volatilization in a no-till soil by incorporating urea and pig slurry in shallow bands. Nutrient Cycling in Agroecosystems 84: 71-80.

SANTOS HG et al. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5.ed. Brasília: Embrapa. 356p.

SCHILLACI C et al. 2021. Reducing topdressing N fertilization with variable rates does not reduce maize yield. Sustainability 13: 8059.

CHIODINI ME et al. 2019. The nitrification inhibitor vizura® reduces N2O emissions when added to digestate before injection under irrigated maize in the po valley (Northern Italy). Agronomy 9: 431.

SILVA AA et al. 2012. Aplicação de diferentes fontes de uréia de liberação gradual na cultura do milho. Bioscience Journal 28: 104-111.

SILVA EC et al. 2005. Doses e épocas de aplicação de nitrogênio na cultura do milho em plantio direto sobre Latossolo Vermelho. Revista Brasileira de Ciência do Solo 29: 353-362.

SILVA RF et al. 2014. Doses de dejeto líquido de suínos na comunidade da fauna edáfica em sistema plantio direto e cultivo mínimo. Ciência Rural 44: 418-424.

SOUZA JA et al. 2015. Viabilidade econômica de fontes e doses de nitrogênio no cultivo do milho segunda safra em sistema de plantio direto. Revista de Ciências Agrárias 58: 308-313.

SOUZA JÁ et al. 2011. Adubação nitrogenada na cultura do milho safrinha irrigado em plantio direto. Bragantia 70: 447-454.

SOUZA JAD et al. 2012. Lucratividade do milho em razão das fontes, doses e épocas de aplicação de nitrogênio. Revista Ceres 59: 321-329.

STAFANATO JB et al. 2013. Volatilização de amônia oriunda de ureia pastilhada com micronutrientes em ambiente controlado. Revista Brasileira de Ciência do Solo 37: 726-732.

TASCA FA et al. 2011. Volatilização de amônia do solo após aplicação de ureia convencional ou com inibidor de urease. Revista Brasileira de Ciência do Solo 35: 493-502.

TEJEDA LHC 2019. Déficit hídrico em plântulas de milho: Aspectos morfológicos e moleculares. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Pelotas: UFPel. 74p.

TSUNECHIRO A et al. 2006. Análise técnica e econômica de sistemas de produção de milho safrinha, região do médio Paranapanema, estado de São Paulo. Informações Econômicas 36: 62-70.

VALDERRAMA M et al. 2011. Fontes e doses de NPK em milho irrigado sob plantio direto. Pesquisa Agropecuária Tropical 41: 254-263.

VIERO F et al. 2014. Ammonia volatilization from nitrogen fertilizers in no-till wheat and maize in southern Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo 38: 1515-1525.

VIERO F et al. 2015. Management of irrigation and nitrogen fertilizers to reduce ammonia volatilization. Revista Brasileira de Ciência do Solo 39: 1737-1743.

ZHANG G et al. 2022. Can controlled-release urea replace the split application of normal urea in China? A meta-analysis based on crop grain yield and nitrogen use efficiency 275: 108343.

Downloads

Publicado

2023-05-31

Como Citar

WEBER, Wislan Cassino; SCHMELING, Jeniffer Bortolini; SOUZA, Eduardo Lorensi; LANZANOVA, Mastrangello Enivar; SILVA, Danni Maisa da; REDIN, Marciel. Produtividade de milho e custo da aplicação em cobertura de fertilizantes nitrogenados. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 2, p. 186–193, 2023. DOI: 10.5965/223811712222023186. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23141. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)