Frequência da irrigação ao final da produção em mudas de espécies lenhosas

Autores

  • Priscilla Oro Universidade Estadual do Oeste do Parana
  • João Alexandre Lopes Dranski Universidade Estadual do Oeste do Parana
  • Ubirajara Contro Malavasi UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ
  • Marlene de Matos Malavasi Universidade Estadual do Oeste do Parana

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711522016094

Palavras-chave:

Estresse hídrico, turno de irrigação, condutividade elétrica.

Resumo

O ensaio quantificou os efeitos da frequência de irrigação ao final da produção em mudas de Enterolobium contortisiliquum e Peltophorum dubium. O experimento seguiu o delineamento inteiramente ao acaso composto por seis frequências de irrigação com cinco repetições de dez mudas. As quantificações incluíram alterações morfométricas, integridade das membranas de tecidos radiculares, e a sobrevivência sob estresse hídrico após transplante para vasos. A irrigação diária por 15 dias seguida de irrigação a cada 3 dias durante 15 dias em mudas de ambas as espécies promoveu redução no crescimento primário, alterou a alocação de biomassa seca entre tecidos aéreos e radiculares, resultou em maior integridade das membranas do sistema radicular, e aumentou a sobrevivência sobre estresse hídrico. A quantificação da integridade das membranas do sistema radicular através da aferição da condutividade elétrica externou boa previsão da sobrevivência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-08-15

Como Citar

ORO, P.; DRANSKI, J. A. L.; MALAVASI, U. C.; MALAVASI, M. de M. Frequência da irrigação ao final da produção em mudas de espécies lenhosas. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 15, n. 2, p. 94-102, 2016. DOI: 10.5965/223811711522016094. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/223811711522016094. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)