Análises fisiológicas e de crescimento e produtividade da mandioca sob níveis de irrigação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712112022016

Palavras-chave:

Manihot esculenta Crantz, comprimento de raízes, índice de área foliar, taxa fotossintética, rendimento agrícola, índice de colheita

Resumo

O objetivo dessa pesquisa foi avaliar o crescimento, produtividade e as respostas fisiológicas da mandioca sob níveis de irrigação na Zona da Mata de Alagoas. O delineamento estatístico utilizado foi blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas, com quatro repetições. Os tratamentos foram seis níveis de irrigação, em função da evapotranspiração da cultura – ETC (L0 = 0% (sequeiro), L1 = 40%, L2 = 80%, L3 = 120%, L4 = 160% e L5 = 200% da ETC). As variáveis foram divididas em grupos: crescimento e produção (avaliadas em seis períodos bimestrais – 1 ano) e as fisiológicas (taxa fotossintética líquida e transpiratória, temperatura foliar, condutância estomática, eficiência instantânea do uso de água, rendimento quântico potencial, eficiência quântica efetiva do fotossistema II (ΦPSII) e índice SPAD foram avaliadas em cinco períodos bimestrais – 10 meses). O balanço hídrico dos níveis de irrigação, foi realizado em escala decendial. A evapotranspiração anual da cultura da mandioca estimada foi 1.030 mm, e nas áreas de sequeiro, a chuva efetiva somou apenas 522 mm, o que gerou déficit hídrico de 508 mm, e isso torna evidente a importância de utilização da irrigação em cultivos na região. De maneira geral, crescimento, produtividade e as respostas fisiológicas da mandioca são superiores em áreas irrigadas quando comparadas com cultivos de sequeiro e a irrigação proporciona as produtividades de raízes e biomassa total de 97 e 155 t ha-1, sob os níveis de irrigação de 129 e 136% da ETC, respectivamente, na região estudada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDE OT et al. 2008. Effects of land quality, management and cropping systems on cassava production in southern western Nigeria. African Journal of Biotechnology 7: 2368- 2374.

ALLEN RG et al. 1998. Crop evapotranspiration: guidelines for computing crop requirements. Roma: FAO. 328p. (Irrigation and drainage paper 56).

ALVES AAC. 2002. Cassava botany and physiology. In: HILLOCKS RJ et al. (Eds.) Cassava: Biology, Production and Utilization. Wallingford: Cabi. p.67-89.

AMMA SS et al. 2019. Water Productivity of Micro-Irrigated Cassava (Manihot Esculenta Crantz). In: GOYAL MR et al. (Ed.) Management Strategies for Water Use Efficiency and Micro Irrigated Crops. Apple Academic Press. p.63-70.

BARROS AHC et al. 2012. Climatologia do estado de Alagoas. Recife: Embrapa Solos. 32p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 211).

CIAT. 1989. Centro Internacional de Agricultura Tropical. Cassava Program Annual Report for 1987-1989. Cali.

CONCEIÇÃO AJ. 1979. A mandioca. Cruz das Almas: UFBA/EMBRAPA/BNB/BRASCAN NORDESTE. 382p.

EL-SHARKAWY MA. 2007. Physiological characteristics of cassava tolerance to prolonged drought in the tropics: Implications for breeding cultivars adapted to seasonally dry and semiarid environments. Brazilian Journal of Plant Physiology 19: 257-286.

FAO. 2021. Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura. Disponível em: http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC. Acesso em: 20 jun. 2021.

OLIVEIRA PRB et al. 2020. Desempenho agronômico de cultivares de mandioca de mesa em ambiente do cerrado. Colloquium Agrariae 3: 37-47.

PEREIRA AR et al. 2002. Agrometeorologia (Fundamentos e aplicações práticas). Guaíba: Livraria e Editora Agropecuária. 478p.

PIPATSITEE A et al. 2018. Application of infrared thermography to assess cassava physiology under water deficit condition. Plant Production Science 21: 398-406.

RID. 2010. Royal Irrigation Department. Crop coefficient. Disponível em: http://water.rid.go.th/hwm/ cropwater/CWRdata/Kc/kc_th.pdf. Acesso em: 04 abr. 2021.

SILVA VPR et al. 2011. Análise da pluviometria e dias chuvosos na região Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 15: 131-138.

SILVA RB. 2021. Crescimento e produtividade da mandioca sob níveis de irrigação. Tese (Doutorado em Agronomia). Rio Largo: UFAL. 87p.

SOUZA JL et al. 2005. Global solar radiation measurements in Maceió, Brasil. Renewable Energy 30: 1203-1220.

SOUZA LS et al. 2009. Recomendação de calagem e adubação para o cultivo da mandioca. Cruz das Almas: EMBRAPA. 6p. (Boletim Técnico 133).

TIRONI LF et al. 2015. Desempenho de cultivares de mandioca em ambiente subtropical. Bragantia 74: 58-66.

TROCCOLI A et al. 2014. Weather Matters for Energy. New York: Springer.

VERÍSSIMO V et al. 2010. Pigmentos e eficiência fotossintética de quatro variedades de mandioca. Revista Raízes e Amidos Tropicais 6: 222-231.

WASONGA DO et al. 2020. Growth response of cassava to deficit irrigation and potassium fertigation during the early growth phase. Agronomy 10: 321.

ZHU Y et al. 2020. Physiological and biochemical responses of four cassava cultivars to drought stress. Scientific reports 10: 1-12.

Downloads

Publicado

2022-03-04

Como Citar

SILVA, R. B.; TEODORO, I. .; SOUZA, J. L. de .; FERREIRA JÚNIOR, R. A. .; SANTOS, M. A. dos .; MAGALHÃES, I. D. .; LYRA, G. B. .; MORAIS, M. A. F. de .; TEODORO, I. P. de O. .; SANTOS NETO, A. L. dos .; MARTINS, G. M. C. . Análises fisiológicas e de crescimento e produtividade da mandioca sob níveis de irrigação. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 1, p. 16-26, 2022. DOI: 10.5965/223811712112022016. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/20887. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)