Modelagem do crescimento e produtividade de cultivares de soja sob condições de sequeiro e irrigação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712142022370

Palavras-chave:

hábito de crescimento, modelos empíricos, Glycine max (L.) Merrill

Resumo

Objetivou-se com este trabalho avaliar o ajuste de modelos semiempíricos de crescimento e a produtividade de cultivares de soja submetida a condições de irrigação e sequeiro no Estado de Alagoas. Foram conduzidos dois experimentos, o primeiro durante a estação seca de 14/11/2018 a 03/04/19 (140 dias), e o segundo na estação chuvosa de 20/06/19 a 28/10/2019 (130 dias) na região dos Tabuleiros Costeiros de Alagoas. O delineamento experimental foi em blocos casualizados e os tratamentos foram seis cultivares com diferentes grupos de maturação e hábitos de crescimento (M 6210, M 6410, BMX-Potência, AS 3730, M 8349 e BRS-9383). Foram avaliadas a altura das plantas, matéria seca e índice de área foliar (LAI). Os modelos logísticos, sigmoidal e pic log normal PHresentaram ajustes estatísticos significativos (p<0,05) para as variáveis de crescimento e coeficientes de determinação ajustado (R2ajs) máximo de 0,994 e 0,990, respectivamente. Os valores observados e estimados pelos modelos PHresentaram alta associação pelos índices de Pearson (r), Willmott (d) e baixo Erro Padrão de Estimativa (EPE). A cultivar BRS-9383 teve as maiores taxas de crescimento observados e estimados. Em condições de irrigação, os valores de altura de plantas máxima foram 98,45 e 110,35 cm, matéria seca máxima de 65,88 e 78,70 g e o LAI máximo de 7,68 e 7,60. Em sequeiro, a altura de plantas máxima foi 62,91 e 72,85 cm, matéria seca máxima de 40,0 e 44,91 g e o LAI máximo de 6,34 e 6,26. As maiores produtividades agrícola sob irrigação, foram de 6,19 e 5,90 Mg ha-1 nas cultivares AS 3730 e M 8349. Em sequeiro sobressaíram-se as cultivares M 6410 e M 8349 com produtividade de grãos de 3,60 e 3,30 Mg ha-1. Dessa forma, os modelos de crescimento podem ser utilizados para auxiliar a análise de crescimento em função dos dias após a semeadura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE NETO RC et al. 2010. Crescimento e produtividade do sorgo forrageiro BR 601 sob adubação verde. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 14: 124-130.

ALLEN RG et al. 1998. Crop Evapotranspiration (guidelines for computing crop water requirements). Roma: FAO. Irrigation and Drainage Paper 56.

BALBINOT JUNIOR AA et al. 2018. Phenotypic plasticity in a soybean cultivar with indeterminate growth type. Pesquisa Agropecuária Brasileira 53: 1038-1044.

BENINCASA MMP. 2003. Análise de crescimento de plantas: noções básicas. 2.ed. Jaboticabal: FUNEP. 41p.

BENDER EP et al. 2020. Modelagem do crescimento e produtividade do algodão em cultivo comercial no cerrado baiano. Nativa 8: 403-412.

BOFF H et al. 2019. Ensaio de cultivares em rede. Passo Fundo: Revista ECR Soja. p.1-44.

BATTISTI R et al. 2018. Sensitivity and requirement of improvements of four soybean crop. International Journal of Biometeorology 62: 823-832.

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasilia: MPHA/ACS. 398p.

CARVALHO AL et al. 2013. Ocorrência de períodos secos na região de Rio Largo, Alagoas. Revista Brasileira de Meteorologia 28: 173-180.

CONAB. 2022. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos. 8º Levantamento - Safra 2021/22. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/boletim-da-safra-de-graos. Acesso em: 14 mai. 2022.

CRUZ JC et al. 2015. Quatrocentos e setenta e sete cultivares de milho estão disponíveis no mercado de sementes do Brasil para a safra 2015/16. Sete Alagoas: EmbrPHa Milho e Sorgo. 28p. (Documentos 184).

FARIAS JRB et al. 2009. Soja. In: MONTEIRO JIBA (org.). Agrometeorologia dos cultivos. Brasília: INMET. p. 263-277

FERREIRA JÚNIOR RA et al. 2014. Cana de açúcar com irrigação por gotejamento em dois espaçamentos entrelinhas de plantio. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 18: 798-804.

HEATHERLY LG & SMITH JR. 2004. Effect of soybean stem growth habit on height and node number after beginning bloom in the midsouthern USA. Crop Science 44: 1855-1859.

IPA. 2008. Instituto Agronômico de Pernambuco. Recomendação de adubação para o Estado de Pernambuco: 2ª aproximação. 3.ed. Recife: IPA. 212p.

LYRA GB et al. 2014. Crescimento e produtividade do milho, submetido a doses de nitrogênio nos Tabuleiros Costeiros de Alagoas. Revista Ceres 61: 578-586.

MONTOYA F et al. 2017. Effects of irrigation regime on the growth and yield of irrigated soybean in temperate humid climatic conditions. Agricultural Water Management 193: 30-45.

MORAIS RBG et al. 2017. Crescimento e produtividade de milho em diferentes épocas de plantio, nos Tabuleiros Costeiros de Alagoas. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 16: 109-119.

OLIVEIRA P et al. 2013. Crescimento e produtividade de milho em função da cultura antecessora. Pesquisa Agropecuária Tropical 43: 239-246.

PROCÓPIO SO et al. 2018. Estudos de população de plantas de soja na região do SEALBA. Aracaju: EmbrPHa Tabuleiros Costeiros. 24p. (Boletim de Pesquisa 134).

SANTIAGO AD et al. 2019. Desempenho de cultivares de soja em áreas com histórico de produção de cana-de-açúcar no Sealba. Aracajú: Embrapa Tabuleiros Costeiros. 30p. (Boletim de Pesquisa 142).

SENTELHAS PC et al. 2015. The soybean yield gPH in Brazil - magnitude, causes and possible solutions for a sustainable production Journal of Agricultural Science. p. 1-18.

SEDIYAMA T et al. 2015. Soja: do plantio à colheita. Viçosa: UFV. 333p.

TAGLIPHIETRA EL et al. 2018. Optimum leaf area index to reach soybean yield potential in subtropical environment. Agronomy Journal 110: 932-938.

THORNTHWAITE CW & MATHER JR. 1955.The water balance. Publications in Climatology, New Jersey: Drexel Inst. Of Technology. 104p.

TOLEDO NT et al. 2010. Ajuste do modelo fototérmico de estimativa do desenvolvimento e do índice de área foliar de soja. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 14: 288-295.

TORRES FE et al. 2014. Desempenho de genótipos de soja nas condições edafoclimáticas do ecótono Cerrado-Pantanal. Interações 15: 71-78.

TRENTIN R et al. 2013. Subperíodos fenológicos e ciclo da soja conforme grupos de maturidade e datas de semeadura. Pesquisa Agropecuária Brasileira 48: 703-713.

USDA. 2022. United States Department of Agriculture. A produção mundial de soja na safra 2019/2020. Disponível em: <http://www.usdabrazil.org.br/home/>. Acesso em: 02 Mai. 2022.

WERNER F et al. 2016. Soybean growth affected by seeding rate and mineral nitrogen. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 19: 734-738.

WILLMOTT CJ. 1982. Some comments on the evaluation of model performance. Bulletin of the American Meteorological Society 63:1309-1313.

ZANON AJ et al. 2016. Efeito do tipo de crescimento no desenvolvimento de cultivares modernas de soja pós o início do florescimento no Rio Grande do Sul. Bragantia 75: 446-458.

ZOTTIS R. 2015. Sistema de combinação de cultivares de soja, 2015. Disponível em: http://www.pioneersementes.com.br/mediacenter/artigos/183/sistema-de-combinacao-de-cultivares-de-soja. Acesso em: 20 Nov. 2020.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

BARBOSA, W. S. da S. .; LYRA, G. B. .; SOUZA, I. D. M. de; SOUZA, J. L. de .; TEODORO, I. P. de O. .; LOPES, J. H. .; SANTOS, J. W. S. dos . Modelagem do crescimento e produtividade de cultivares de soja sob condições de sequeiro e irrigação. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 4, p. 370-383, 2022. DOI: 10.5965/223811712142022370. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22116. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)