Potencial de produtividade da mandioca em função da época de plantio em ambiente subtropical

Autores

  • Josias Moreira Borges Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.
  • Alencar Junior Zanon Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.
  • Michel Rocha da Silva Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.
  • Darlan Scapini Balest Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.
  • Alexandre Ferigolo Alves Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.
  • Charles Patrick de Oliveira de Freitas Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.
  • Vanderlei Both Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.
  • Amanda Thirza Lima Santos Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711932020263

Palavras-chave:

Manihot esculenta Crantz, zoneamento agrícola, segurança alimentar

Resumo

Estudos de potencial e lacuna de produtividade são de extrema importância a nível mundial, para identificar e diminuir as lacunas de produtividade. O objetivo deste estudo foi estimar o potencial produtivo através do modelo Simanihot e quantificar a lacuna de produtividade na cultura da mandioca para dois locais do Rio Grande do Sul. Foram utilizados para as simulações os municípios de Santa Maria (cultivo anual) e São Luiz Gonzaga (cultivo anual e bianual). As datas de plantio foram definidas desde primeiro de agosto de 2017 até primeiro de maio de 2018. O melhor potencial de produtividade encontrado para a cultura da mandioca neste estudo foi 64,6 Mg ha–1, 50,2 Mg ha–1 de raízes e 47,3 Mg ha-1, 38,9 Mg ha-1 de parte aérea, respectivamente para São Luiz Gonzaga e para Santa Maria. Os plantios a partir do zoneamento de risco climático, apresentam uma lacuna de 0,364 Mg ha-1 em São Luiz Gonzaga e 0,282 Mg ha-1 em Santa Maria a cada dia de atraso. Estes resultados apontam que a antecipação do plantio para o primeiro decêndio de agosto expressa as maiores produtividades e diminuem as lacunas para ambos os locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDRATOS N & BRUINSMA J. 2012. World agriculture towards 2030/2050: the 2012 revision. Rome: FAO. 160p.

ALLEM AC. 1994. The origin of Manihot esculenta Crantz (Euphorbiaceae). Genetics Resources and Crop Evolution 41: 133-150.

ALVES AAC. 2006. Fisiologia da mandioca. In: EMBRAPA Mandioca e Fruticultura Tropical. Aspectos socioeconômicos e agronômicos da mandioca. Cruz das Almas: EMBRAPA. p.138-169.

COCK JH. 1990. La yuca: nuevo potencial para un cultivo tradicional. Cali: CIAT. 240p.

DE PONTI T et al. 2012. The crop yield gap between organic and conventional agriculture. Agricultural Systems 108: 1-9.

FAGUNDES LK et al. 2009. Desenvolvimento vegetativo em diferentes hastes da planta de mandioca em função da época de plantio. Ciência Rural 39: 657-663.

FAO. 2019. Food and Agriculture Organization of The United Nations – Publications. Disponível em: http://www.fao.org/home/en. Acesso em: 17 mar. 2019.

GABRIEL LF et al. 2014. Simulating cassava growth and yield under potential conditions in Southern Brazil. Agronomy Journal 106: 1119-1137.

GLOBAL YIELD GAP ATLAS. 2019. Global Yield Gap and Water Productivity Atlas. Disponível em: http://www.yieldgap.org. Acesso: 17 mar. 2019.

GODFRAY HCJ et al. 2010. Food security: the challenge of feeding 9 billion people. Science 327: 812-818.

HOWELER R et al. 2013. Save and grow: Cassava. A guide to sustainable production intensification. Rome: FAO. 129p.

IBGE. 2019. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola – LSPA. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/home/lspa/brasil. Acesso em: 15 mar. 2019.

KURNIAWAN W et al. 2019. Quality and fermentation characteristic of corn stover – rubber cassava (Manihot glaziovii M.A.) combination silage. IOP Conference Series Earth and Environmental Science 287: 012022.

LI M et al. 2019. Silage fermentation, chemical composition and ruminal degradation of king grass, cassava foliage and their mixture. Grassland Science 65: 210-215.

MALUF JRT et al. 2011. Zoneamento Agroclimático da Mandioca no Estado do Rio Grande do Sul – Uma alternativa para a produção de etanol. Porto Alegre: FEPAGRO. 60p. (Boletim Técnico 22).

MOREIRA GLP et al. 2017. Composição bromatológica de mandioca (Manihot esculenta) em função do intervalo entre podas. Revista de Ciências Agrárias 40: 144-153.

MORGANTE CV et al. 2020. Genetic and physiological analysis of early drought response in Manihot esculenta and its wild relative. Acta Physiologiae Plantarum 42: 22.

MOTA ADS et al. 2011. Perfil de fermentação e perdas na ensilagem de diferentes frações da parte aérea de quatro variedades de mandioca. Revista Brasileira de Zootecnia 40: 1466-1473.

NAPASIRTH V et al. 2015. Microbial population, chemical composition and silage fermentation of cassava residues. Animal Science Journal 86: 279-280.

OLIVEIRA NT et al. 2017. Effect of harvest time and nitrogen doses on cassava root yield and quality. Revista Brasileira de Ciências do Solo 41: e0150204.

SAIRAM RK et al. 2008. Physiology and biochemistry of waterlogging tolerance in plants. Biologia Plantarum 52: 401-412.

SCHONS A et al. 2007. Emissão de folhas e início de acumulação de amido em raízes de uma variedade de mandioca em função da época de plantio. Ciência Rural 37: 1586-1592.

STRECK EV et al. 2008. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre: Emater. 222p.

TAGLIAPIETRA BL et al. 2019. Mandioca para alimentação humana e animal. 1.ed. Santa Maria: EMATER. 104p.

TAIZ L & ZEIGER E. 2009. Fisiologia vegetal. 4.ed. Porto Alegre: Artmed. 848p.

TIRONI LF et al. 2015. Desempenho de cultivares de mandioca em ambiente subtropical. Bragantia 74: 58-66.

TIRONI LF et al. 2017. Simanihot: um modelo baseado em processos para simular o crescimento, desenvolvimento e produtividade da mandioca. Engenharia Agrícola 37: 471-483.

TIRONI LF et al. 2019. Ecofisiologia da Mandioca Visando Altas Produtividades. Santa Maria: Editora GR. 136p.

THORNTHWAITE CW & MATHER JR. 1955. The water balance. Centerton: Drexel Institute of Technology. 104p. (Publications in Climatology 1)

VAN BUSSEL LG et al. 2015. From field to atlas: upscaling of location-specific yield gap estimates. Field Crops Research 177: 98-108.

VISSES FA et al. 2018. Yield gap of cassava crop as a measure of food security-an example for the main Brazilian producing regions. Food Security 10: 1191-1202.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

BORGES, J. M.; ZANON, A. J.; SILVA, M. R. da; BALEST, D. S.; ALVES, A. F.; FREITAS, C. P. de O. de; BOTH, V.; SANTOS, A. T. L. Potencial de produtividade da mandioca em função da época de plantio em ambiente subtropical. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 19, n. 3, p. 263 - 269, 2020. DOI: 10.5965/223811711932020263. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/15675. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)