Efeito da reidratação na germinação de sementes de açaí (Euterpe oleraceae Mart.)

Patrícia Aparecida de Souza, André Ferreira dos Santos, Douglas Santos Gonçalves, Nelson Venturin

Resumo


O açaí (Euterpe oleraceae Mart.) é endêmico das matas ciliares da floresta pluvial da Amazônia e está frequentemente associado a ambientes degradados e de vegetação secundária. O objetivo, neste trabalho, foi avaliar o efeito da reidratação das sementes de açaí, visando acelerar e uniformizar a germinação. O lote de sementes foi coletado na região de Manaus, estado do Amazonas, Brasil. O esquema experimental utilizado foi o delineamento em blocos casualizados (DBC), com seis tratamentos (0, sem embebição (T1) e 3 (T2), 6 (T3), 9 (T4), 12 (T5) e 15 (T6) dias de reidratação por embebição em água), com sete repetições de 25 sementes. A semeadura foi realizada logo após o processo de reidratação. A avaliação da germinação ocorreu a cada 10 dias, com a contagem das sementes germinadas. As médias foram comparadas pelo teste de Scott-Knott, a 5% de probabilidade. Na avaliação do percentual de germinação, observou-se diferença significativa entre a testemunha (T1) e os demais períodos de reidratação (T4>T6>T5>T2>T3). Os resultados mostraram que o processo de reidratação foi favorável à produção de mudas, pois proporcionou maior porcentagem de germinação de sementes de açaí O pré-tratamento de reidratação acelerou a germinação das sementes e o melhor período de reidratação foi o de 9 dias, porque apresentou maior índice de velocidade de emergência de plântulas (IVE), além do menor tempo exigido para a condução do pré-tratamento.

Palavras-chave


palmeira, Arecaceae, produção de mudas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA AF & JARDIM MAG. 2012. Utilização das espécies arbóreas da floresta de várzea da Ilha de Sororoca,

Ananindeua, Pará, Brasil por moradores locais. Revista Brasileira de Ciências Ambientais 23: 48-54.

ARAÚJO EF et al. 1994. Avaliação da qualidade de sementes de açaí armazenadas em diferentes embalagens e

ambientes. Revista Brasileira de Sementes 16: 76-79.

ARRUDA NV et al. 2016. Superação de dormência de sementes de araçá-boi, utilizando giberelina. III Congresso de

Ensino, Pesquisa e Extensão da UEG. Anais...Pirenópolis: UEG. 4p.

BORGES EEL & RENA AB. 1993. Germinação de sementes. In: AGUIAR IB et al. Sementes florestais tropicais.

Brasília: ABRATES. p. 83-135.

BRAGA NS et al. 2012. Hidratação controlada de sementes de pinhão manso. Revista de Ciência Agronômica 43: 589-

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Brasília:

MAPA/ACS. 399p.

CARVALHO NM & NAKAGAWA J. 1988. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 3.ed. Campinas: Fundação Cargill.

p.

COSTA CRX. 2015. Temperatura, luz e tolerância à dessecação na germinação de sementes de açaí-do-amazonas.

Dissertação (Mestrado em Agronomia). Jaboticabal: USP. 38p.

FERREIRA SAN et al. 2010. Emergência de plântulas de tucumã (Astrocaryum aculeatum) em função do pré-tratamento

das sementes e da condição de semeadura. Revista Brasileira Fruticultura 32: 1189-1195.

FERREIRA SAN & GENTIL DFO. 2002. Beneficiamento, pré-tratamento e germinação de sementes de tucumã

(Astrocaryum aculeatum Meyer - Arecaceae). In: 17 Congresso Brasileiro de Fruticultura. Anais... Belém: EMBRAPA.

(CD-Rom).

FERREIRA SAN & GENTIL DFO. 2006. Extração, embebição e germinação de sementes de tucumã (Astrocaryum

aculeatum). Acta Amazonica 36: 141-146.

GUEDES C et al. 2014. Testes de quebra de dormência em sementes de açaí. Anais Programa Ciência na Escola.

Acre: Escola Estadual Danilo Correa. p. 14-16.

GUEDES RS et al. 2011. Tratamentos pré-germinativos e temperaturas para a germinação de sementes de Apeiba

tibourbou Aubl. Revista Brasileira de Sementes 33: 131-140.

LEITMAN P et al. 2014. Arecaceae. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Disponível em < http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora >. Acesso em: 28 mar. 2016.

LIMA CB de. et al. 2013. Tratamentos de pré-embebição e qualidade fisiológica de sementes de abóbora. In: 8

Congresso Brasileiro de Agroecologia. Resumos... Porto Alegre: Cadernos de Agroecologia. 5p.

LORENZI H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 4.ed. Nova

Odessa: Instituto Plantarum. 368p.

MAGUIRE JD. 1962. Speed of germination: aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop

Science 2: 176-177.

MARCOS FILHO J. 2005. Sementes recalcitrantes. In: MARCOS FILHO J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas.

Piracicaba: FEALQ. p. 353-381.

MARTINS CC et al. 1999. Teores crítico e letal de água para sementes de açaizeiro (Euterpe oleraceae Mart.). Revista

Brasileira de Sementes 21: 125-132.

NASCIMENTO WMO et al. 2007. Consequências fisiológicas da dessecação em sementes de açaí (Euterpe oleraceae

Mart.). Revista Brasileira de Sementes 29: 38-43.

NASCIMENTO WMO & SILVA WR. 2005. Comportamento fisiológico de semente de açaí (Euterpe oleraceae Mart.)

submetidas à desidratação. Revista Brasileira de Fruticultura 27: 349-351.

NATH S. et al. 1991. Hydratation-dehydration treatments to protect or repair stored ‘Karamu’ weat seeds. Crop Science

: 822-826.

OLIVEIRA KP et al. 2011. Desponte e embebição em sementes de noni (Morinda citrifolia L.). Revista Brasileira de

Plantas Medicinais 13: 513-517.

OLIVEIRA MSP. et al. 2002. Cultivo do Açaizeiro para Produção de Frutos. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. 18p.

(Circular Técnica, 26).

PEREIRA DS et al. 2014. Influência da maturação dos frutos na emergência e crescimento inicial de Copernicia hospita

Mart. – Arecaceae. Revista Ciência Agronômica 45: 214-220.

PONTES RX. 2013. Assahy-yukicé, iassaí, oyasaí, quasey, açãy, jussara, manaca, açaí, acay-berry: rizoma. Tese

(Doutorado em Ciências Sociais). Belém: UFPA. 163p.

RABBANI ARC et al. 2013. Pré – embebição em sementes de moringa. Scientia Plena 9: 1-8.

SAGRI. 2016. Secretária de Estado da Agricultura. Anuário Brasileiro da Fruticultura 2016. Santa Cruz do Sul: Editora

Gazeta Santa Cruz. 92p. Disponível em:

a2e2a/pdf/5149_2016fruticultura.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2016.

SACRAMENTO JMC. et al. 2015. Açaí no Norte e juçara no Sul: A necessidade do estudo de cadeias de produtos. In: 9

Congresso Brasileiro de Agroecologia. Resumos... Belém: Cadernos de Agroecologia. 5p.

SCOTT AJ & KNOTT M. 1974. A cluster analysis method for grouping means in the analysis of variance. Biometrics 30:

-512.

SILVA F de AS. 2016. ASSISTAT: Versão 7.7 beta. DEAG-CTRN-UFCG – Atualizado em 01 de março de 2016.

Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2016.

SILVA FDB. et al. 2009. Pré-embebição e profundidade de semeadura na emergência de Copernicia prunifera (Miller) H.

E Moore. Revista Ciência Agronômica 40: 272-278.

SOARES KP et al. 2014. Palmeiras (Arecaceae) no Rio Grande do Sul, Brasil. Rodriguésia 65: 113-139.

SOUZA VC & LORENZI H. 2012. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas

nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. 3.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 768p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711722018286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171