Atuar-atuado: cena, pajelança e uma possível rotação de perspectiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101432022e0116

Palavras-chave:

Pajé, Corpo, Artes da cena, Antropologia

Resumo

“Atuado” é o termo usado na Pajelança Cabocla de Pena e Maracá para se referir ao corpo em performance da pajé. Este artigo trouxe a proposição de uma aproximação dessa prática e algumas reflexões sobre os possíveis diálogos da noção de atuado com a contemporaneidade das artes cênicas e performativas. Para tanto, partiu-se da hipótese de que esse cruzamento oferece elementos com valor de fertilidade para uma cena que ensaia novos modos de pensar e ver os mundos. A proposição se origina do encontro da autora deste artigo com a memória da própria avó, pajé cabocla de pena e maracá, e imbricou trabalhos de campo no Marajó com questões das Artes da Cena e pensamentos que discutem e desdobram o conceito de perspectivismo ameríndio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katia Brito, Universidade de Sao Paulo (USP)

Atriz, performer e encenadora. Doutoranda em Arte Cênicas na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Mestre em Artes Cênicas pela UNIRIO. Graduada em teatro pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Foi aluna de Klaus Vianna. Em 2020, iniciou o processo de criação da palestra performance Corpo Atuado, em que é roteirista, diretora e atriz.

Referências

ARTAUD, Antonin. Os Tarahumaras. Belo Horizonte: Moinhos, 2020.

BATESON, Gregory. Mente e Natureza: Problemas de comunicação entre cetáceos e outros mamíferos. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 69, p.465-477, abr. 2018.

BRITO, Katia Regina Barbosa de. Corpo atuado: aparições xamânicas na Amazônia Marajoara. Rio de Janeiro, 2019. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/13246. Acesso em: 14 de jan. 2022.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Itatiaia, 1993.

FERRER, Maria Clara. Presenças impessoais: tons de humano na cena-paisagem. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 7, n. 3, p. 626-648, set./dez. 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/presenca/article/view/69866. Acesso em: 14 de jan. 2022.

JURANDIR, Dalcídio. Marajó. 3. ed. Belém: CEJUP, 1992.

KOPENAWA, Davi Yanomami; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LANGDON, Esther Jean Matteson. Xamanismo no Brasil: novas perspectivas. Florianópolis: UFSC, 1996.

LÉVI-STRAUSS, Claude. “O Feiticeiro e sua Magia”. In: Antropologia Estrutural. São Paulo: Ubu, 2017. p.167-185.

LÉVI-STRAUSS, Claude. [1973]. Raça e história. In: Antropologia estrutural dois. 4. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993, p.328-365.

LYOTARD, Jean-François. O dente, a palma. Sala Preta, São Paulo, v. 11, n. 1, p.139-146, dez. 2011. Disponível em:

https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/57471. Acesso em: 14 jan. 2022.

LIMA, Stolze Tania. Por uma cartografia do poder e da diferença na cosmopolítica ameríndia. Revista de Antropologia USP, v. 54, nº2 p.602-646, 2011.Disponível em:

http://www.iea.usp.br/eventos/cursos/lima-cartografia. Aceso em 10 de janeiro de 2022

LIMA, Zeneida. O mundo místico dos Caruanas da Ilha de Marajó. 6. ed. Belém: CEJUP, 2002.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. Padres, pajés, santos e festas: catolicismo popular e controle eclesiástico – um estudo antropológico numa área do interior da Amazônia. Belém: CEJUP, 1995.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. Uma outra “invenção” da Amazônia: religiões, histórias, identidades. Belém: CEJUP, 1999.

RAMOS, Luiz Fernando. Uma cena irreconhecível: o escândalo de uma obscuridade luminosa. Cartografias.mitsp, São Paulo, n. 1, p.36-43, 2014. Disponível em: http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/producao-academica/002467427_0.pdf. Acesso em: 14 jan. 2022.

ROXITA, Pajé. Entrevista concedida a Katia Brito. Ilha de Marajó, agosto de 2017.

ROXITA, Pajé. Sessão de pajelança acompanhada por Katia Brito. Ilha de Marajó, março de 2020.

SARRAZAC, Jean-Pierre (org.). Léxico do drama moderno e contemporâneo. São Paulo: Cosac Naif, 2012.

SCHAAN, Denise Pahl. Introdução. In: GALLO, Pe. Giovanni. Motivos ornamentais da cerâmica marajoara: modelos para artesanato hoje. 3. ed. Cachoeira do Arari, PA: Museu do Marajó, 2005. p.27.

SZTUTMAN, Renato. O profeta e o principal: a ação política ameríndia e seus personagens. São Paulo: USP, 2012.

SZTUTMAN, Renato. Perspectivismo contra o Estado: uma política do conceito em busca de um novo conceito de política. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 63, n.1, p. 185-213, jan./abr., 2020.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Ubu, 2002.

Downloads

Publicado

2022-04-06

Como Citar

BRITO, K. Atuar-atuado: cena, pajelança e uma possível rotação de perspectiva. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 43, p. 1-19, 2022. DOI: 10.5965/1414573101432022e0116. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21549. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático: As artes da cena dos e com os povos indígenas