Entre o acaso e a escolha: Reflexões acerca da prática do Viewpoints

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103422021e0103

Palavras-chave:

Anne Bogart, Formação do ator, Improvisação, Mary Overlie, Pedagogia do teatro

Resumo

O presente artigo, de caráter reflexivo e testemunhal, teve como objetivo o cruzamento de inquietações pessoais do autor — decorrentes de sua experiência enquanto condutor da prática do Viewpoints no contexto do Núcleo Experimental de Artes Cênicas do Sesi, em São Paulo — com questões estéticas manifestadas nas décadas de 1960 e 1970, principalmente em Nova Iorque, bem como com questões conceituais, filosóficas e de ordem prática presentes em O Livro dos Viewpoints: um guia prático para viewpoints e composição, de Anne Bogart e Tina Landau, e Standing in Space: The Six Viewpoints Theory & Practice, de Mary Overlie. Na tessitura das reflexões, atravessaram também pensamentos de autores como Miriam Rinaldi, John Cage e Sally Banes, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Meletti Yazbek, Univetrsidade de São Paulo (USP)

[1] Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da ECA-USP, sob a orientação do Prof. Dr. Luiz Fernando Ramos. Formado em Direção Teatral pela mesma universidade, é ator, diretor e professor do Núcleo Experimental de Artes Cênicas do Sesi-SP.

Referências

ALMEIDA, K. C. de; OLINTO, L. A experimentação como território: o legado indisciplinar de John Cage. Urdimento, Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 28, p. 15-34, 2017.

BANES, Sally. Democracy's body: Judson Dance Theater 1962–1964. Durham, London: Duke University Press, 1993.

BOGART, Anne; LANDAU, Tina. O livro dos viewpoints. Organização e tradução de Sandra Meyer. São Paulo: Perspectiva, 2017.

CAGE, John. Silêncio. Tradução de Beatriz Bastos e Ismar Tirelli Neto. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

GIL, José. Movimento total: o corpo e a dança. São Paulo: Iluminuras, 2004.

GROTOWSKI, Jerzy. Performer. Tradução de Patricia Furtado de Mendonça. eRevista Performatus, Inhumas, ano 3, n. 14, jul. 2015. Disponível em: https://performatus.com.br/traducoes/performer/. Acesso em: 20 jul. 2021.

MORRIS, Robert. O tempo presente do espaço [1978]. In: FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecília (Org.). Escritos de Artistas: anos 60/70. Tradução de Pedro Süssekind et al. Rio de Janeiro: Zahar, 2006, p. 401-420.

OSTROWER, Fayga. Universos da arte. Rio de Janeiro: Campus, 1983.

OVERLIE, Mary. Standing in Space: The Six Viewpoints Theory & Practice. Billings: Artcraft Printers, 2016.

RAINER, Yvonne. A Quasi Survey of some "Minimalist" Tendencies in the Quantitatively Minimal Dance Activity Midst the Plethora, or an Analysis of Trio A. In: BATTCOCK, Gregory (Org.). Minimal art: a critical anthology. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, 1995, p.263-273.

RINALDI, Miriam. Teoria e Prática do Viewpoints: Mary Overlie, Anne Bogart e Coletivo Improviso. 2016. Tese (Doutorado em Artes Cênicas). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

Publicado

2021-12-13

Como Citar

YAZBEK, G. M. . Entre o acaso e a escolha: Reflexões acerca da prática do Viewpoints. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 42, p. 1-30, 2021. DOI: 10.5965/1414573103422021e0103. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20870. Acesso em: 17 ago. 2022.