O processo criativo como espaço-fronteiriço matricial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200038

Palavras-chave:

Processo criativo, Espaço-fronteiriço matricial, Dança performativa, Frida Kahlo

Resumo

Este estudo objetiva pensar o processo de criação artística como espaço-fronteiriço matricial. Ancorado na abordagem metodológica da bricolagem, analisa-se a criação da obra de dança performativa Tú, él, nosostros tres, inspirada em obras dos artistas mexicanos Frida Kahlo, Arturo Estrada e Nahum B. Zenil. Com isso, o processo criativo é entendido como espaço/útero modelado por interconexões e permeabilidades, gerador da obra de arte e capaz de recriar o/a próprio/a artista.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Odailso Sinvaldo Berte, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Pós-Doutor em Arte pela Universidad Iberoamericana Ciudad de México. Doutor em Arte e Cultura Visual - UFG. Mestre em Dança - UFBA. Especialista em Dança - FAP/UNESPAR. Licenciado em Filosofia - UPF. Professor do Curso de Dança-Licenciatura da UFSM. Coordenador do Laboratório Investigativo de Criações Contemporâneas em Dança (LICCDA)

Referências

BERTÉ, Odailso. El abrazo de amor de Kahlo, Estrada, Zenil y yo: una genealogía matrizal desde el cuerpo performativo. México: Universidad Iberoamericana Ciudad de México/Editora UFSM, 2020.

BERTÉ, Odailso. O movimento criativo e pedagógico de Frida Kahlo. Santa Maria: Editora UFSM, 2018.

BERTÉ, Odailso. Dança contempop: corpos, afetos e imagens (mo)vendo-se. Santa Maria: Editora UFSM, 2015.

CORDERO, Karen. My Dress Hangs Here (1933-1938). In: HURTADO, Flor et al. Frida Kahlo 1907/2007. México: Instituto Nacional de Bellas Artes, 2008, p. 144-149.

DAMÁSIO, Antonio. O mistério da consciência: do corpo e das emoções ao conhecimento em si. São Paulo, Brasil: Companhia das Letras, 2009.

DEBROISE, Olivier. Haciéndola cardíaca: para una cultura de los desencuentros y el malentendido. In: SUSSMAN, Elisabeth. El Corazón Sangrante. Boston, First University of Washington Press/The Institute of Contemporary Art, 1991, p. 12-60.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ECKMANN, Teresa. ¿Centro o periferia? Frida Kahlo, Neomexicanismo y género. In: LEON, Luis Miguel; ORTEGA, Josefa. ¿Neomexicanismos? Ficciones identitarias en el género de los ochenta. México: Museo de Arte Moderno, 2011, p. 127-144.

ETTINGER, Bracha Lichtenberg. The Matrixial Borderspace. Minneapolis, Estados Unidos: University of Minnesota Press, 2006.

ETTINGER, Bracha Lichtenberg. Copoiesis. Ephemera | The Jump, or, What is Art? theory & politics in organization, volume 5(X), 2005, p. 703-713. Disponível em: http://www.ephemerajournal.org/sites/default/files/5-Xettinger.pdf. Acesso em: 05 abr. 2020.

ETTINGER, Bracha Lichtenberg. Fragilization and Resistence. Studies in the Maternal, 1 (2). Inglaterra: Open Library of Humanities, 2009, p. 1-31. Disponível em: www.mamsie.bbk.ac.uk. Acesso em: 05 abr. 2020.

GREINER, Christine; KATZ, Helena. Corpo e processos de comunicação. In: Revista Fronteiras: estudos midiáticos. São Leopoldo: UNISINOS, v. 3, n. 2, 65-dez, 2001.

KAHLO, Frida. El diário de Frida Kahlo: una nueva mirada. MADRAZO, Claudia. (Ed.). México: La Vaca Independiente, 2017.

KAISER, Rubli (coord.). La Casa Azul de Frida. Cidade do México: Chapa Ediciones, 2007.

KINCHELOE, J. L.; BERRY, K. Pesquisa em educação: conceituando a bricolagem. Porto Alegre: Artmed, 2007.

MARTINS, Raimundo; SÉRVIO, Pablo. Polêmicas e indagações acerca de classificações da cultura: alta, baixa, folk, massa. In: Visualidades: revista do Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual da UFG. v. 10, n. 01, p. 129-149. Jan-Jun. Goiânia, 2012.

MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene; SOUZA, Elizeu Clementino de (orgs.). Pesquisa narrativa: interfaces entre histórias de vida, arte e educação. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2017.

POLLOCK, Griselda. Inscripciones en lo feminino. In: GUASCH, Anna María. (Ed.). Los manifiestos del arte posmoderno: textos de exposiciones 1980-1995. Madrid: Ediciones Akal, 2000, p. 322-346.

RENGEL, Lenira. Os temas de movimento de Rudolf Laban: modos de aplicação e referências. São Paulo: Annablume, 2008.

RIVERA, Diego. Frida Kahlo y el arte mexicano. In: LOZANO, Luis-Martín. (Coord.), Frida Kahlo. México: Landucci, 2007, p. 233-235.

SALLES, Cecilia Almeida. Processo de criação em grupo: diálogos. São Paulo: Estação das Cores e Letras, 2017.

SALLES, Cecilia Almeida. Redes da criação: construção da obra de arte. São Paulo: Horizonte, 2006.

SANTOS, Boaventura de Souza. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2009.

TIBOL, Raquel. Arturo Estrada y sus caminos en el Arte Mexicano (versão reproduzida pela família de Arturo Estrada). México: Instituto Nacional de la Juventud Mexicana / Ciclo Presidente López Mateos, 1961.

TOURINHO, Irene; MARTINS, Raimundo. Circunstâncias e ingerências da cultura visual. In: MARTINS, R.; TOURINHO, I. (Orgs.). Educação da cultura visual: conceitos e contextos. Santa Maria, RS: Editora da UFSM, 2011, p. 51-68

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

BERTE, Odailso Sinvaldo. O processo criativo como espaço-fronteiriço matricial. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1–32, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200038. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/17714. Acesso em: 22 jun. 2024.