Teatro na escola com ou sem partido sempre será político

Autores

  • Fernando Bueno Catelan Rede Municipal de educação de São Bernardo do Campo
  • Carminda Mendes André Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP.

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101342019236

Resumo

No Brasil, nos últimos anos, projetos de lei baseados no movimento “escola sem partido” tem sido criados e discutidos em casas legislativas objetivando promover uma educação “neutra” nas escolas e proibir quaisquer conteúdos que abordem posições político-partidárias. No entanto, essas propostas se mostram tendenciosas em suas tentativas de proibir conversas sobre política. Algo que pode ser considerado impossível, uma vez que a política está presente em todas as nossas relações coletivas, inclusive nas escolas. Nesse artigo, observamos aspectos políticos intrínsecos ao fazer escolar e teatral. Tomando como base os estudos de Rancière sobre “a política”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Bueno Catelan, Rede Municipal de educação de São Bernardo do Campo

Ator, Educador, Pesquisador, Diretor Teatral e Iluminador. Mestre em Artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – UNESP/SP. Bacharel em Direção Teatral (2007) e Licenciado em Artes Cênicas (2006) pela Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP/MG. Iniciou sua trajetória na linguagem teatral em 1988 com teatro de bonecos, participou de diversos grupos teatrais, entre eles: Transitório 35, Atuaraté e MO.T.A. Atua como professor de teatro em cursos livres desde 1995. Desde de 2008 atua como professor de arte no Ensino Médio do Colégio Ábaco, e na Educação de Jovens e Adultos – EJA, na rede municipal de ensino em São Bernardo do Campo/SP. Atualmente é representante do Estado de São Paulo da Federação dos Arte-Educadores do Brasil – Faeb.

Carminda Mendes André, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP.

Pesquisadora de arte contemporânea em espaços públicos e possíveis interfaces com o ensino das artes em espaços formais e não formais. Bacharel em Teatro pela Universidade de São Paulo (1989), Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1997), Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (2007); Pós-Doutora pelo Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas (2010). Pesquisadora e Docente do Programa de Pós Graduação em Arte do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista - UNESP. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Performatividades e Pedagogias Cnpq. Coordenadora da Instituição Promotora do DINTER entre UNESP e UFT.

Downloads

Publicado

2019-04-04

Como Citar

CATELAN, Fernando Bueno; ANDRÉ, Carminda Mendes. Teatro na escola com ou sem partido sempre será político. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 34, p. 236–245, 2019. DOI: 10.5965/1414573101342019236. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101342019236. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Pedagogia das Artes Cênicas: desafios e resistência