Processos formativos do professor de arte no curso de licenciatura em educação do campo - linguagens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234614322022204

Palavras-chave:

Ensino de Arte, Educação no Campo, Linguagens, Polivalência na educação, Práxis na educação

Resumo

O artigo apresenta uma análise sobre a formação de professores de Arte no curso de Licenciatura em Educação do Campo- Linguagens (Ledoc- LNG) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Parte da pergunta acerca das particularidades que constituem a Ledoc-LGN enquanto proposta interdisciplinar de formação de professores. Tem por objetivo compreender de que maneira tal formação se realiza na prática e como contribui da inserção dos estudantes na docência em Arte. Os dados foram produzidos a partir de pesquisa documental e entrevistas. Fundamenta a análise na categoria marxiano-lukacsiana de particularidade. Investiga as mudanças nas práticas de formação de professores de Arte mediadas por demandas sociais emergentes e dispositivos legais e suas implicações para o currículo de formação inicial de professores. Desta forma a análise desenvolveu-se a partir das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Licenciatura em Educação do Campo e as orientações legais para a oferta de curso interdisciplinar. O estudo identifica importantes mudanças nos currículos e nas práticas de formação de professores de Arte quando voltadas às políticas afirmativas. A análise permite perceber avanços no atendimento às necessidades da educação campesina, ao mesmo tempo aponta para os limites dessa proposta de formação inicial. 

Biografia do Autor

Fernanda Barreto Camargo, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) . Especialista em Gestão Escolar, Liderança do 3º Setor e Mediação em EaD pela UFES. Graduada em Educação Artística, Artes Plásticas (UFES), Teologia e Pedagogia. Professora do Departamento de Linguagens , Cultura e Educação - Centro de Educação (UFES) . Vice coordenadora o Grupo de Pesquisa Imagem , Tecnologia e Infâncias (GPITI) , pesquisadora do Observatório da Formação de professores de Artes na América Latina e membro do NUPEEES - UFSB . Desenvolve projetos nas áreas de Formação de Professores, Culturas e interdisciplinaridade.

Gerda Schutz-Foerste , Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Artística pela Federação dos Estabelecimentos de Ensino Superior Em Novo Hamburgo (1986), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Goiás (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2002). Realizou estágio pós-doutoral na Universidade de Siegen/ Alemanha (2011)..É professora aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo, com atuação no Programa de Pós-Graduação em Educação (mestrado e doutorado).Tem experiência no Ensino das Artes. Pesquisa o campo da educação, formação de professores, arte-educação, leitura de imagens e culturas.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Inquietações e mudanças no ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2001.

BARBOSA, Ana Mae. Redesenhando o desenho: educadores, política e história. São Paulo, Cortez, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Lei de Diretrizes e Bases. Brasília, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.

Brasília, 2006. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 01/Art.3/2002.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia dos Movimentos Sem-terra: escola é mais do que escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2002.

FICHTNER, Bernd; FOERSTE, Erineu; LIMA, Marcelo; SCHUTZ-FOERSTE, Gerda M. Cultura, dialética e hegemonia: pesquisas em educação. Vitória: EDUFES,2012.

FOERSTE, Erineu. Pedagogia da Terra: um estudo sobrea formação superior de professores do MST. ANPED, GT, Formação de professores 08, 2004. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/27/gt08/t084.pdf.

GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 7ª. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LOWENFELD, Victor. e BRITTAIN, Wallon. Desenvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Mestre Jou, 1977.

LUKÁCS, Georg. As Bases Ontológicas do Pensamento e da Atividade do Homem. In: Temas de Ciências Humanas. São Paulo, n. 4, p. 1-18, 1978b.

LUKÁCS, Georg. Introdução a uma Estética Marxista: sobre a categoria da particularidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978a.

PIMENTEL, Lucia Gouvêa. (org.) Som Gesto Forma e Cor: Dimensões da Arte e seu Ensino. Belo Horizonte: C/Arte, 1995.

SILVA, H.S.A.; ANJOS, M.P.; MOLINA, Mônica Castana; HAGE, S.A.M. Formação de professores do campo frente às “novas/velhas” políticas implementadas no Brasil: r-existência em debate. Dossiê: “Consequências do bolsonarismo sobre os direitos humanos, a educação superior e a produção científica no Brasil. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4562/1067. Acessado em 20 de setembro de 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

CAMARGO, F. B.; SCHUTZ-FOERSTE , G. . Processos formativos do professor de arte no curso de licenciatura em educação do campo - linguagens. Palíndromo, Florianópolis, v. 14, n. 32, p. 204-219, 2022. DOI: 10.5965/2175234614322022204. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/21098. Acesso em: 25 jan. 2022.