Desaproprio a hora ao redor deste artigo: notações pessoais sobre proposições de Guilherme Vaz

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234613312021107

Palavras-chave:

Guilherme Vaz, Proposição Artística, Arte Conceitual, Arte Sonora, América Latina

Resumo

Este artigo aborda três proposições artísticas realizadas por Guilherme Vaz entre 1969 e 1970 para o Salão da Bússola no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, a mostra sequencial Agnes Dei na Petite Galerie do Rio de Janeiro e a exposição coletiva Information no Museu de Arte Moderna de Nova York. Realizadas no período correspondente à sua primeira vivência na cidade do Rio de Janeiro, marcada por encontros e contágios com Artur Barrio, Thereza Simões, Nelson Pereira dos Santos e Frederico Morais, essas proposições se dão pelo meio de palavras em três estados distintos: comunicadas pelo corpo do próprio artísta, escritas em pequenos bilhetes afixados na galeria ou reproduzidas por um alto-falante. Minha metodologia consiste na introdução deste período a partir de um breve arco artístico-biográfico, seguida pela descrição de suas obras a partir de seu contexto de realização e do diálogo crítico com textos e obras artísticas, e concluída por reflexões ensaísticas a respeito das especificidades e efeitos dos diferentes estados voco-verbais das palavras nestas três proposições.

Biografia do Autor

Daniel Velasco Leão, Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc)

Graduado em Comunicação Social – Cinema pela Universidade Federal Fluminense, Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense e Doutor em Artes Visuais pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5055674768456666

Referências

ANDERMANN, J. Tierras en trance: arte y naturaleza después del paisaje. Santiago de Chile: Ediciones metales pesados, 2018.

ANDRADE, M. O MoMA em transe: subversões da matéria a partir da documentação de Information. Trabalho apresentado no XXXVII Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte, 2019 [Pelotas, RS].

BERGSON, H. Matière et mémoire. Essai sur la relation du corps á l’esprit. Paris: Quadrige/ PUF, 2007.

BERGSON, H. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BORGES, J. L. Obras Completas (1923-1972). Buenos Aires: Emecé Editores, 1984.

BORGES, J. L. Obras completas (volume 2). São Paulo: Globo, 2000.

BOSSEUR, J-Y. Musique et Arts Plastiques. Paris: Minerve, 1998.

CAMNITZER, L. Contemporary colonial art. IN CAMNITZER, Luís & WEISS, Rachel (org.) On Art, Artists, Latin America, And Other Utopias. Austin: University of Texas Press, 2009.

CARON, J.-P. VII ou IX proclamações de/para Guilherme Vaz. In: MANATA, Franz. Guilherme Vaz: uma fração do infinito. Rio de janeiro: EXST, 2016.

CHANGAS, T. Salão da Bússola: criação, conceitualismo e crítica social. Faro Fractal, Valparaíso (Chile), n. 2, set. 2017.

FERVENZA, H. Considerações sobre a arte que não se parece com a arte. Letras, Santa Maria, n. 28/29, pp. 131-139, 2004.

ITURBIDE, M. La instalación sonora. Disponível em: https://www.artesonoro.net/artesonoroglobal/LaInstalaciónSonora.pdf Acesso em: 19 de maio de 2021.

KAPROW, A. The Legacy of Jackson Pollock. In: KAPROW, A. Essays on the blurring of art and life. Los Angeles: University of Califonia Press, 1993.

KAPROW, A. The Real Experiment. In: KAPROW, A. Essays on the blurring of art and life. Los Angeles: University of California Press, 1993.

KAPROW, A. O legado de Jackson Pollock. Tradução de Cecília Cotrim. In: FERREIRA, G. COTRIM, C. Escritos de Artistas: 1960/1970. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

KRAUSS, R. A escultura no campo ampliado. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 17, p. 128-137, 2008.

LAGROU, E.; Velthem, L. As artes indígenas: olhares cruzados. BIB, São Paulo, n. 87,pp. 133-156, dez. 2018.

LIPPARD, L. e CHANDLER, J. The Dematerialization of Art. In: LIPPARD, L. Chaning: essays in art criticism. New York: E. P. Dutton & CO., 1971.

LIPPARD, L. Entrevista com Hans Ulrich Obrist. In: OBRIST, H. U. Uma Breve História da curadoria. São Paulo: Bei, 2010.

MANATA, F. Guilherme Vaz: uma fração do infinito. Rio de janeiro: EXST, 2016.

MARÍAS, J. Coração tão branco. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

MCSHINE, K. (org). Information. New York: MoMA, 1970.

MORAIS, F. A arte não pertence a ninguém. [Entrevista cedida a] Marília Andrés Ribeiro. Revista UFMG, Belo Horizonte, n. 1, p.336-351, jan./jun. 2013.

PEREC, G. Penser/classer. Paris: Hachette, 1992.

TRAGTENBERG, L. Prefácio. In: SCAROSATII, M. Walter Smetak: o alquimista dos sons. São Paulo: Perspectiva, 2008.

VAZ, G. A Era do Incomum na Arte. [Entrevista cedida a] Jean-Pierre Cardoso Caron. Revista Claves, n. 9, p. 61-80, nov. 2013.

VAZ, G. Pequena notícia meteorológica. In: MANATA, Franz. Guilherme Vaz: uma fração do infinito. Rio de janeiro: EXST, 2016.

VAZ, G. Arte Sonora. [Entrevista cedida à] Franz Manata e Saulo Laudares. Arte Sonora podcast #01. Rio de Janeiro, 2013.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

LEÃO, D. V. Desaproprio a hora ao redor deste artigo: notações pessoais sobre proposições de Guilherme Vaz. Palíndromo, Florianópolis, v. 13, n. 31, p. 107-119, 2021. DOI: 10.5965/2175234613312021107. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/20314. Acesso em: 28 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos Seção temática