A Grafia do Bordado e a Escrita Taxonômica: Le Trousseau de Mariage como arquipresença

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234612272020214

Palavras-chave:

educação sexual feminina, trousseau de mariage, scientia sexualis, escrita de si, tékhne (τέχνη) do bordado

Resumo

O texto investiga o enxoval de casamento (trousseau de mariage) como um dispositivo legitimador de normativas relacionadas à educação sexual feminina. Dois vetores são interrogados, a scientia sexualis e o bordado. A tékhne (τέχνη) do bordado permite discutir a constituição de subjetividades femininas através de padrões normativos historicamente determinados.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kellyn Batistela, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Atualmente é pesquisadora, bolsista FAPESC e doutoranda pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Artes (PPGAV/CEART); mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Integrante do projeto de pesquisa “Políticas e poéticas da arte africana contemporânea no contexto da globalização”, (UDESC). Desenvolve prática artística relacionada à arte feminina, arte de arquivo, escrita de si, estudos feministas.

Celia Maria Antonacci, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Atualmente é professora Titular da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). É Pós-Doc pelo Centre d’Études des Mondes Africains, CEMAF (França), chercheurs et enseignants-chercheurs associada ao CEMAF (França). Coordena o grupo de pesquisa “Políticas e poéticas da arte africana contemporânea no contexto da globalização” no qual desenvolve vídeos documentais sobre artistas africanos contemporâneos.

Referências

AU PALAIS ROYAL, São Paulo: s/e, s/d, p. 42.

BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita. São Paulo: Escuta, 2010, p. 66.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. Obras Escolhidas II. 5 ed. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 227.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das imagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015, p. 114-124.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013, p. 299.

ECO, Umberto. A vertigem das listas. Rio de Janeiro: Record, 2010, p. 67.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Ditos e Escritos, volume V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2017a, p. 289.

HIRSCHFELD, Magnus. A Enciclopédia Ilustrada da Vida Sexual s/d, p. 5.

JORNAL ILLUSTRADO PARA A FAMÍLIA, A ESTAÇÃO. XIII Anno, N. 21. Novembro de 1884, s/p.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001, pp. 252, 263 e 254.

LIVRO DE BORDADOS SINGER. Quarta edição. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Belas Artes; Biblioteca Nacional, 1947, pp. 3-9.

MACIEL, Maria Esther. As ironias da ordem: coleções, inventários e enciclopédias ficcionais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009, pp. 21-30.

NANCY, Jean-Luc. Arquivida: do senciente e do sentido. São Paulo: Iluminuras, 2014, pp. 76-7.

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

BATISTELA, K.; ANTONACCI, C. M. A Grafia do Bordado e a Escrita Taxonômica: Le Trousseau de Mariage como arquipresença. Palíndromo, Florianópolis, v. 12, n. 27, p. 214-232, 2020. DOI: 10.5965/2175234612272020214. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/17072. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta