O Teatro de Leszek Madzik

Autores

  • Ana Maria Amaral Universidade de São Paulo (USP)
  • Leszek Madzik Universidade Católica de Lublin – KUL – Polônia

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034701052008207

Resumo

O teatro Scena Plastyczna – K.U.L. (Katoliekiego Universytetu Lubelskiego) foi criado por Leszek Madzik no início dos anos 70,
um período de grande entusiasmo artístico na Polônia, quando começaram a surgir grandes produções e diretores, Kantor e Grotowski,
entre outros. A Universidade Católica de Lublin, fundada em 1918, sempre teve atuação importante na vida cultural e artística do país, e com Leszek Madzik assume hoje papel de mecenato no que se refere ao teatro visual. Por intermédio dela, Leszek Madzik pode tranqüilamente
criar e experimentar, sem as preocupações próprias de um teatro profissional. Ele não trabalha só com atores, mas com estudantes de várias áreas. Suas oficinas têm a duração de um ano, terminando sempre com espetáculos, experimentais. Entre as primeiras apresentações
assinalamos: Ecce Homo, seu primeiro sucesso (1970) e a seguir Notividade (1971); A Cena, (1972); Ícarus (1974); Herbarium (1976); Caminhando (1980); Litoral (1983); A Porta (1989/90); Kir (1997). O teatro visual de Lublin, que a princípio restringia as suas apresentações aos palcos da universidade, foi alcançando outras platéias e hoje tem um renome e uma atuação internacional.

Biografia do Autor

Ana Maria Amaral, Universidade de São Paulo (USP)

Diretora do dO Casulo BonecObjeto/ Centro de Pesquisa e Produção Teatral, dramaturga e doutora em Teatro. Professora Titular da Universidade de São Paulo (USP).

Leszek Madzik, Universidade Católica de Lublin – KUL – Polônia

Artista plástico e diretor teatral. Em 1969
fundou o grupo Scena Plastyczna, seus trabalhos mesclam, de
modo singular, artes visuais e teatro. Atualmente é diretor teatral na . 

Downloads

Publicado

2018-04-10

Como Citar

Amaral, A. M., & Madzik, L. (2018). O Teatro de Leszek Madzik. Móin-Móin - Revista De Estudos Sobre Teatro De Formas Animadas, 1(05), 207-216. https://doi.org/10.5965/2595034701052008207