“Na luta é que a gente se encontra”: reflexões sobre a greve da educação pública federal de 2012

Autores

  • Eblin Farage UFF
  • Kátia Lima UFF

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823522022011

Palavras-chave:

intensificação e precarização do trabalho docente, greve da educação pública federal, contrarreforma da educação superior

Resumo

O artigo tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre uma das greves mais potentes da educação pública federal realizada no ano de 2012. Fundamentado nos estudos de pesquisadores vinculados à tradição marxista, o texto analisa como a burguesia brasileira respondeu à crise estrutural do capitalismo e aos seus rebatimentos no Brasil, um país marcado por sua inserção capitalista dependente na economia mundial, pela realização da contrarreforma do Estado e da educação superior que consubstanciaram novas faces do histórico dilema educacional brasileiro. A partir do exame de documentos elaborados pelo movimento grevista, considera a greve como uma resposta política ao processo de refuncionalização das universidades federais realizado pela desestruturação da carreira do magistério federal e pela intensificação e precarização das condições de trabalho docente nas instituições federais de ensino, conduzidas, no referido período, pelos governos petistas. Por fim, indica o saldo organizativo decorrente do movimento grevista, evidenciando a importância da organização classista e combativa do movimento docente com o protagonismo do ANDES/Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDES-SN. Comunicados do Comando Nacional de Greve de 2012. Brasília: ANDES-SN, 2012. Disponíveis na Secretaria Nacional e CEDOC, pelo e-mail secretaria@andes.org.br.

AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA. Compilado: gráficos de pizza do orçamento geral da união (executado) – 2011-2019. [Brasília]: Auditoria cidadã, 2019. Disponível em: <https://auditoriacidada.org.br/conteudo/graficos-de-pizza-do-orcamento-geral-da-uniao-executado-2011-2018/>. Acesso em: 8 jan. 2022.

BOSI, Antônio de P. A precarização do trabalho docente nas instituições de ensino superior do brasil nesses últimos 25 anos. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1503-1523, set./dez. 2007.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. [Brasília]: Câmara da Reforma do Estado. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1995. Disponível em: <http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/publicacoes-oficiais/catalogo/fhc/plano-diretor-da-reforma-do-aparelho-do-estado-1995.pdf>. Acesso em: 8 jan. 2022.

BRASIL. MEC/INEP. Censo da Educação Superior. [Brasília]: MEC/INEP, 2002. Disponível em: <https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/censo_da_educacao_superior_sinopse_estatistica_2002.pdf >. Acesso em: 8 jan. 2022.

BRASIL. MEC/INEP. Censo da Educação Superior 2010. [Brasília]: MEC/INEP, 2011. Disponível em: <https://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2010/divulgacao_censo_2010.pdf>. Acesso em: 8 jan. 2022.

BRASIL. MEC/INEP. Censo da Educação Superior. [Brasília]: MEC/INEP, 2012. Disponível em: https://www.andifes.org.br/wp-content/files_flutter/1379600228mercadante.pdf. Acesso em: 8 jan. 2022.

DAL ROSSO, Sadi. Mais trabalho! a intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FERNANDES, Florestan. Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: AlfaÔmega, 1975a.FERNANDES, Florestan. Apontamentos sobre a “teoria do autoritarismo”. São Paulo: HUCITEC, 1979.

FERNANDES, Florestan. O que é revolução. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

FERNANDES, Florestan. O desafio educacional. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1989.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 36. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

LÉDA, Denise B; MANCEBO, Deise. REUNI: heteronomia e precarização da universidade e do trabalho docente. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 49-64. 2009.

LEHER, Roberto. Educação no governo Lula da Silva: a ruptura que não aconteceu. In: CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA; SINDICATO DOS ECONOMISTAS. Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p. 369-412.

LIMA, Kátia. Reforma universitária do governo Lula: o relançamento do conceito de público não-estatal. In: NEVES, Lucia Maria W. Reforma universitária do governo Lula: reflexões para o debate. São Paulo: Xamã, 2004. p. 23-46.

LIMA, Kátia. Financiamento da educação superior brasileira nos anos de neoliberalismo. In: SILVA JR., João dos Reis; OLIVEIRA, João F.; MANCEBO, Deise (org.). Reforma universitária: dimensões e perspectivas. Campinas: Editora Alínea, 2006. p. 27-42.

LIMA, Kátia. Contra-reforma na educação superior: de FHC a Lula. São Paulo: Xamã, 2007.

LIMA, Kátia. REUNI e Banco de professor equivalente: novas ofensivas da contra-reforma da educação superior brasileira no governo Lula da Silva. Revista Universidade e Sociedade, Brasília: ANDES/SN, n. 41, p. 69-78, 2008.

LIMA, Kátia. Contra-reforma da educação nas universidades federais: o REUNI na UFF. Universidade e Sociedade, Brasília, v. 44, p. 147-157, 2009.

LIMA, Kátia. REUNI: entre as promessas e a realidade. Universidade e Sociedade, Brasília, v. 48, p. 98-101. 2011.

LIMA, Kátia. A educação superior no Plano Nacional de Educação 2011-2020. Revista Perspectiva. Revista do Centro de Ciências da Educação, Florianópolis: UFSC, v. 30, n. 2, p. 625-656, maio/ago. 2012.

LIMA, Kátia. Plano Nacional de Educação 2014-2024: nova fase do privatismo e da certificação em larga escala. Universidade e Sociedade, Brasília, v. 55, p. 32-43, 2015.

LIMA, Kátia. Brasil em tempos de contrarrevolução. Universidade e Sociedade, Brasília, v. 59, p. 92-103. 2017.

LIMA, Kátia. Desafio educacional brasileiro e ofensiva ultraconservadora do capital. Universidade e Sociedade, Brasília, p. 8-39, 2019. Edição Especial América Latina.

LIMA, Kátia; SOARES, Marcela. Capitalismo dependente, contrarrevolução prolongada e fascismo à brasileira. In: LIMA, Kátia (org.). Capitalismo dependente, racismo estrutural e educação brasileira: diálogos com Florestan Fernandes. Uberlândia: Navegando Publicações, 2020. p. 41-58.

MINTO, Lalo. As reformas do ensino superior no Brasil: o público e o privado em questão. Campinas: Autores Associados, 2006.

MINTO, Lalo. A educação da miséria: particularidade capitalista e educação superior no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, 2014.

NETTO, José Paulo. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVEIRA, Francisco de. Neoliberalismo a brasileira. In: GENTILI, Pablo; SADER, Emir (orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o estado democrático. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008. p. 9-38.

REIS, Luiz Fernando; MACÁRIO, Epitácio. Dívida pública e financiamento das universidades federais e da ciência e tecnologia no Brasil (2003-2020). Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 16, n. 41, p. 20-46, 2020. Edição Especial. Disponível em: <https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7243/5076>. Acesso: 10 fev. 2022.

SAMPAIO JR., Plínio de Arruda. Crônica de uma crise anunciada: crítica à economia política de Lula e Dilma. São Paulo: SG-Amarante Editorial, 2017.

SILVA JR, João dos Reis e SGUISSARD, Valdemar. Novas faces da educação superior no Brasil: reformas do Estado e mudanças na produção. Bragança Paulista: EDUSF, 1999.

SILVA JR., João dos Reis. Reforma do Estado e da educação no Brasil de FHC. São Paulo: Xamã, 2002.

TONEGUTTI, Claudio A.; MARTINEZ, Milena. A universidade nova, o reuni e a queda da universidade pública. Rio de Janeiro: UFRRJ, 2008. Disponível em: <http://www.ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/conteudo-2008-1/Educacao-MII/Texto%209.pdf>. Acesso em: 07 jan. 2022.

UGÁ, Vivian D. A categoria “pobreza” nas formulações de política social do Banco Mundial. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, p. 55-62, 23. nov. 2004.

UGÁ, Vivian D. A categoria “pobreza” nas formulações de política social do Banco Mundial. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, p. 55-62, 23. nov. 2004.

Downloads

Publicado

2022-08-19

Como Citar

FARAGE, E. .; LIMA, K. . “Na luta é que a gente se encontra”: reflexões sobre a greve da educação pública federal de 2012. Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 52, p. 11 - 45, 2022. DOI: 10.5965/1984723823522022011. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/22490. Acesso em: 28 set. 2022.