Narrativas escritas: leituras de si (e do outro) como experiência autoformativa nas pesquisas em educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723824562023307

Palavras-chave:

narrativas escritas, metodologia, pesquisa em educação, formação de professores

Resumo

A proposta deste artigo é analisar narrativas escritas utilizadas em uma pesquisa de natureza qualitativa que resultou em uma tese na área da Educação. As narrativas foram produzidas por acadêmicas do último semestre de um curso de Licenciatura em Pedagogia, buscando conhecer as memórias constitutivas do tornar-se professor e suas construções acadêmicas sobre um determinado tema, a saber, as infâncias; ao mesmo tempo, ambiciona-se contribuir com o leitor para a instrumentalização do uso desse modo de produzir dados em pesquisas na área da Educação. Tal modo de produzir dados é entendido para além de uma metodologia, configurando-se também em uma potente ferramenta formativa, uma vez que coloca as acadêmicas em contato com suas memórias, oportunizando reflexões que resultam em experiências para sua vida. O referencial teórico para operar com as narrativas sustenta-se nos estudos de Abrahão (2004, 2011), Bueno (2002), Cunha (1998), Errante (2000), Ferrer (1995), Josso (2004), Thomsom (1997) e Wittizorecki (2006). Como resultados, considerando a individualidade de cada acadêmica, foi possível promover um espaço de escrita e leitura, de si e do outro, uma vez que as narrativas também produziram marcas coletivas no que concerne à continuidade daquela turma e do curso de Pedagogia, além de assegurar a essa ferramenta de produção de dados empíricos o status investigativo e formativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (org.). A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: Ed. PUCRS, 2004.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Memoriais de formação: a (re)significação das imagens-lembranças/recordações-referências para a pedagoga em formação. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 165-172, maio/ago. 2011.

ERRANTE, Antoinette. Mas afinal, a Memória é de quem? Histórias Orais e Modos de Lembrar e Contar. In: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO/ASPHE: n. 8. Pelotas: UFPel, 2000. p. 141-174.

BRASIL. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. [Brasília, DF]: Conselho Nacional de Saúde, 2016. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22917581. Acesso em: 13 jan. 2020.

BUENO, Belmira Oliveira. O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores: a questão da subjetividade. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 11-30, 2002.

CUNHA, Maria Isabel da. O professor universitário na transição de paradigmas. Araraquara: JM Editora, 1998.

LIMA, Samantha Dias de. Narrativas escritas: o que ‘narram’ as formandas de pedagogia sobre suas aprendizagens acerca das infâncias durante a graduação. Reflexão e Ação, Santa Cruz, v. 25, n. 3, p. 237-255, 2017. https://doi.org/10.17058/rea.v25i3.9728

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Realidade, Belo Horizonte, n. 46, p. 201-208, 2007.

FERRER, Cervero. La crítica como narrativa de las crisis de formación. In: LARROSA, Jorge. Déjame que te cuente. Barcelona: Laertes, 1995. p. 11-51.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiências. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

PINTO, Júlio Pimentel. Todos os passados criados pela memória. In: LEIBING, Annette e BENNINGHOFF-LÜHL, Sibylle (orgs.). Devorando o tempo: Brasil, o país sem memória. São Paulo: Mandarim, 2001. p. 293-300.

TEIXEIRA, Leônia Cavalcante Escrita autobiográfica e construção subjetiva. Psicologia USP, São Paulo, v.14, n. 1, p. 37-64, 2003.

THOMSOM, Alistair. Reconpondo a Memória: questões sobre a relação entre história oral e as memórias. Projeto História, São Paulo, v. 15, p. 51-84, 1997.

WITTIZORECKI, Elisandro Schultz et. al. Pesquisar exige interrogar-se: a narrativa como estratégia de pesquisa e de formação do(a) pesquisador(a). Revista Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 02, p. 09-33, 2006.

Downloads

Publicado

2023-12-11

Como Citar

LIMA, Samantha. Narrativas escritas: leituras de si (e do outro) como experiência autoformativa nas pesquisas em educação . Revista Linhas, Florianópolis, v. 24, n. 26, p. 307–322, 2023. DOI: 10.5965/1984723824562023307. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/21474. Acesso em: 21 fev. 2024.