Semana Mariana do Colégio Juvenal de Carvalho: mito e rito na preservação dos valores socioculturais femininos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723822502021293

Palavras-chave:

história de instituição, educação feminina, educação mariana, educação religiosa, Colégio Juvenal de Carvalho

Resumo

O artigo insere-se no campo da História da Educação, mais especificamente na história de instituições escolares. O objetivo da pesquisa foi compreender como o mito da mulher virtuosa, à luz do exemplo de Maria, transforma-se em rito na Semana Mariana do Colégio Juvenal de Carvalho para fomentar a educação feminina voltada para a preservação de valores morais que mantinham a mulher na esfera privada a serviço da família e do lar. Realizou-se uma pesquisa amparada teoricamente na história cultural, que adotou a história oral temática como metodologia. Utilizaram-se as narrativas orais de uma professora, irmã salesiana e do coordenador da Semana Mariana, coletadas por meio de entrevistas, como fonte de análise. Constatou-se que a Semana Mariana era um rito realizado, todo mês de maio, que, ao exaltar a figura de Maria como exemplo feminino a ser seguido, educava as moças para: a castidade, o casamento e a maternidade. Essa formação endossava o papel social atribuído à mulher de subserviência ao homem – pai e esposo – ao disciplinar seu comportamento para a obediência inconteste, restando-lhe, se não a vida religiosa, a união matrimonial com os afazeres domésticos e os cuidados com os filhos e com o esposo.

Palavras-chave: história de instituição; educação feminina; educação mariana; educação religiosa; Colégio Juvenal de Carvalho. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitória Chérida Costa Freire, Universidade Estadual do Ceará

Doutoranda, Mestre em Educação e Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Estuda e desempenha pesquisas científicas na área educacional, principalmente sobre História da Educação no Brasil e no Ceará, Educação de Mulheres, Biografia, Escola Pública e Formação de Professores. Pesquisadora do grupo Práticas Educativas, Memórias e Oralidades e organizadora do Seminário de Práticas educativas, Memórias e Oralidade- SEPEMO.

Lia Machado Fiuza Fialho, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará, Pós-doutorada em Educação pela Universidade Federal da Paraíba, Pós-doutoranda em Educação pela Universidade de Salamanca. Professora doutora do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará, Professora Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE/UECE) e do Mestrado Profissional em Planejamento e Políticas Públicas (MPPP/UECE). Líder do Grupo de Pesquisa Práticas Educativas Memórias e Oralidades - PEMO. 

Referências

ALMEIDA, Gildênia Moura de Araújo. Mulheres beletristas e educadoras: Francisca Clotilde na sociedade cearense –de 1862 a 1935. 2012. 356 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

ALMEIDA, Núbia Ferreira. O Colégio Salesiano em Juazeiro do Norte e o Projeto Educacional de Padre Cícero. Fortaleza: Edições UFC, 2013.

ANANIAS, Mauriceia; SANTOS, Lays Regina Batista de Macena Martins dos. Quando o homem sabe ler, escrever e contar, pode, por sua própria individualidade, desenvolver -se e esclarecer-se: a escolarização de crianças pobres na província da Parahyba do Norte (1855-1866). Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 66-80, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/453. Acesso em: 18 jun. 2020.

AZZI, Riolando. A Igreja Católica na formação da sociedade brasileira. Aparecida: Editora Santuário, 2008.AZZI,Riolando. Os Salesianos no Brasil à luz da história. São Paulo: Salesiano Dom Bosco, 1982.

BARTHES, Roland. Mitologias. Tradução de Rita Buongermino e Pedro de Sousa. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BARROS, José D’Assunção Barros.A nova história cultural: considerações sobre o seu universo conceitual e seus diálogos com outros campos históricos. Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 12, n. 16, p. 38-63, 2011. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/P.2237-8871.2011v12n16p38. Acesso em: 18 jun. 2020.

BÍBLIA. Português. A Bíblia de Jerusalém. [Nova edição rev. e amp.]. São Paulo: Paulus, 2002.

BORGES, Carlos Nazareno Ferreira. A significatividade das atividades do pátio na educação salesiana. 2000. 98 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) –Programa de Pós-graduação da Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2000.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas.São Paulo: Edusp, 2008.

BURKE, Peter. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. Tradução Nilo Odália. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1991.

BUTLER, Judith. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. Nova York: Routledge, 1991.

BUTTELLI, Felipe Gustavo Koch. Ritos e igualdade de gênero: uma análise da potencialidade de construção de (des)igualdade de gênero nos ritos. HORIZONTE-Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, Belo Horizonte, v. 6, n. 12, p. 127-143, 2008. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/443. Acesso em: 18 jun. 2020.

CAMPOS, José Vicente Ucha. Blog Nossa Senhora de todas as faces. Fotografia de Nossa Senhora Auxiliadora. 30 jan. 2018. Disponível em: https://nossasenhoradetodasasfaces.blogspot.com/. Acesso em: 31 out. 2021.

CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (org.). Domínios da história:ensaios de teoria e metodologia. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia.São Paulo: Ed. Ática, 2003.

DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000.

DINARTE, Luiz Daniel Rodrigues; CORAZZA, Sandra Mara. Espaço poético como tradução didática: Bachelard e a imagem da casa. Educação & Formação,Fortaleza, v. 1, n. 2, p. 135-148, 2016.Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/105/87.Acesso em: 10 out. 2019.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade.São Paulo: Perspectiva, 1978.

FIALHO, Lia Machado Fiuza; FREIRE, Vitoria Chérida Costa. Educação formativa de uma líder política cearense: Maria Luiza Fontenele(1950-1965). Cadernos de História da Educação, Uberlândia, v. 17, p. 343, 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/43290. Acesso em: 18 jun. 2020.

FIALHO, Lia Machado Fiuza; SANTOS, Hannah Franklin dos; FREIRE, Vitória Chérida Costa. Biografia da professora Raquel Dias Araújo: um olhar sobre a docência universitária e a militância política. History of Education in Latin America -HistELA,Natal,v. 3, p. 1-14, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/histela/article/view/20562/12765. Acesso em: 20 jun. 2020.

FIALHO, Lia Machado Fiuza; SANTOS, Francisco Mayane Benvindo dos.;SALES, José Albio Moreira de. Pesquisas biográficas na história da educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 26, p. 11-29, 2019. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/12743/6898. Acesso em: 18 jun. 2020.

FLORENCIO, Lourdes Rafaella Santos; FIALHO, Lia Machado Fiuza; ALMEIDA, Nadja Rinelle Oliveira de. Política de formação de professores: a ingerência dos organismos internacionais no Brasil a partir da década de 1990. Holos, Natal, v. 5, p. 303-312, 2017. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/5757. Acesso em: 17 jun. 2020.

FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de. A califasia e a formação de professores na escola normal de São Paulo. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 81-64, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/520. Acesso em: 18 jun. 2020.GEBARA, Ivone. Rompendo o silencio: uma fenomenologia feminista do mal. Petrópolis: Vozes, 2000.

GUILOUSKI, Borres; COSTA, Diná Raquel D. da. Ritos e rituais. In: JORNADA INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA EM TEOLOGIA E HUMANIDADES, 3., 2012, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUCPR, p. 91-109. 2012. Tema: Subjetivação Contemporânea e Religiosa.

HOBSBAWM, Eric. Nações e nacionalismo desde 1780. [Tradução de Maria Célia Paoli e Anna Maria Quirino]. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

JARDILINO, Jose Rubens Lima; SAMPAIO, Ana Maria Mendes. Desenvolvimento profissional docente: Reflexões sobre política pública de formação de professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 10, p. 180-194, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/848. Acesso em: 02 fev. 2020.

LANGDON, Esther Jean. Rito como conceito para a compreensão de processos sociais. Revista Antropologia em Primeira Mão. Florianópolis: UFSC: Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, 2007.Disponível em: https://apm.ufsc.br/titulos-publicados/2007-2/. Acesso em: 29 abr. 2016.

LIMA, Juliana dos Santos; SANTOS, Gilberto Lima dos. Valores, educação infantil e desenvolvimento moral: concepções dos professores. Educação & Formação,Fortaleza, v. 3, n. 8, p. 153-170, 2018.Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/275/203. Acesso em: 10 de out. 2019.

LOPES, Antonio de Pádua Carvalho. Legislação e processos educativos: A constituição da escola primária no Piauí (1845 a 1889). Educação& Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 50-65, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/866. Acesso em: 17 maio 2020.

LORIGA, Sabina. O pequeno x: da biografia à história. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary (org.).História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004. p. 371-403.

MAGALHÃES JUNIOR, Antonio Germano. Vigilância, transgressão e “punição”:memórias de ex-alunas de escolas católicas de formação de educadoras (1964-1969). 2003. 201 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2003.

MARTINS FILHO, Antonio; GIRÃO, Raimundo. O Ceará. 3. ed. Fortaleza: Instituto do Ceará, 1966.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade.6 ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

PEIRANO, Mariza Gomes e Souza. Rituais como estratégia analítica e abordagem etnográfica(em inglês e português.). Prefácio do livro O Dito e o Feito. Brasília: UnB, 2001. 22 p. (Série Antropologia, 305).

PEREIRA, Anderson de Carvalho; RIBEIRO, Carme Sandra de Jesus. A culpabilidade pelo fracasso escolar e a interface com os “problemas de aprendizagem” em discurso. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 5, p. 95-110, 2017.Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/138/121. Acesso em: 10 de out. 2019.

PLATÃO. República.[Tradução de Enrico Corvisieri]. Rio de Janeiro: Editora Best Seller, 2002.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana Maria e GROSSI, Miriam Pilar (org.). Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Editora Mulheres, 2000.

RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. Mulheres Educadas na Colônia. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes de; VEIGA, Cynthia Greive (orgs.). 500 Anos de Educação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 79-94.

SANTOS, Ana Carolina dos. Percepções sobre o Império Otomano na obra de Arnold J. Toynbee. 2018. 104 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, 2018.

SAVIANI,Dermeval. Política educacional brasileira: limites e perspectivas. Revista de Educação PUC,Campinas, n. 24, p. 7-16, jun. 2008. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/108. Acesso em: 17 jun. 2020.

SCOTT, Ana Silvia. O caleidoscópio dos arranjos familiares. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012. p. 15-42.

TAMANINI, Paulo Augusto. Rito de instituição e práticas religiosas em uma celebração ortodoxa ucraniana. Revista Brasileira de História das Religiões, Maringá, v. 2, n. 6, p. 105-118, 2010. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RbhrAnpuh/article/view/30310. Acesso em: 20 jun. 2020.

VASCONCELOS, José Gerardo; FIALHO, Lia Machado Fiuza; LOPES, Tânia Maria. Educação e liberdade em Rousseau. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 8, p. 210-223, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/278. Acesso em: 02 fev. 2020.

VASCONCELOS, Larissa Meira; FIALHO, Lia Machado Fiuza; MACHADO, CharlitonJosé dos Santos.Facetas da (im)potência viril na Revista Careta: educação e masculinidades no Estado Novo (1937-1945). Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 40, p. 1-12, 2018. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/issue/view/1499/showToc. Acesso em: 20 jun. 2020.

WEBER, Max. Sociologia da religião: tipos de relações comunitárias religiosas. Brasília: UnB, 1996.

XAVIER, Antônio Roberto; FIALHO, Lia Machado Fiuza; VASCONCELOS, José Gerardo. História, memória e educação: aspectos conceituais e teórico-metodológicos. Fortaleza: EdUECE, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-10

Como Citar

FREIRE, V. C. C.; FIALHO, L. M. F. Semana Mariana do Colégio Juvenal de Carvalho: mito e rito na preservação dos valores socioculturais femininos . Revista Linhas, Florianópolis, v. 22, n. 50, p. 293 - 319, 2021. DOI: 10.5965/1984723822502021293. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/18403. Acesso em: 25 maio. 2022.