As práticas do tear manual de Carmo do Rio Claro (Minas Gerais), sua história, seus artífices, seus atores e a moda brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630712023e2920

Palavras-chave:

Tear manual, Moda, Origem

Resumo

Este artigo é fruto da proposta de pesquisa interinstitucional Escolas de Artes e Ofícios no Brasil: história, propostas formativas e continuidades na formação do Bacharelado em Design de Moda. A abordagem adaptada é a da historiografia e reflete sobre as práticas do tear manual da cidade mineira de Carmo do Rio Claro e sobre como sua linguagem é absorvida pelo mundo da moda. Através do entendimento de sua origem formativa, buscamos refletir e compreender como essas práticas foram sendo passadas e sedimentadas através dos tempos e ante transformações sociais e econômicas. Para isso refletimos sobre seus ciclos e seus agentes que de uma maneira ou de outra contribuíram para sua manutenção e para a manutenção dos seus saberes fundamentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jair Soares Junior, Federal University of Alfenas

Licenciado em História pela Faculdade FESP/UEMG – Passos (MG); possui EAD de Pós-graduação em História da Arte pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais/SP; EAD de História Cultural pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais/SP; Mestrado Profissional em História Ibérica pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL) com a proposta O “HORROR AO VAZIO” NA ARTE DECORATIVA DA MESQUITA MAIOR DE CÓRDOBA. 13 de julho em Alfenas (MG). Lattes: http://lattes.cnpq.br/7962852003985231; email: junior_unifal@outlook.com

Referências

ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História - História Geral e História do Brasil (CAP. IV, página 364). 11ª Edição. 2002, Editora Ática. São Paulo (SP)

CARIELO, Maria Lúcia de Oliveira. “Nosso artesanato tem história...”. Sem referência de publicação pública. Carmo do Rio Claro, 11 de julho de 1997.

GOMES, Laurentino. 1822: como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado. Página 74. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 2010.

GRILO, Antonio Theodoro. Carmo do Rio Claro – Aulas de História Social (Caderno 01, aula 08, página 48). Prefeitura Municipal, Departamento de Educação e Cultura – Centro de Memória, 1996.

MARINA, Anna. Sem título. Jornal Estado de Minas, Belo Horizonte – sábado, 27 de abril de 2002

MUNIZ, Rosane. Vestindo os Nus - O figurino em cena. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Senac Rio, 2004.

QUEIROZ, Araci. Sem título. Revista Bons Fluidos Em Casa, mar./abr. - 1999.

SANTOS, Ana Luisa. Jornal O Tempo/Pampulha, Belo Horizonte – 06/04 a 12/04/2002.

SILVA, Natália Achcar Monteiro. Nas tramas da produção artesanal: narradoras de saberes cotidianos em Carmo do Rio Claro/MG. Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. Belo Horizonte, 2021.

SOUSA, Rainer Gonçalves. "Economia Algodoeira"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/economia-algodoeira.htm. Acesso em: 24 abr. 2022.

Publicado

2023-02-01

Como Citar

SOARES JUNIOR, Jair. As práticas do tear manual de Carmo do Rio Claro (Minas Gerais), sua história, seus artífices, seus atores e a moda brasileira. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5965/25944630712023e2920. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/22920. Acesso em: 3 out. 2023.