A moda e a decolonialidade: encruzilhadas no sul global

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630622022e0146

Palavras-chave:

teoria da moda, decolonialidade, encruzilhadas

Resumo

O artigo apresenta um debate teórico sobre as ideias que dialogam com a perspectiva decolonial aplicada à moda, assim como trazer os desenvolvimentos teóricos arrolados no contexto do Sul global. Para tanto, emprega-se um conjunto de autores da área de moda que vem, desde meados dos anos 1990, realizando uma crítica importante a determinados conceitos que formam a base de reflexão da disciplina, como é o caso da própria noção de moda. Assim, o artigo tem o objetivo de questionar o sistema de autorização da moda e o pressuposto de que ela seria um exclusivo ocidental. A crítica se direciona à matriz colonial de pensamento que produz e reproduz uma divisão binária entre os povos, submetidos à classificação que os opõe entre “com moda” ou “sem moda”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Casarin, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ALMANN, Jean. Introduction. In.: ALMANN, Jean. Fashioning Africa: Power and the Politics of Dress. Bloomington, IN. Indiana Press. 2004;

BARTHES, Roland. Sistema da moda. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1979;

BECKER, Howard. Mundos da Arte. Lisboa: Livros Horizontes, 2010;

BELFANTI, Carlo Marco. Histoire culturelle de la mode. Paris: IFM, 2014.

CRAIK, Jennifer. The Face of Fashion: Cultural Studies in Fashion. Londres: Routledge, 2003;

DIAS, Jamille P. e CAMARGO, Raquel. Nota da tradução. In.: VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020;

FANON, Frantz. Pele Negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008;

KAWAMURA, Yuniya. Fashion-logy: An Introduction to Fashion Studies (Dress, Body, Culture). Londres: Berg Publisher. 2005; MAUSS, Marcel. As técnicas do Corpo. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003;

NIESSEN, Sandra. Afterword: re-orienting fashion theory. In.: NIESSEN, Sandra, LESHKOWICH, Ann Marie et all. Re-Orienting Fashion: The Globalization of Asian Dress. Londres: Berg Publishers, 2003;

ROVINE, Victoria. Viewing Africa through Fashion. In.: Fashion Theory, V. 13, I. 2, June 2002. Oxford: Berg, 2009;

SANT’ANNA, Mara Rúbia. Teoria da moda: sociedade, imagem e consumo. 2ª edição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016;

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das Macumbas. Rio de Janeiro: Mórula Editoral, 2018;

RAINHO, Maria do Carmo. A cidade e a moda. Brasília: Editora UnB, 2002;

SANTOS, Heloisa H. O. Uma análise teórico-política decolonial sobre o conceito de moda e seus usos. Modapalavra e-periódico. v. 13 n. 28 (2020): Variata. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/article/view/15948>.Acesso em: 31 jan. 2021;

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020. Edição do Kindle;

VOLPI, Maria Cristina. Estilo urbano: modos de vestir na primeira metade do século XX no Rio de Janeiro. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2018;

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Downloads

Publicado

2022-04-15

Como Citar

CASARIN, C.; ROSA JÚNIOR, J. D.; SANTOS, H.; COSTA, C. A.; MEDRADO, M. A moda e a decolonialidade: encruzilhadas no sul global. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 01-12, 2022. DOI: 10.5965/25944630622022e0146. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/20146. Acesso em: 25 set. 2022.