Casas de moda no Rio de Janeiro da primeira metade do XIX

direitos de propriedades e gênero

Autores

  • Laura Junqueira de Mello Reis Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630532021301

Palavras-chave:

Casas de moda, Mulheres, Direitos de Propriedade

Resumo

O objetivo desse artigo é compreender, através das casas de moda e das modistas oitocentistas,
a relação entre as mulheres brancas, direitos de propriedade e trabalho feminino
no Rio de Janeiro da primeira metade do século XIX. A partir de 1816 uma série de modistas
e costureiras francesas desembarcaram no Brasil provocando uma inovação no que se
refere aos negócios e a moda brasileira. Essas francesas, assim como algumas brasileiras,
abriram estabelecimentos e fixaram suas lojas nos arredores da famosa rua do Ouvidor. No
entanto, não eram todas mulheres que tinham o direito de abrir um comércio, às casadas era
negado o direito de possuírem propriedades; nesse sentido visamos problematizar a noção
de mulheres proprietárias e seus estados civis e a forma como foram estruturando seus comércios na corte brasileira, fazendo com que os negócios concernentes ao vestuários despertassem o interesse da sociedade e se inserissem cada vez mais na logística econômica
e social do período.

Referências

ALVES, Silvia. Infirmitas sexus, animi levistas: a punição das mulheres na vigência das Ordenações ilipinas. Delictae, Lisboa, Vol. 5, Nº9, Jul.-Dez. 2020.

ANDRADE, Fernanda Alina de Almeida. Estratégias e escritos: Francisca Diniz e o movimento feminista do século XIX (1873/1890). 2006. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

A.N.R.J. Os Franceses residentes no Rio de Janeiro 1808-1820. Rio de Janeiro: Ministério da Justiça e Negócios Interiores, 1960.

CONGOST, Rosa. Tierras, Leyes, Historia. Estudios sobre La gran obra de la propriedad. Crítica. Barcelona, 2007.

DAVIS, Natalie Zemon. O retorno de Martin Guerre. Trad. Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro: Tipografia Real, 1821-1878.

DUARTE, Constância Lima. Nísia floresta: vida e obra. natal:editora universitária/ufrn, 1995.

FLORESTA, Nísia. Opúsculo humanitário. Rio de Janeiro: Tipografia M. A. Silva Lima, 1853. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002106.pdf.Acessado1 0/12/2020.

GINZBURG, Carlo. Apêndice – Provas e possibilidades (Posfácio a Natalie Zemon Davis, O retorno

de Martin Guerre) [1984]. In: . O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

JORNAL DO COMÉRCIO. Rio de Janeiro: Tipografia do Jornal do Comércio, 1827- 2013.

KOSELLECK, Reinhart. Espaço de Experiência e Horizonte de Expectativa. In: Futuro Passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC Rio, 2006.

LEITE, Thomaz Santos. Com a letra da lei e o espírito do legislador: projetos, atores e debates políticos na trajetória da Lei do Ventre Livre (1866-1871). Dissertação (mestrado em história) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, p. 284, 2020.

LERNER, Gerda. A criação do patriarcado. São Paulo: Cultrix, 2019.

MACEDO, Joaquim Manuel. Memórias da rua do Ouvidor. São Paulo: Saraiva, 1963.

MARTINS, Ana Luiza. Presença imigrante francesa no Brasil: entre visões do paraíso e mercados de trabalho. In: LUCA, Tânia Regina; VIDAL, Laurent (orgs.) Franceses no Brasil séculos XIX – XX. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

MENEZES, Lená Medeiros. Francesas no Rio de Janeiro: trabalho, sonhos e ousadia (1816 – 1822). Caderno Espaço Feminino, Florianópolis, v. 12, n. 15, Ago./Dez., 2004.

MONTELEONE, Joana. O circuito das roupas: a corte, o consumo e a moda (Rio de Janeiro (1840-1889). Universidade de São Paulo: Tese de doutorado, 2013.

_______. Costureiras, mucamas, lavadeiras e vendedoras: O trabalho feminino no século XIX e o cuidado com as roupas (Rio de Janeiro, 1850-1920). Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.27, n. 1, e48913, 2019.

NEVES, Lúcia Maria. B. P. das; MOREL, Marco; FERREIRA, Tânia M. Bessone da C. (org.). História e Imprensa: representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DP&A / FAPERJ, 2006.

ORDENAÇÕES FILIPINAS, Livro IV, Tit. 95 Disponível em: http://www.ci.uc.pt/ihti/proj/filipinas/l4p949.htm . Acessado dia 24/08/2021

RIBEIRO, Cristiane de Paula. A vida caseira é a sepultura dos talentos: gênero e participação política nos escritos de Anna Rosa Termacsis dos Santos (1850-1886). 2019. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, p. 279, 2019.

ROCHE, Daniel. A cultura das aparências: uma história da indumentária (séculos XVII-XVIII). São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007.

Silva, Antônio Moraes. Dicionário da Língua Portuguesa. 6º edição. Lisboa, Tipografia de Antônio José da Rocha, 1858.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Cultura e sociedade no Rio de Janeiro (1808- 1821). 2.ed. São Paulo: Nacional, 1978. (Brasiliana, v. 363).

THOMPSON, E.P. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. https://jus.com.br/noticias/68649/a-relacao-existente-entre-direito-autoral-propriedade-intelectual-e-a-moda. Acessado 03/01/2021. https://www2.camara.leg.br/

legin/fed/lei_sn/1824-1899/lei-38398-15-outubro-1827- 566692-publicacaooriginal-90222-pl.html. Acessado: 12/11/2020. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LIM/LIM556compilado.htm. Acessado 11/11/2020.

Lei de 15 de novembro de 1831 (título IV – referente a receita) – Publicação original. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei_sn/1824-1899/lei-37687-15- novembro-1831-564851-publicacaooriginal-88758-pl.html. Acessado 06/02/2021.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

JUNQUEIRA DE MELLO REIS, L. Casas de moda no Rio de Janeiro da primeira metade do XIX: direitos de propriedades e gênero. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 301-319, 2021. DOI: 10.5965/25944630532021301. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/20066. Acesso em: 26 out. 2021.