Experiência e valor percebido pelos seguidores de marcas de moda no Instagram

Autores

  • Paula Elisa Hubner Duarte Lima Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630532021246

Palavras-chave:

Instagram, Valor Percebido, Consumo de Moda

Resumo

Este estudo tem como objetivo investigar a natureza da experiência dos seguidores de marcas de moda no Instagram. Para isso, empreendeu-se um levantamento bibliográfico sobre o Instagram, consumo e valor do consumidor. Optou-se por uma abordagem qualitiva, cujo método fora entrevistas em profundidade com 21 sujeitos. Fundamentada pela axiologia de Holbrook (1999), a investigação constatou que o valor percebido pelos seguidores de marcas de moda nessa rede social on-line é multidimensional, auto-orientado, hedônico, utilitário e pode ser discricionado em oito tipos: epistêmico, eficiência, excelência,estima, status, entretenimento, estética e ética. Observou-se que os tipos de valor sempre aparecem inter-relacionados e são muito relevantes para a percepção positiva das marcas pelos seus seguidores.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 2. ed. Petropolis: Vozes, 2002.

BRADLEY, G. L.; SPARKS, B. A. Antecedents and consequences of consumer value: a longitudinal study of timeshare owners. Journal of Travel Research, v. 51, n. 2, p. 191-204, 2012.

CAMPBELL, C. A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. São Paulo: Rocco, 2001.

CASALÓ, L. Understanding Consumer Interaction on Instagram: the role of satisfaction, hedonism, and content characteristics. Cyberpsychology, Behavior, and Social Networking, v. 20, n. 6, p.1-7, jun. 2017.

CASTRO, G. G. S. Entretenimento, Sociabilidade e Consumo nas Redes Sociais: cativando o consumidor-fã. Fronteiras – estudos midiáticos, v. 14, n. 2, p. 133–140, 2012.

DOUGLAS, M.; ISHERWOOD, B. O Mundo dos Bens: uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: URFJ, 2009.

GODART, F. Sociologia da Moda. 1. ed. São Paulo: SENAC SP, 2010.

HEINONEN, K.; STRANDVIK, T.; VOIMA, P. Customer dominant value formation in service. European business review, v. 25, n. 2, p. 104-123, 2013.

HOLBROOK, M. B. Consumer Value. 1. ed. London: Routledge, 1999.

_________________ Consumption experience, customer value, and subjective personal introspection: An illustrative photographic essay. Journal of Business Research, v. 59, n. 6, p. 714-725, 2006.

MCCRACKEN, G. Cultura e Consumo: Uma Explicação Teórica da Estrutura e do Movimento do Significado Cultural dos Bens de Consumo. Rae, v. 47, n. 1, p. 99–115, 2007.

MICHELAT, G. Sobre a utilização da entrevista não diretiva em Sociologia. In: THIOLLENT, M. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Pólis, 1982. p. 194-212.

MIRANDA, A. P. DE. Consumo de moda: a relação pessoa-objeto. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017.

RECUERO, R.; AMARAL, A.; MONTEIRO, C. Fandoms, Trending Topics and Social Capital in Twitter. Selected Papers of internet Research, v. 1, n. 1, p. 1–14, 2012.

RELLING, M., SCHNITTKA, O., SATTLER, H., JOHNEN, M. Each can help or hurt: Negative and positive word of mouth in social network brand communities. International Journal of Research in Marketing, v. 33, n.1, p. 42-58, 2016.

ROVER, O. J. O Método Científico em Ciências Sociais: dos documentos, questionários e entrevistas à análise de enunciados. Revista Grifos, v. 21, n. 32-33, p. 13–28, 2012

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

HUBNER DUARTE LIMA, P. E. Experiência e valor percebido pelos seguidores de marcas de moda no Instagram. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 246 - 266, 2021. DOI: 10.5965/25944630532021246. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/19886. Acesso em: 18 set. 2021.