A arte figurativa de mestras-artesãs do Alto do Moura, Caruaru - PE, e os sentidos estéticos e sensíveis sobre questões de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630522021031

Palavras-chave:

Estética Feminista, Gênero, Imaginário

Resumo

O presente estudo é uma análise estética, sensível e feminista da produção de artesanato em barro de uma mestra-artesã da comunidade do Alto do Moura, Caruaru, Pernambuco. O processo de análise e investigação refere-se às obras da mestra artesã Marliete Rodrigues, considerando que compreender as recorrências estéticas, sensíveis, simbólicas e subjetivas presentes na produção artística de mulheres artesãs pode evidenciar o imaginário que se constitui a partir das vivências socioculturais cotidianas das artistas sobre questões de gênero. A partir de dada dimensão fenomenológica, buscamos responder a perguntas como: Qual a centralidade dos elementos estéticos e sensíveis nas obras da artesã? Quais elementos de gênero e ligados ao cotidiano da comunidade são materializados através dos símbolos presentes nas obras analisadas? É possível caracterizar como feminista a estética que se desenvolve a partir do imaginário e é expressa em suas obras? Os resultados obtidos apontam que apesar de, à primeira vista, a obra da mestra parecer estar inscrita numa espécie de feminilidade compulsória, pelo uso recorrente de elementos ligados a flores, o recato no vestuário e as ações das mulheres retratadas, a obra de Marliete se revela dissidente ao propor sutis rupturas nas estruturas a partir das quais a arte em barro da comunidade do Alto do Moura é constituída.

Biografia do Autor

Ilzy Gabrielle Soares da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Graduanda em Design - Universidade Federal de Pernambuco / Centro Acadêmico do Agreste. Bolsista de Iniciação Científica - Fundação de Amparo a Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco. Pesquisadora d'O IMAGINÁRIO - Grupo de Pesquisas Transdisciplinares sobre Estética, Educação e Cultura (UFPE/CNPq) e do Grupo de Pesquisa sobre Contemporaneidade, Subjetividades e Novas Epistemologias (UPE/CNPq).

Mário de Faria Carvalho, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Sciences Sociales - Université de Paris 5, Sorbonne (2008). DEA (Diploma de Estudos Aprofundados) em Ciências Sociais - Université de Caen Basse Normandie (2001). Graduação em Design - Ecole dArchitecture de Grenoble (1996), Graduação em Design - Universidade Federal de Pernambuco (1992). Pesquisador no CEAQ - Centre dEtude sur lActuel et le Quotidien e do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas sobre o Imaginário. Coordenador do Laboratório de Pesquisas Transdisciplinares sobre Moda (LPTM-CNPq). Professor Adjunto III, Universidade Federal de Pernambuco (Centro Acadêmico do Agreste). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Cultura Popular, atuando principalmente nos seguintes temas: Imaginário, Estética, Pós-Modernidade, Barroco e Gênero e Moda.

Referências

ALMEIDA, Flavia Leme de. Mulheres recipientes: recortes poéticos do universo feminino nas artes Visuais. São Paulo: Editora UNESP; Cultura Acadêmica, 2010.

ASSIS, Sissa Aneleh Batista de. Mulheres Artistas: narrativas, poéticas, subversões e protestos do feminino na arte contemporânea paraense. 2012. 128 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Instituto de Ciências da Arte – ICA, Universidade Federal do Pará, Belém.

BOVENSCHEN, Silvia. Existe uma estética feminista? In: ECKER, Gisela. Feminist Aesthetics. 1. ed. Barcelona: Icaria Editorial, 1986. p. 21-58.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, Mário de Faria; As performances contestatórias do Coletivo Monstruosas: exemplificação de transgressão na arte. No prelo, 2019.

CARVALHO, Mário de Faria; CARDOSO, Fernando da Silva. Contemporaneidade, Pesquisa Social e Imaginário. Revista Nupem, Campo Mourão, v. 7, n. 13, p. 105-117, 2015. Disponível em: http://fecilcam.br/revista/index.php/nupem/article/viewFile/793/603. Acesso em: 14 nov. 2019.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução Hélder Godinho. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DURAND, Gilbert. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Tradução Rennée Eve Levié. 3. ed. Rio de Janeiro: DIEFEL, 2004.

FONSECA, Fernanda; DIAS, Tânia; CAMPOS, Roberta. A divisão sexual do trabalho e as desigualdades sociais entre homens e mulheres na arte do barro no Alto do Moura - Pernambuco/Brasil. In: Anais... XXXI Congresso ALAS, 2017, Montevideo. Montevideo: Asociación Latino Americana de Sociología, 2017. v. XXXI.

GOMES, Graciele Maria Coelho de Andrade; CARVALHO, Mario de Faria. (2020). Por uma pedagogia do belo: educação, estética e sensibilidades. EccoS – Revista Científica, n. 53, e16647, 2020. doi: https://doi.org/10.5585/eccos.n53.16647.

KORSMEYER, Carolyn. Gender and aesthetics: an introduction. 1. ed. New York: Routledge, 2014. p. 1-9.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Petrópolis: Vozes, 1998.

MAFFESOLI, Michel. No fundo das aparências. Petrópolis: Vozes, 1996.

MELO, Rosilene Alves de. Saberes e formas de expressão: patrimônio de todos nós. Formação de Mediadores de Educação Patrimonial. Fortaleza: [s. e.], 2019. Disponível em: https://cursos.fdr.org.br/pluginfile.php/416735/mod_resource/content/15/index.html. Acesso em: 30 jun. 2020.

MESKIMMON, Marsha. Women Making Art: history, subjectivity, aesthetics. 1. ed. Abingdon: Routledge, 2003. p. 1-3.

NOCHLIN, Linda. Por que não houve grandes mulheres artistas? Tradução de Juliana Vacaro. São Paulo: Edições Aurora, 2016.

NUÑEZ, Marcela Bautista. Movimentos de resistência entre gênero, arte contemporânea e educação. Educação, Artes e Inclusão, Santa Catarina, v. 14, n. 4, p. 248-270, dez., 2018. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/11579. Acesso em: 27 abr. 2020.

RAYMOND, Claire. Pode haver uma estética feminista? Comunicação e Sociedade [online], v. 32, n. 32, p. 31-44, 2019. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/csoc/v32/v32a02.pdf. Acesso em: 14 nov. 2019.

SENNA, Nádia. da Cruz. Donas da beleza: a imagem feminina na cultura ocidental pelas artistas plásticas do século XX. 2007. 212 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo.

STUBS, Roberta; TEIXEIRA-FILHO, Fernando Silva; LESSA, Patrícia. Artvismo, estética feminista e produção de subjetividade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 2, p. 1-19, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/38901/37096 >.

Acesso em: 14 nov. 2019.

TVARDOVSKAS, Luana Saturnino. Dramatização dos corpos: Arte contemporânea e crítica feminista no Brasil e na Argentina. 1. ed. São Paulo: Intermeios, 2015.

Publicado

2021-06-01

Como Citar

SILVA, I. G. S. da; CARVALHO, M. de F. A arte figurativa de mestras-artesãs do Alto do Moura, Caruaru - PE, e os sentidos estéticos e sensíveis sobre questões de gênero. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 31-48, 2021. DOI: 10.5965/25944630522021031. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/19869. Acesso em: 26 jul. 2021.