Memória do crochê

cultura afetiva em objetos biográficos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630522021069

Palavras-chave:

Memória afetiva, Objetos biográficos, Artesanato de crochê.

Resumo

Um objeto qualquer pode se tornar um objeto biográfico a partir da construção dos fatos, do tempo e do ambiente onde o mesmo foi inserido, em relação à vida humana. Compreender a importância das relações afetivas entre os seres humanos e os seus objetos biográficos do cotidiano, constitui-se o objetivo principal para o desenvolvimento deste trabalho. Inclusive, busca-se identificar a relevância das relações afetivas entre pessoas, por meio do fazer crochê e seus reflexos positivos para a memória coletiva. Esta pesquisa bibliográfica, qualitativa, de forma expositiva recria um contexto teórico. Por abordagens metodológicas do design social, utiliza estudos de artigos e demais produtos científicos. As relações afetivas que se instalam ente o ser humano e estes objetos também podem definir o tempo, o lugar, a história de vida de um indivíduo ou grupo social, enfim situar o território. O artesanato do crochê pode ser executado em grupo e, consequentemente, por dedicação do grupo, torna-se uma tradição. Observou-se que o crochê pode ser aplicado em qualquer objeto, desde que se utilize o potencial criativo e a pesquisa de materiais. Para atender ao trabalho coletivo, busca-se matéria-prima na região. Ele impulsiona o movimento de revalorização do “feito à mão”. Dessa forma, torna-se possível inserir as relações afetivas com os objetos, com os lugares e toda a história de vida de um indivíduo ou grupo social.

Biografia do Autor

Nadja Maria Mourão, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutora em Design, pela UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais, Linha de pesquisa Tecnologia Social e Design Inclusivo; possui Mestrado em Design - UEMG (2011); Pós-Graduação em Arte Educação pela UEMG - Faculdade de Educação; Bacharel em Design de Ambientes, pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas. Atualmente é membro do CEDTec - Centro de Estudos de Design e Tecnologia da UEMG / Linha: Cultura, Aspectos Socioeconômicos, Sustentabilidade e Gestão da inovação – Membro da Equipe de Coordenação do Programa "Comunidades Criativas das Geraes" e do “Librário: Libras na Escola e na vida”. Professor titular da UEMG/Escola de Design, coordenadora das pesquisas: “Tecnologia Social e Design para Todos” e “Tecnologia Social para cegos”; possui experiência na área de Educação, com ênfase em Meio Ambiente, atuando principalmente nos seguintes temas: Tecnologia Social, Design, Sustentabilidade, Cultura e Economia Criativa.

Ana Célia Carneiro Oliveira, Universidade do Estado de Minas Gerais

Mestra em Design (PPGD/UEMG), Pós-Graduação em Arte Educação (FAE/UEMG), Bacharelado em Design de Ambientes (FUMA/MG). Professora pesquisadora Centro de Estudos em Design de Ambientes da Escola de Design (CEDA/ED/UEMG) e membro Suplente do Colegiado do mesmo curso. Pesquisadora associada do Centro do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC) e Líder de da linha de Pesquisa 3: Dinâmicas socioterritoriais e culturais da/na América Latina.

Referências

BARROSO, Eduardo Neto. O que é artesanato.(1996). Disponível em: http://www.fbes.org.br/biblioteca22/artesanato_mod1.pdf. Acesso em: 14 fev. 2021.

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. Tradução de Zulmira Ribeiro Tavares. São Paulo: Perspectiva, 2000.

BORGES, Adélia. Design + Artesanato: o caminho brasileiro. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BUSSAB, Vera Silvia Raad. Afetividade e interação social em crianças: perspectiva psicoetológica. 2003. Tese (Livre-docência em Psicologia) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

CANDAU, Joël.Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CARLI, Ana Mery Sehbe; Battistel, Mariela; Lain, Lawrence; Rucker, Úrsula.Redige. v. 2, n. 02, ago. 2011.

CERQUEIRA, Fábio Vergara. Novas diretrizes para a proteção do patrimônio: a diversidade cultural e o imaterial. Métis: história & cultura, Caxias do Sul, v. 12, p.40-63, dez. 2012.

DIAS, Maria Esther Barbosa. As Areias Coloridas do Litoral Cearense Modeladas por Sábias Mãos. O público e o privado - Revista do PPG em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará - UECE, n.2. 2003.

DIGBY, Simon. Export industries and handicraft production under the Sultans of Kashmir. Indian Economic and Social History Review [S.I.], v. 44, n. 4, p. 407-423, Oct-Dec 2007.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo. Atlas. 1991.

KELLY, Veras Emanuelle. Design e artesanato: um diferencial cultural na indústria do consumo. ACTAS DE DISEÑO, vol. 1, 2007, p. 01-15.

LAMPEN, Alle. Handcraft in Europe. From the late Middle Ages to the early modern period. ZeitschriftFur Historische Forschung [S.I.], v. 28, n. 4, 2001, p. 595-598.

LE BRETON, David. As paixões ordinárias. Antropologia das emoções. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2009.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 5. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 2003.

LEITE, Pedro Pereira. Olhares Biográficos: A Poética da Intersubjetividade em museologia. Lisboa: Marca d’Agua, 2012.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Trad. Mario Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MACIEL, Maria Esther. A memória das coisas: ensaios de literatura, cinema e artes plásticas. Rio de Janeiro: Lamparina, 2004.

MAGNOLIAS CROCHETERIA. Quadradinhos da vovó - Granny Squares. Disponível em: https://magnoliasblogbr.wixsite.com/magnolias/post/2017/08/25/quadradinhos-da-vov%C3%B3-granny-squares. Acesso em: 20 fev. 2021.

MATURANA, Humberto.Emoções e linguagem na educação e na política. 3ª Reimpressão, Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

MENESES, José Newton Coelho. Património e Memória.UNESP – FCLAs – CEDAP, v. 5, n.2, dez. 2009, p. 19-33.

MOURÃO, Nada Maria; OLIVEIRA, Ana Célia Oliveira. Memória afetiva e o artesanato religioso em Minas Gerais. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.2, p. 14261-14278 feb. 2021.

NORMAN, Arthur Donald. Design emocional. Por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de janeiro: Rocco, 2008.

OLIVEIRA, Ana Célia Carneiro; MOURÃO, Nadja Maria; CASTRO, Flavia Neves de Oliveira. Design e o crochetar no universo feminino. In: Colóquio Internacional de Design, vol 8, nº 5, Editora Blucher, 2020.

PAVIANI, Jayme. Estética mínima: notas sobre a arte e literatura. 2. ed. Porto Alegre: EDIPU-CRS, 2003.

SELIGMAN, Martin. Positive psychology, positive prevention, and positive therapy. In C. R. Snyder, & S. J. Lopez (ed.), Handbook of positive psychology. New York: Oxford University Press, 2002, p. 3-9.

SILVA, Bruna Vilas Bôas da. Crochê: O resgate cultural e seus arsenais na prática do designer de moda. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso Tecnologia em Design de Moda - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Apucarana, 2015.

THE CLACK. Woman Crocheting. Pierre-Auguste Renoir. Disponível em: https://www.clarkart.edu/artpiece/detail/woman-crocheting. Acesso em 20 fev. 2021.

THOMPSON, Edward Palmer. Senhores e caçadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

TUACASA. Disponível em: https://www.tuacasa.com.br/almofada-de-croche/. Acesso em: 20 fev. 2020.

VERGARA, Sylvia; SILVA, Heliana. Organizações artesanais: um sistema esquecido na teoria das organizações. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 6, n. 3, p.32-38, 2007.

VIVIDECORA. 55 inspirações de colcha de crochê + dicas para fazer e usar o seu. Postado em: 9 maio 2018.Disponível em: https://www.vivadecora.com.br/revista/colcha-de-croche/. Acesso em: 20 fev. 2021.

Publicado

2021-06-01

Como Citar

MOURÃO, N. M.; OLIVEIRA, A. C. C. Memória do crochê: cultura afetiva em objetos biográficos . Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 69-88, 2021. DOI: 10.5965/25944630522021069. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/19746. Acesso em: 25 jul. 2021.