“Nem o mel nem a cabaça”: a fortuna da cor de uma professora de artes visuais parda

Autores

  • Flávia Pedrosa Vasconcelos Grupo de Pesquisa em Artes Visuais e Criatividade - GPAVC/CNPQLaboratório de Criatividade e Inovação em Artes Visuais - LACRIA. Departamento de Artes Visuais Centro de Artes e Letras - CALUniversidade Federal de Santa Maria - UFSM http://orcid.org/0000-0001-9853-5588

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267712021281

Palavras-chave:

identidade, formação de professoras de Artes Visuais, Artes Visuais

Resumo

Este texto se configura como um olhar narrativo sobre a construção da identidade profissional a partir de uma professora de Artes Visuais parda. Realça interpretações do termo “fortuna da cor”, utilizando de pontos de inflexão da memória, buscando proporcionar, por intermédio de reflexões autobiográficas, entendimentos sobre como a formação e a práxis em sala de aula conectam conceitos e práticas na experiência de ser/estar/tornar-se professora. Assim, numa perspectiva cartográfica a cada ponto traduz uma passagem que alia territórios geográficos, culturais à produção de pertencimento, revendo os modos de ver, da voz ao corpo sentido em análise sobre o atual momento de pandemia de covid19. Por essas razões, os caminhos trilhados intentam dialogar com outras/os em uma pintura que retrate a atualidade e dê abertura para espaços mais ampliados e contextualizadores, em que tons de pele sejam ponto de compartilhamentos e não de invisibilidades na e para a formação de professoras de Artes Visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Pedrosa Vasconcelos, Grupo de Pesquisa em Artes Visuais e Criatividade - GPAVC/CNPQLaboratório de Criatividade e Inovação em Artes Visuais - LACRIA. Departamento de Artes Visuais Centro de Artes e Letras - CALUniversidade Federal de Santa Maria - UFSM

Docente do Departamento de Artes Visuais, Centro de Artes e Letras - CAL da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Líder do Grupo de Pesquisa Artes Visuais e Criatividade - CNPQ/UFSM. Doutora em Educação Artística pela Universidade do Porto - Portugal, bolsista CAPES Doutorado Pleno no Exterior. Diplomação reconhecida no Doutorado em Arte e Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás - UFG. Mestra em Artes Visuais - UFPB/UFPE, linha: Ensino das Artes Visuais no Brasil, com pós Lato sensu em Arte-Educação e Língua Portuguesa pela Universidade Regional do Cariri - URCA, graduada em Artes Plásticas com habilitação para o ensino de Arte pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE. Professora colaboradora do Mestrado e Educação, Cultura e Territórios Semiáridos (PPGESA) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB)(2016-2019) .Membro fundadora da Rede Latino-americana de Investigação na Formação de Professores de Arte (LAIFOPA). Membro da International Society for Education through Art - INSEA, da Rede Iberoamericana de Educação Artística - RIAEA, da Red Iberoamericana de Comunicación y Divulgación Científica, da Red de la Organización de Estados Iberoamericanos - OEI en las Metas Educativas 2021, da Federação de Arte/Educadores do Brasil - FAEB. Líder do Grupo de Pesquisa Arte e Decolonialidade - GPADE - CnPQ - UNIVASF. Membro do Observatório da Formação de Professores - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Membro do Grupo de Pesquisa ARTEVERSA - Grupo de estudo e pesquisa em Arte e Docência, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Conselheira Mundial InSEA América Latina (2017-2019), eleita em 2016. SITE: https://flaviapedrosavasco.wixsite.com/art

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. O engenho anti-moderno: a invenção do nordeste e outras artes. 1994. 500f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/280137. Acesso em 23 de fevereiro de 2020.

BARBOSA, Ana Mae. Cronologia da dependência. Em Aberto. Ano 2. Nº 15. Brasília, maio de 1983. pgs18-29.

BARBOSA, Ana Mae. (DES)MEMÓRIAS: por uma revisão feminista da História da Arte no Brasil. Cartema. Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais UFPE-UFPB. nº8. 2020. pgs. 143-165.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. A aventura da modernidade. São Paulo: Cia das Letras, 1986.

BLANC, Aldir; TAPAJÓS, Maurício. Querelas do Brasil. Transversal do Tempo. Gravado no Teatro Ginástico do Rio de Janeiro, 1978.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FOUCAULT; Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes, 1987

FOUCAULT; Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: L&PM, 2012.

GUATTARI, Félix.; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

IRWIN, Rita L. A/r/tography: a metonymic metissage. In: IRWIN, Rita L.; COSSON, A. de. (Eds.). A/r/tography: rendering self through arts-based living inquiry. Vancouver, Canada: Pacific Educational Press, 2004. pgs 27-38.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

PEREIRA, Marcos Villela. Estética da professoralidade: um estudo crítico sobre a formação do professor. Santa Maria: Ed. Da UFSM, 2013.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. O pequeno príncipe. São Paulo: HarperCollins, 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. La cruel pedagogía del vírus. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2020.

VASCONCELOS, Flávia Pedrosa. Designare: pontes artístico/educativas na formação docente em Artes Visuais. Lisboa: Chiado, 2015.

VASCONCELOS, Flávia Maria de Brito Pedrosa. Como pensamos... Desenho e criatividade em tempos de pandemia. Live via Instagram à convite da Revista Apotheke da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Disponível em: < https://www.instagram.com/tv/CAq6G_dgtZD/?igshid=1km0u4f9at46j>. Acesso em 07 de junho de 2020.

VÀZQUEZ, Adolfo Sánches. As idéias estéticas de Marx. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

VASCONCELOS, Flávia Pedrosa. “Nem o mel nem a cabaça”: a fortuna da cor de uma professora de artes visuais parda. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 7, n. 1, 2021. DOI: 10.5965/24471267712021281. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/19644. Acesso em: 15 jun. 2024.