O iluminador xamã, bricoleur cósmico e o olhar índio da criança no teatro infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/27644669010320220201

Resumo

Propomos aqui, a análise do iluminador cênico como xamã e da criança como espectadora, ambos com seus respectivos olhares índios, dentro de uma construção artística ou imaginária que seja de bricolagem. A recepção da criança em um espetáculo infantil, selecionando visualmente tudo o que quer da cena, engendra um novo universo de compreensão do que presencia no teatro. Trata-se da relação entre xamã-iluminador como bricoleur cósmico e a recepção do público infantil, a partir de um pacto de sonho lúcido estabelecido entre ambos por meio de um rigoroso olhar índio, o olhar do bricoleur, que cria artefatos artísticos ou espirituais que refuncionalizam e reordenam o mundo naquele espetáculo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Guimarães Mattos de Souza, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Artista cênica, Iluminadora e Pesquisadora das visualidades da cena. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena da Escola de Comunicação da UFRJ, na linha de pesquisa Poéticas da cena: Teoria e Crítica (2016) e Doutoranda na área de Processos e Métodos de Criação Cênica do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2020). Componente da equipe editorial e conselho editorial da revista A Luz em Cena: revista de pedagogias e poéticas cenográficas vinculada ao PPGAC CEART UDESC desde 2021. Tem experiência técnica e artística na área de Artes Cênicas, com ênfase em Iluminação Cênica, atuando principalmente no seguinte tema: Iluminação Cênica, Visualidades da cena, Luz em contexto dramático e narrativo.

Referências

BACHELARD, Gaston. Poética do Devaneio. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2009.

BACHELARD, Gaston. Poética do Espaço. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1993.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas II: Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1995.

CARVALHO, Jorginho de. Entrevista concedida a autora. 2016.

FÉRAL, Josette. Além dos limites. Teatro, teoria e prática. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GABRIELI, Osvaldo. Uma dramaturgia sem palavras. In:KUHNER, Maria Helena. O Teatro dito Infantil. Florianópolis: Fundação Cultural de Blumenau, 2003. p.52-57.

GARDEL, André. Poética Antropofágica-Perspectivística Xamânica para uma Re-Visão do Teatro Brasileiro: a cena de origem. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 9, n.2, p. 1-27, 2019.

GONÇALVES, Zanilda. Nos bastidores do Teatro Infantil. Belo Horizonte: Armazém de Idéias, 2002.

KRENAK, Ailton. Entrevista sobre as alianças afetivas concedida a Pedro Cesarino, 2016. Disponível em: https://medium.com/alayaspas/ailton-krenak-fala-sobre-a-diferen%C3%A7a-entre-a-maneira-como-os-brancos-e-os-amer%C3%ADndios-veem-a-867c6eaadc19

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Pensamento Selvagem. Tradução de Tânia Pellegrini. Campinas: Papirus, 1989.

MACHADO, Renato. Entrevista concedida a autora. 2017.

ORTIZ, Fátima. O espetáculo: A linguagem cênica no teatro para crianças. In:KUHNER, Maria Helena. O Teatro dito Infantil. Florianópolis: Fundação Cultural de Blumenau, 2003. p.58-61.

PEREIRA, Luiz Miguel. Teatro para bebês: Estreia de olhares. 2014. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RISÉRIO, Antônio. Palavras canibais. In: RISÉRIO, Antônio. Textos e Tribos: poéticas extraocidentais nos trópicos brasileiros. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

Downloads

Publicado

2022-07-30

Como Citar

SOUZA, F. G. M. de. O iluminador xamã, bricoleur cósmico e o olhar índio da criança no teatro infantil. A Luz em Cena: Revista de Pedagogias e Poéticas Cenográficas, Florianópolis, v. 1, n. 3, p. 1-15, 2022. DOI: 10.5965/27644669010320220201. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/aluzemcena/article/view/22524. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático: RITOS DA LUZ: encantarias técnicas, feitiços teóricos e magias