Vestido de Noiva (1943) entre a luz ativa e passiva de Adolphe Appia: uma metodologia de análise

Autores

Palavras-chave:

Adolphe Appia. Vestido de Noiva. Luz e Sombra.

Resumo

Este artigo analisa algumas cenas do espetáculo Vestido de Noiva, peça de Nelson Rodrigues (1912-1980), com o olhar voltado para a sua iluminação, a fim de perceber a atividade da luz na expressão dos espaços (ambientes) através do contraste entre luz e sombra. Para tal fim, utiliza-se metodologicamente os conceitos de luz ativa e luz passiva do suíço Adolphe Appia (1862-1928) para análise da planta de luz de palco e do roteiro de operação de luz original da estreia do espetáculo em dezembro de 1943, descobertos no acervo de João Angelo Labanca (1913-1988) e disponíveis no Centro de Documentação da Fundação Nacional de Arte.

Biografia do Autor

Eduardo de Souza Teixeira, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás. Mestre em Performances Culturais pela mesma instituição com a dissertação intitulada: Vestido de Noiva (1943): a luz na gênese do moderno teatro brasileiro. Iluminador, técnico em iluminação cênica com 8 anos de experiência. Ator, com 19 anos de experiência e pesquisador. Formado em Artes Cênicas (Licenciatura) pela Universidade Federal de Goiás (2016) com um trabalho de conclusão de curso sobre criação de personagem. Atualmente trabalha a 5 anos como técnico de iluminação cênica no Teatro do Centro Cultural UFG. 

Referências

APPIA, Adolph. A obra de arte viva. Edição de Eugénia Vasques. Escola Superior de Teatro e Cinema 2002 2ª edição 2004 3ª edição 2005.

APPIA, Adolphe. In: BEACHAM, Richard C. (org.). Adolphe Appia: texts on theatre. London and New York: Routledge, 1993.

BALAKIAN, Anna. O simbolismo. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

BEACHAM, Richard C. Adolphe Appia: texts on theatre. London and New York: Routledge, 1993.

CAMARGO, Roberto Gill. Função estética da luz. 2ª. ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CAMARGO, Roberto Gill. Função estética da luz. Sorocaba, São Paulo: TCM Comunicação, 2000.

DRAGO, Niuxa Dias. O viés expressionista da cenografia de Santa Rosa: entre escadas e efeitos luminosos. O Percevejo, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 1-20, jan./jul. 2012.

FERNANDES, Sílvia. A encenação teatral no expressionismo. In: GUINSBURG, Jacó. O Expressionismo. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

FRAGA, Eudinyr. Nelson Rodrigues expressionista. Cotia, São Paulo: Ateliê Editorial, 1998.

FUSER, Fausto. A “turma da Polônia” na renovação teatral brasileira: presenças e ausências. In: GUINSBURG, Jacó; SILVA, Armando Sérgio (orgs.). Diálogos Sobre Teatro. 2. ed. ver. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

GUINSBURG, Jacó; PATRIOTA, Rosangela. Teatro brasileiro: ideias de uma história. Perspectiva, São Paulo, 2012.

LINS, Álvaro. Algumas notas sobre “os comediantes”. Correio da Manhã, edição 15088, 9 jan. 1944. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=089842_ 05&pasta=ano%20194&pesq=Álvaro%20Lins Acesso em: 04 de junho de 2021

MEYERHOLD, Vsévolod Emilevich. Do teatro. Tradução e notas Diego Moschkovich. São Paulo: Iluminuras, 2012.

MICHALSKI, Yan. Ziembinski e o teatro brasileiro. São Paulo: Editora Hucitec,1995.

PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 2009. (Coleção debates/dirigida por J. Guinsburg).

RODRIGUES, Nelson. Teatro completo I: peças psicológicas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

ROHL, Ruth. Teatro expressionista. Pandemoniun Germanicum, n° 1, p. 21-26, 1997.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. Tradução e apresentação, Yan Michalski. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

SIMÕES, Cibele Forjaz. A linguagem da luz: a partir do conceito de pós-dramático desenvolvido por Hans-Thies Lehmann. In: GUINSBURG, J.; FERNANDES, Sílvia (orgs.). O Pós-dramático: um conceito operativo? São Paulo: Perspectiva, 2008.

SIMÕES, Cibele Forjaz. À luz da linguagem. A iluminação cênica: de instrumento de visibilidade à “scriptura do visível”. Tese (doutorado) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2013.

TUDELLA, Eduardo. A luz na gênese do espetáculo. Salvador: EDUFBA, 2017.

VIANA, Fausto. O figurino teatral e as renovações do século XX. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

TEIXEIRA, E. de S. Vestido de Noiva (1943) entre a luz ativa e passiva de Adolphe Appia: uma metodologia de análise. A Luz em Cena: Revista de Pedagogias e Poéticas Cenográficas, Florianópolis, v. 1, n. 01, p. 1-30, 2021. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/aluzemcena/article/view/19954. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê temático: A luz e as relações cenográficas