Componentes de rendimento e produtividade de híbridos de milho em função de doses de NPK e de deficit hídrico em estádios fenológicos críticos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711642017422

Palavras-chave:

Zea mays, adubo, fertilização, estiagem

Resumo

O deficit hídrico e a deficiência nutricional são os principais fatores limitantes da produtividade da cultura do milho. Nesse sentido, objetivou-se com este estudo, avaliar os componentes de rendimento e a produtividade de grãos de híbridos de milho em função de níveis de adubação e de deficit hídrico em dois estádios fenológicos. O estudo foi realizado em casa de vegetação com a utilização de vasos com capacidade de 15 L. Utilizou-se delineamento de blocos casualizados em esquema fatorial (3 x 4 x 3) com três repetições. Os fatores foram constituídos por híbridos de milho (P30F53, AS1551 e AG5011), níveis de adubação (0; 0,5; 1 e 1,5 vezes a dose recomendada) e deficits hídrico (sem deficit, deficit no pendoamento (VT) e no enchimento de grãos (R2). Foi avaliado a altura de plantas, diâmetro de colmo, número de espigas, comprimento de espigas, massa seca e produtividade de grãos. Independente do híbrido e para todas as variáveis avaliadas a cultura do milho é mais sensível ao deficit hídrico no pendoamento do que no período de enchimento de grãos. O híbrido AS1551 foi o que apresentou maior produtividade de grãos, assim como, se destacou como o mais tolerante ao deficit hídrico e nutricional. A ausência de aplicação de NPK restringiu severamente a produtividade de grãos da cultura do milho, sendo que com o incremento dos níveis de adubação houveram significativos aumentos de produtividade. A correta fertilização do solo nos híbridos AS1551 e AG5011 mitigou os efeitos do deficit hídrico quando aplicado no estádio de enchimento de grãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osmar Henrique de Castro Pias, Federal University of Rio Grande do Sul

Eng° Agr. mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronomia Agricultura e Ambiente

Marcio André Lowe, Universidade Federal de Santa Maria

Graduando em Agronomia

Antônio Luis Santi, Universidade Federal de Santa Maria

Dr. em Ciência do Solo, Professor Cesnors

Referências

ADAMI PF et al. 2012. Grazing intensities and poultry litter fertilization levels on corn and black oat yield. Pesquisa Agropecuária Brasileira 47: 360-368.

ANDRIOLI KG & SENTELHAS PC. 2009. Brazilian maize genotypes sensitivity to water deficit estimated through a simple crop yield model. Pesquisa Agropecuária Brasileira 44: 653-660.

ARGENTA G et al. 2003. Potencial de rendimento de grãos de milho em dois ambientes e cinco sistemas de produção. Scientia Agraria 4: 27-34.

BEEVER D. 2000. Os transgênicos e o futuro da agricultura. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento 3: 4-8.

BERGAMASCHI H et al. 2004. Distribuição hídrica no período crítico do milho e produção de grãos. Pesquisa Agropecuária Brasileira 39: 831-839.

BERGAMASCHI H et al. 2006. Deficit hídrico e produtividade na cultura do milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira 41: 243-249.

BERNARDO S et al. 2006. Manual de Irrigação. 8.ed. Viçosa: Editora UFV. 625p.

BISSANI CA et al. 2008. Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. 2.ed. Porto Alegre: Metrópole. 344p.

CARLESSO R & SANTOS RF. 1999. Crescimento de plantas de milho submetidas a déficit hídrico em solos de diferentes texturas. Revista Brasileira de Ciência do Solo 23: 27-33.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. 2017. Safras históricas. Disponível em: http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1252&t=2&Pagina_objcmsconteudos=3#A_objcmsconteudos. Acesso em: 02 abr. 2017.

COSTA JR et al. 2008. Produção de matéria seca de cultivares de milho sob diferentes níveis de estresse hídrico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 12: 443–450.

CQFS-RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 400p.

KAPPES C et al. 2010. Germinação, vigor de sementes e crescimento de plântulas de milho sob condições de déficit hídrico. Scientia Agraria 11: 125-134.

MONDARDO D et al. 2011. Produção e composição químico-bromatológica da aveia preta fertilizada com doses crescentes de dejeto líquido suíno. Revista Ciência Agronômica 42:509-517.

NIED AH et al. 2005. Épocas de semeadura do milho com menor risco de ocorrência de deficiência hídrica no município de Santa Maria, RS, Brasil. Ciência Rural 35: 995-1002.

OUDA SAEF et al. 2008. Modeling the effect of different stress conditions on maize productivity using yield stress model. International Journal of Natural & Engineering Sciences 2: 57-62.

PIAS OH de C et al. 2017. Germination and vigor of maize hybrids seeds submitted to water stress. Acta Iguazu 6: 1-13.

RAMBO L et al. 2011. Índices nutricionais de N e produtividade de milho em diferentes níveis de manejo e de adubação nitrogenada. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 390-397.

RITCHIE SW et al. 1993. How a corn plant develops. Ames, Iowa State University of Science and Technology, 26p. (Special Report, 48).

SAS INSTITUTE. 1999. Statistical Analysis System, SAS/STAT User's Guide 8,0, North Caroline, NC: SAS Institute Inc.

SANTOS HG et al. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

SOUZA TC et al. 2016. Corn root morphoanatomy at different development stages and yield under water stress. Pesquisa Agropecuária Brasileira 51: 330-339.

VALDERRAMA M et al. 2011. Fontes e doses de NPK em milho irrigado sob plantio direto. Pesquisa Agropecuária Tropical 41: 254-263.

VAZ-DE-MELO A et al. 2012. Germinação e vigor de sementes de milho-pipoca submetidas ao estresse térmico e hídrico. Bioscience Journal 28: 687-695.

Downloads

Publicado

2018-01-24

Como Citar

PIAS, O. H. de C.; LOWE, M. A.; DAMIAN, J. M.; SANTI, A. L.; TREVISAN, R. Componentes de rendimento e produtividade de híbridos de milho em função de doses de NPK e de deficit hídrico em estádios fenológicos críticos. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 16, n. 4, p. 422-432, 2018. DOI: 10.5965/223811711642017422. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/6878. Acesso em: 22 set. 2023.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)