Aspectos físico-químico-anatômicos da madeira de Liquidâmbar visando à produção de polpa e papel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023741

Palavras-chave:

qualidade da madeira, composição química, celulose de fibra curta, liquidambar styraciflua

Resumo

 

O setor de celulose e papel tem notável destaque na economia brasileira, contribuindo significativamente com a balança comercial, geração de empregos e investimentos. Atualmente o setor utiliza basicamente a madeira de dois gêneros para produção de polpa para os segmentos de fibra curta e fibra longa, o Eucalyptus e o Pinus, respectivamente. Entretanto, é fundamental estudar novas matérias-primas, que possam surgir como alternativa a estas já consolidadas. Neste sentido, tem-se por objetivo avaliar as propriedades da madeira de Liquidambar styraciflua para produção de polpa celulósica e papel. Para isso, foram utilizadas cinco árvores, com 7 anos de idade, das quais extraíram-se discos ao longo do fuste para avaliação da densidade básica, composição química e morfologia das fibras da madeira. Os valores de densidade básica média e ponderada obtidos para a madeira de L. styraciflua foram de 0,482 e 0,484 g/cm³, respectivamente, o que permitiu classifica-la como de média densidade, valor próximo ao de outras espécies de folhosas utilizadas para produção de celulose. Em relação à composição química foram observados baixos teores de cinzas (0,29%) e lignina (24,71%), e altos teores de holocelulose (70,88%) e extrativos (4,40%). Quanto à caracterização morfológica das fibras observaram-se os valores médios de comprimento de 1,82 mm, largura de 27,84 μm, diâmetro do lúmen de 16,10 μm e espessura da parede de 5,87 μm. Além disso, foram obtidos os valores médios de 42,60%, 57,40%, 0,77 e 65,22 para os parâmetros de fração parede, coeficiente de flexibilidade, índice de Runkel e índice de enfeltramento, respectivamente. De maneira geral, com base nas características físico-químico-anatômicas obtidas para a madeira de L. styraciflua, conclui-se que a mesma apresenta aptidão para a produção de polpa celulósica e papel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magnos Alan Vivian, Universidade Federal de Santa Catarina

.

Amanda Fernandes de Castro, Universidade Federal de Santa Catarina

.

Karina Soares Modes, Universidade Federal de Santa Catarina

.

Weslley Wilker Corrêa Morais, Universidade Estadual de Roraima

.

Francides Gomes da Silva Júnior, Universidade de São Paulo

.

Referências

ABNT. 2003. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Determinação da densidade básica em madeira: NBR 11.941. Rio de Janeiro: ABNT. 6p.

ALMEIDA FS. 2003. Influência da carga alcalina no processo de polpação Lo-Solids para madeiras de Eucalipto. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 115p.

ALVES ICN et al. 2011. Caracterização tecnológica da madeira de Eucalyptus benthamii para produção de celulose kraft. Ciência Florestal 21: 167-174.

ALZATE SBA. 2009. Estrutura anatômica da madeira de clones de Eucalyptus. Revista Investigaciones Aplicadas 3: 1-14.

ANDRADE AS. 2006. Qualidade da madeira, celulose e papel em Pinus taeda L.: influência da idade e classe de produtividade. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 94p.

BASSA AGMC. 2006. Misturas de madeira de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla, Eucalyptus globulus e Pinus taeda para produção de celulose Kraft através do processo Lo-Solids. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 169p.

BURGER LM & RICHTER HG. 1991. Anatomia da madeira. São Paulo: Nobel. 154 p.

CARDOSO GV et al. 2001. Adequação de metodologia amostral de madeira de Eucalyptus saligna e Eucalyptus globulus para determinação do teor de cinzas. In: 34º Congresso Anual de Celulose e Papel. Anais... São Paulo: ABTCP. p.7.

CARVALHO PER. 1998. Espécies introduzidas alternativas às dos gêneros Pinus e Eucalyptus para reflorestamento no centro sul do Brasil. In: GALVÃO APM. 1998. Espécies não tradicionais para plantios com finalidades produtivas e ambientais. Colombo: Embrapa Florestas. 75-99.

CARVALHO AM & NAHUZ MAR. 2001. Valorização da madeira do híbrido Eucalyptus grandis x urophylla através da produção conjunta de madeira serrada em pequenas dimensões, celulose e lenha. Scientia Forestalis, 59: 61-76.

COSTA JA. 2011. Qualidade da madeira de Eucalyptus urograndis, plantado no Distrito Federal, para produção de celulose Kraft. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Brasília: UNB. 86p.

DUARTE FAS. 2007. Avaliação da madeira de Betula pendula, Eucalyptus globulus e de híbrido de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla destinadas a produção de polpa celulósica Kraft. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 107p.

EMBRAPA. 2012. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Atlas climático da Região Sul do Brasil: Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Pelotas, Embrapa Clima Temperado; Colombo: Embrapa Florestas. 333p.

FAVARO JSC. 2015. Estudos da polpação kraft, branqueamento e refino de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica). Guaratinguetá: UNESP. 178p.

FOREST PRODUCTS LABORATORY. 2010. Wood handbook - Wood as an engineering material. General Technical Report FPL-GTR-190. Madison: Department of Agriculture, Forest Service, Forest Products Laboratory. 508p.

FREITAS TP et al. 2017. Potencial de uso da madeira de Liquidâmbar sp. para a produção de polpa celulósica e papel. Ciências Agrárias 60: 328-334.

HASSEGAWA M. 2003. Qualidade da madeira de Pinus taeda L. de procedência da África do Sul. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 107p.

IBÁ. 2022. Indústria Brasileira de Árvores. Relatório Anual 2022. São Paulo: IBÁ. 49 p.

IAWA. 1989. International Association of Wood Anatomists. List of microscopic features for hardwood identification. IAWA Bulletin 10: 219-332.

KLOCK U & ANDRADE AS. 2013. Química da madeira. 4.ed. Curitiba: UFPR. 87p.

KORMANIK PP. 1990. Liquidambar styraciflua L. Sweetgum. In: BURNS RM & HONKALA BH (Eds.). Washington: Silvics of North America. p.400 - 405.

LORENZI H et al. 2003. Árvores Exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

MANIMEKALAI V et al. 2002. Fibres of Sorghum bicolor (L.) Moench and their potential use in paper and board making. Phytomorphology 52: 61-67.

MATTOS PP et al. 2001. Características da madeira de Liquidambar styraciflua. Circular Técnica. Colombo: Embrapa Florestas 49: 1 - 4.

METCALFE CR & CHALK L. 1983. Anatomy of the dicotyledons: wood structure and conclusion of the general introduction. 2ed. Oxford: Clarendon Press.

NISGOSKI S. 2005. Espectroscopia no infravermelho próximo no estudo de características da madeira e papel de Pinus taeda L. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 160p.

NISGOSKI S et al. 2012. Características anatômicas da madeira e índices de resistência do papel de Schizolobium parahyba (Vell.) Blake proveniente de plantio experimental. Scientia Forestalis 40: 203-211.

ROSA CAB. 2003. Influência do teor de lignina da madeira de Eucalyptus globulus na produção e na qualidade da celulose kraft. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Santa Maria: UFSM. 149p.

SEGURA TES. 2012. Avaliação das madeiras de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla e Acacia mearnsii para a produção de celulose kraft pelos processos convencionais de Lo-Solids. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 99p.

SEGURA TES. 2015. Avaliação das madeiras de Corymbia citriodora, Corymbia torelliana e seus híbridos visando à produção de celulose kraft branqueada. Tese (Doutorado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 198p.

SHIMIZU JY & SPIR IHZ. 2004. Produtividade de madeira de Liquidambar (Liquidambar styraciflua L.) de diferentes procedências em Quedas do Iguaçu, PR. Revista Árvore 28: 487-491.

SHIMOYAMA VRS & WIECHETECK MSS. 1993. Características da madeira e da pasta termomecânica de Pinus patula var. tecunumanii para produção de papel imprensa. IPEF 9: 63-80.

SILVA JC et al. 2005. Influência da idade e da posição ao longo do tronco na composição química da madeira de Eucalyptus grandis Hill ex. Maiden. Revista Árvore 29: 455-460.

TAPPI. 2002. Technical Association of The Pulp and Paper Industry. Ash in wood, pulp, paper and paperboard: combustion at 525°C: T 211 om-02. Atlanta: TAPPI. 5p.

TAPPI. 1997. Technical Association of The Pulp and Paper Industry. Solvent extractives of wood and pulp: T 204 cm-97. Atlanta: TAPPI. 4p.

TOSTES LCL et al. 2013. Morfometria das fibras do sistema radicular de Philodendron bipinnatifidum Schott (Família Araceae; subgênero Meconostigma). Biota Amazônia 3: 15-22.

VIVIAN MA. 2015. Aumento da eficiência do processo kraft de polpação a partir de pré-tratamento de cavacos de madeira de eucalipto. Tese (Doutorado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 125p.

VIVIAN MA et al. 2017. Evaluation of yield and lignin extraction from Eucalyptus grandis × Eucalyptus urophylla wood chips with the hydrotropic compound sodium xylenesulphonate (SXS). BioResources 12: 6723-6735.

VIVIAN MA et al. 2020. Caracterização tecnológica da madeira de Cupressus lusitanica visando à produção de polpa celulósica. Pesquisa Florestal Brasileira 40: 1-9.

VIVIAN MA et al. 2021. Características da madeira de Cunninghamia lanceolata (Chinese fir). Scientia Forestalis 49: 1-13.

VIVIAN MA et al 2022. Avaliação do potencial da madeira de Pinus greggii para produção de polpa celulósica. Revista de Ciências Agroveterinárias 21: 56-65.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

VIVIAN, Magnos Alan; CASTRO, Amanda Fernandes de; MODES, Karina Soares; MORAIS, Weslley Wilker Corrêa; SILVA JÚNIOR, Francides Gomes da. Aspectos físico-químico-anatômicos da madeira de Liquidâmbar visando à produção de polpa e papel. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 741–751, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023741. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23640. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Nota de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)