Avaliação do potencial da madeira de Pinus greggii para produção de polpa celulósica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712112022056

Palavras-chave:

caracterização física, indicadores de qualidade, composição química, celulose de fibra longa

Resumo

O segmento de produção de papel de fibra longa no Brasil está concentrado na utilização de duas espécies do gênero Pinus (P. taeda e P. elliottii). Assim, é fundamental avaliar novas espécies, visando ampliar as alternativas para esse segmento. O presente estudo teve como objetivo avaliar as propriedades físicas, químicas e anatômicas da madeira de Pinus greggii visando a produção de polpa celulósica. Foram utilizadas três árvores, com sete anos de idade, das quais foram retirados discos ao longo do fuste. Estes foram utilizados para avaliar as propriedades físicas (densidade básica média e ponderada), químicas (teores de cinza, extrativos, lignina e holocelulose) e anatômicas (dimensões dos traqueídeos e indicadores anatômicos). De acordo com a caracterização física da madeira, obteve-se um valor médio de densidade básica de 0,346 g.cm-3 e ponderado de 0,343 g.cm-3, o que permite classificá-la como leve ou de baixa densidade. Em relação à composição química, a espécie apresentou elevados teores de lignina e extrativos (34,83% e 6,25%, respectivamente) e baixos teores de holocelulose (58,92%) e cinza (0,20%). Para as dimensões dos traqueídeos obtiveram-se valores médios de 2,31 mm de comprimento, 41,30 µm de largura, 34,81 µm de diâmetro do lúmen, e 3,25 µm de espessura da parede celular. Quanto aos resultados dos índices de qualidade, a espécie obteve destaque para a fração parede (15,96%), coeficiente de flexibilidade (84,31%), índice de Runkel (0,19) e índice de enfeltramento (55,15). De modo geral, a madeira de P. greggii apresenta potencial para produção de polpa celulósica, destacando-se pelos indicadores anatômicos e pelas dimensões dos traqueídeos, que são semelhantes aos valores encontrados para P. taeda na mesma idade. Entretanto, possui elevados teores de lignina e extrativos, que podem aumentar o consumo de reagentes e diminuir o rendimento do processo de polpação, o que precisa ser comprovado em estudos com esta temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Saturnino Cardoso, Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, SC, Brasil

Forestry Engeneer, Federal University of Santa Catarina

Referências

AGUIAR AV. et al. 2011. Programa de melhoramento de Pinus da Embrapa Florestas. Documento 233. Colombo: Embrapa Florestas. 83p.

ANDRADE AS. 2006. Qualidade da madeira, celulose e papel em Pinus taeda L.: influência da idade e da classe de produtividade. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 94p.

ABNT. 2003. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Determinação da densidade básica em madeira: NBR 11.941. Rio de Janeiro: ABNT. 6p.

BASSA AGMC. 2006. Misturas de madeira de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla, Eucalyptus globulus e Pinus taeda para produção de celulose Kraft através do processo Lo-Solids. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 169p.

BITTENCOURT E. 2004. Parâmetros de otimização no processo de fabricação de celulose e papel. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais). Curitiba: UFPR. 61p.

BORSATO R. 2000. Variação genética em Pinus greggii Engelm. e seu potencial para reflorestamento no Sul do Brasil. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 86p.

CHIES D. 2005. Influência do espaçamento sobre a qualidade e o rendimento da madeira serrada de Pinus taeda L. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais). Curitiba: UFPR. 123p.

DOBNER JR. et al. 2018. Wood density of loblolly pine trees as affected by crown thinning and harvest age in southern Brazil. Wood Science and Technology 52: 465-485.

EMBRAPA. 2012. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Atlas climático da Região Sul do Brasil: Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Pelotas, Embrapa Clima Temperado; Colombo: Embrapa Florestas, 333p.

FENGEL D & WEGENER O. 1984. Wood: chemistry, ultrastructure, reactions. New York: Walter de Gruyter. 613p.

GOMES FA. 2009. Avaliação dos processos Kraft convencional e Lo-Solids para madeira de Pinus taeda. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 99p.

HASSEGAWA M. 2003. Qualidade da madeira de Pinus taeda L. de procedência da África do Sul. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 107p.

HENNESSEY TC et al. 2004. Long-term growth and ecophysiological responses of a southeastern Oklahoma loblolly pine plantation to early rotation thinning. Forest Ecology and Management 192: 97-116.

IBÁ. 2020. Indústria Brasileira de Árvores. Relatório anual 2020, ano base 2019. São Paulo: IBÁ. 66p.

KLOCK U. 2000. Qualidade da madeira juvenil de Pinus maximinoi H. E. Moore. Tese (Doutorado em Ciências Florestais). Curitiba: UFPR. 291p.

MUNHOZ LV et al. 2021. Predicted genetic gains for growth traits and Genotype x Environment interaction in Pinus greggii: new perspectives for genetic improvement in Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências 93: 1-12.

NISGOSKI S. 2005. Espectroscopia no infravermelho próximo no estudo de características da madeira e papel de Pinus taeda L. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 160p.

PALERMO GPM et al. 2003. Análise da densidade da madeira de Pinus elliottii Engelm. por meio de radiação gama de acordo com as direções estruturais (longitudinal e radial) e idade de crescimento. Floresta e Ambiente 10: 50- 51.

ROSA CAB. 2003. Influência do teor de lignina da madeira de Eucalyptus globulus na produção e na qualidade da celulose kraft. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Santa Maria: UFSM. 149p.

SHIMIZU JY. 2008. Espécies de Pinus na silvicultura brasileira. In: SHIMIZU JY. (Ed.). Pinus na silvicultura brasileira. Colombo: Embrapa Floresta. p.66-67.

SHIMOYAMA VRS & WIECHETECK MSS. 1993. Características da madeira e da pasta termomecânica de Pinus patula var. tecunumanii para produção de papel imprensa. Série Técnica IPEF 9: 63-80.

SIMÃO LR. 2011. Espectroscopia no infravermelho próximo no estudo das propriedades da madeira de Pinus taeda L. e Pinus greggii Engelm. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 87p.

TASISSA G et al. 1998. Juvenile-mature wood demarcation in loblolly pine trees. Wood and Fiber Science 30: 119-127.

TAPPI. 2002. Technical Association of The Pulp and Paper Industry. Ash in wood, pulp, paper and paperboard: combustion at 525°C: T 211 om-02. Atlanta: TAPPI. 5p.

TAPPI. 1997. Technical Association of The Pulp and Paper Industry. Solvent extractives of wood and pulp: T 204 cm-97. Atlanta: TAPPI. 4p.

VASCONCELOS FSR. 2005. Avaliação do processo SuperBatch™ de polpação de Pinus taeda. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 104p.

VASQUES AG et al. 2007. Uma síntese da contribuição do gênero Pinus para o desenvolvimento sustentável no Sul do Brasil. Floresta 37: 445-450.

VIVIAN MA. 2015. Aumento da eficiência do processo kraft de polpação a partir de pré-tratamento de cavacos de madeira de eucalipto. Tese (Doutorado em Recursos Florestais). Piracicaba: ESALQ. 125p.

VIVIAN MA et al. 2015. Qualidade das madeiras de Pinus taeda e Pinus sylvestris para a produção de polpa celulósica kraft. Scientia Forestalis 48: 183-191.

VIVIAN MA et al. 2021. Características da madeira de Cunninghamia lanceolata (Chinese fir). Scientia Forestalis, 49: 1-13.

Downloads

Publicado

2022-03-04

Como Citar

VIVIAN, M. A.; CARDOSO, A. S.; MODES, K. S.; SILVA JÚNIOR, F. G. da. Avaliação do potencial da madeira de Pinus greggii para produção de polpa celulósica. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 1, p. 56-65, 2022. DOI: 10.5965/223811712112022056. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/20687. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas